"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

Da autonomia em política - Cornelius Castoriadis

A filosofia não é filosofia se não expressa um pensamento autônomo. Que significa autônomo? Isto é autônomo, "que se dá a si mesmo sua lei". Em Filosofia, está claro: dar-se a si mesmo sua lei, quer dizer estabelecer as questões e não aceitar autoridade alguma. Pelo menos a autoridade de seu próprio pensamento prévio.

O poder na era das redes sociais

A comunicação de masas é aquela que tem o potencial de chegar ao conjunto da sociedade e é caracterizada por uma mensagem que vai de um a muitos, com interatividade inexistente ou limitada. Autocomunicação de massas é aquela que vai de muitos para muitos, com interatividade, tempos e espaços variáveis, controláveis.

Hayek contra Keynes: o debate do século

As linhas divisórias que hoje cruzam pensamento econômico devem muito a este debate. Por exemplo, a análise do papel do Estado e da política na gestão econômica depende essencialmente desta polêmica.

O Califado contra o resto do mundo

Quem ganha e quem perde com o novo realinhamento geopolítico no Médio Oriente?

Colapso do petróleo e do sistema financeiro ameaça expropriar os fundos de pensão

Desde os resgates bancários de 2008 houve um debate produtivo sobre a necessidade de mudar o sistema e evitar os monstros bancários "grandes demais para falir", que tiveram que ser resgatados pelos governos.

sábado, 21 de maio de 2011

confira os resultados deste sábado do Brasileirão 2011

                    Série "B"
Portuguesa 4 x 0 Náutico
Sport 1 x 0 Icasa
Americana 1 x 1 Duque de Caxias
Criciúma 2 x 2 Guarani
Vitória 1 x 0 Vila Nova
Salgueiro 1 x 2 Paraná

                  Série "A"
Flamengo 4 x 0 Avaí
Cará 1 x 3 Vasco
Atlético-MG 3 x 0 Atlético-PR
Santos 1 x 1 Internacional

Oposição propõe CPI para investigar Palocci

A intenção é quebrar o sigilo fiscal e bancário da empresa de consultoria do ministro, a Projeto, e verificar se houve tráfico de influência. Sem a ajuda de partidos da base aliada, a oposição não terá número suficiente de assinaturas para criar uma CPI. A exposição do sigilo do ministro revelaria contatos com boa parte do PIB nacional, o que tem deixado o mercado inquieto.
A proposta de tentar uma CPI mista de deputados e senadores sobre o caso surgiu no PSDB, partido da oposição que vinha atuando de forma mais discreta no caso. O requerimento de criação da CPI avança ainda para um questionamento sobre o papel de Palocci como um dos coordenadores de campanha da presidente Dilma Rousseff ao mesmo tempo que prosperava o faturamento de sua empresa.
Conforme o jornal O Estado de S.Paulo publicou ontem, o próprio ministro, em informações que pretende enviar à Procuradoria-Geral da República, admite que a maior parte da movimentação financeira da empresa Projeto ocorreu após a eleição de 2010.
Os líderes tucanos na Câmara, Duarte Nogueira (SP), e no Senado, Alvaro Dias (PR), conversaram com o presidente do partido, deputado Sérgio Guerra (PE), e decidiram começar as articulações. DEM, PPS e PSOL já manifestaram apoio à ideia.
Para tirar a proposta do papel, a oposição precisa recolher 171 assinaturas na Câmara e 27 no Senado. Juntos, os partidos oposicionistas somam menos de 100 deputados e 18 senadores.
Entre os governistas mais alinhados com o Planalto, porém, a intenção é dar o assunto por encerrado. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), afirmou ontem que não vê motivo para uma CPI. “Acho que não há motivo nenhum para nenhuma CPI, uma vez que até agora não vi no debate nenhum crime a ser levantado e nenhuma contravenção que se pudesse investigar.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fórmula 1 2011: confira o grid de largada para o GP da Espanha

  1. Mark Webber - RBR
  2. Sebastian Vettel - RBR
  3. Lewis Hamilton - McLaren
  4. Fernando Alonso - Ferrari
  5. Jenson Button - McLaren
  6. Vitaly Petrov - Lotus-Renault
  7. Nico Rosberg - Mercedes
  8. Felipe Massa - Ferrari
  9. Pastor Maldonado  - Williams
  10. Michael Schumacher - Mercedes
  11. Sebastian Buemi - Toro Rosso
  12. Sergio Perez - Sauber
  13. Jaime Alguersuari - Toro Rosso
  14. Kamui Kobayashi  - Sauber
  15. Heikki Kovalainen - Lotus
  16. Paul di Resta - Force India
  17. Adrian Sutil - Force India
  18. Jarno Trulli - Lotus 
  19. Rubens Barrichello - Williams
  20. Timo Glock - Virgin
  21. Vitantonio Liuzzi - Hispania
  22. Narain Karthkeian - Hispania
  23. Jerome D`Ambrosio - Virgin
  24. Nick Heidfeld - Lotus-Renault

sexta-feira, 20 de maio de 2011

jogos desta noite na abertura da série "B" 2011

Bragantino 1 X 1 ABC
Salgueiro 1 x 1 São Caetano
Goiás 1 x 0 Barueri

Professora do RN critica educação no estado e vira "heroína" nas redes sociais

Por Redação Yahoo! Brasil | Yahoo! Notícias – qui, 19 de mai de 2011


O vídeo que mostra a fala de Amanda teve 180 mil visualizações no YouTube desde o dia 14, quando foi postado, e seu nome ficou entre os “trending topics” do Twitter - a lista dos temas mais comentados da rede social - entre quarta e quinta-feira.

Amanda mostrou seu contracheque de R$ 930 aos deputados e enumerou algumas das dificuldades encontradas pelos professores no estado, além dos baixos salários: transporte precário, salas de aula superlotadas e até a proibição aos professores de comerem a merenda oferecida aos alunos.

A professora também criticou a secretária de Educação do RN, Betânia Ramalho. “A secretária disse que não podemos ser imediatistas, que precisamos pensar a longo prazo. Mas a minha necessidade de alimentação é imediata”, disse. “Pedimos respeito, pedimos que a senhora não vá à mídia pedindo flexibilidade, como se fôssemos responsáveis pelo caos”, afirmou, referindo-se à greve da categoria.

Com uma fala segura e firme, Amanda disse que não sentia vergonha de mostrar seu contracheque ao público presente na audiência. “Quem deveria estar constrangido são vocês”, disse, dirigindo-se aos deputados e à secretária Betânia.

Forças da Síria atiram e matam 30 em protestos, diz ativista

Outros ativistas relataram manifestações por toda a Síria, de Banias e Latakia na costa do Mediterrâneo até a zona produtora de petróleo Deir al-Zor, no leste curdo e em Hauran, no sul, um dia depois de os EUA terem pressionado o presidente Bashar Al-Assad a fazer reformas ou renunciar.
A Síria impediu o acesso da maioria da imprensa internacional desde que os protestos começaram há dois meses, o que torna impossível a verificação independente do que dizem os ativistas e autoridades do país.
"Sem diálogo com tanques", diziam cartazes carregados por manifestantes curdos que gritavam "azadi", palavra curda para liberdade, rejeitando as promessas das autoridades de um diálogo nacional, disse uma testemunha.
Protestos começaram nos subúrbios de Damasco e no distrito de Barzeh na capital, onde duas testemunhas disseram que as forças de segurança abriram fogo contra os manifestantes e os perseguiram pelas ruas.
O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, que tem sede na Grã-Bretanha, disse que pelo menos 831 civis foram mortos desde o começo do levante contra o regime autocrático, iniciado na cidade de Deraa, no sul do país, nove semanas atrás. A organização disse que 10 mil pessoas foram presas, incluindo centenas na nesta sexta-feira.
Alguns manifestantes pediam por liberdade, afirmam os ativistas, enquanto outros demandavam a "queda do regime", o slogan dos levantes que retiraram do poder os líderes do Egito e da Tunísia.
A ativista de direitos humanos Razan Zaitouna disse que 12 pessoas foram mortas na cidade de Maaret al-Numan, ao sul de Aleppo, a segunda maior cidade da Síria. Tanques invadiram a cidade no início do dia para dispersar os manifestantes.
Ela disse que outras 11 pessoas foram mortas na cidade de Homs. Outras sete, acrescentou ela, foram mortas em Deraa, Latakia, no subúrbio de Damasco e em Hama, cidade na qual o pai de Assad, o falecido presidente Hafez al-Assad, enviou tropas militares para esmagar um levante islâmico armado na década de 1980.
Vídeo amador publicado por ativistas, que dizem ter sido filmado em Homs, mostra vários manifestantes correndo quando começam os tiros. Um carro da polícia estava queimando em uma rua.
O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos disse que tem os nomes de pelo menos 21 manifestantes mortos nesta sexta-feira.
Os Estados Unidos, que condenaram a repressão como bárbara, impuseram sanções dirigidas contra Assad nesta semana, e o presidente Barack Obama disse na quinta-feira que a Síria precisa se distanciar do caminho "dos assassinatos e prisões em massa".

Procuradoria-geral da república pede explicações a Palocci

Palocci tem 15 dias para prestar os esclarecimentos pedidos pelo procurador-geral Roberto Gurgel, que se baseou nas representações de PSDB, DEM, PPS e PSOL, de acordo com a assessoria da PGR.
Nos pedidos de investigação, a oposição cita reportagem publicada pelo jornal Folha de S. Paulo no último domingo afirmando que o patrimônio do ministro teria crescido 20 vezes desde 2006, depois que Palocci fundou a consultoria Projeto, que atendia clientes na área econômico-financeira.
O PSDB anunciou nesta sexta que tentará abrir uma CPI mista no Congresso para investigar o ministro.
Palocci afirmou, em notas divulgadas no domingo e na segunda-feira, que seu aumento patrimonial está detalhado na declaração de Imposto de Renda e que a Projeto prestou serviços a clientes da iniciativa privada "tendo recolhido sobre a remuneração todos os tributos devidos".
Nas representações, os partidos de oposição também pedem que a PGR investigue quem são os clientes da Projeto e qual seu faturamento.
Palocci já planejava enviar esclarecimentos adicionais ao procurador-geral, segundo disse à Reuters uma fonte do Palácio do Planalto que falou sob a condição de anonimato. Agora, o ministro tem um prazo legal para se explicar.
Em nota, a Projeto disse nesta sexta-feira que não confirma que tenha faturado 20 milhões de reais em 2010, como noticiou a Folha de S. Paulo, e explicou o motivo para ter obtido ganhos maiores do que no ano passado.
"O faturamento da empresa foi maior em 2010, seu último ano de operação como consultoria, por duas razões: o natural crescimento do volume de contratos ano a ano e as negociações decorrentes do fim de suas atividades de consultoria, que implicaram quitação antecipada pelos serviços prestados após acordo com os clientes", disse a nota. Depois que Palocci foi chamado para ser ministro, a Projeto deixou de ser uma empresa de consultoria e passou a ser administradora de imóveis.
A empresa também afirmou que não pode divulgar detalhes de seus contratos e nem o nome dos clientes que a contrataram devido a uma cláusula de confidencialidade entre as partes.
A divulgação da lista de clientes é uma das reivindicações da oposição no Congresso. Os parlamentares querem saber se as empresas que contrataram a Projeto tiveram alguma vantagem no governo, o que poderia configurar a prática de tráfico de influência.
(Reportagem de Jeferson Ribeiro)

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Confira os convocados de Mano Menezes para amistosos contra Holanda e Romênia

Goleiros:
Julio Cesar - Internazionale
Victor - Grêmio
Jeferson - Botafogo
Fábio - Cruzeiro

Zagueiros:
Lúcio - Internazionale
Thiago Silva - Milan
Luizão - Benfica
David Luiz - Chelsea

Laterais:
Daniel Alves - Barcelona
Maicom - Internazionale
André Santos - Fenerbahçe
Adriano - Barcelona

Meio-campistas:
Lucas Silva - Liverpool
Sandro - Tottenhan
Ramires - Chelsea
Elias - Atlético de Madrid
Henrique - Cruzeiro
Anderson - Manchester United
Elano - Santos
Jadson - Shaktar Donestsk
Thiago Neves - Flamengo
Lucas - São Paulo

Atacantes:
Robinho - Milan
Nilmar - Villarreal
Alexandre Pato - Milan
Fred - Fluminense
Neymar - Santos
 Leandro Damião - Internacional

Será o fim de Palocci no Governo?

Alpino  Internautas já pedem, pelo twitter, renúncia de Palocci - Por Alpino, colunista do Yahoo Brasil
www.colunistas.yahoo.net

Inscrições para o ENEM começam segunda-feira



                  As inscrições para o exame nacional do ensino médio (ENEM) começam na próxima segunda-feira e prosseguem até o dia 10 de junho. Para se inscrever o aluno interessado terá que acessar o site do inep para fazer a inscrição, as provas serão realizadas nos dias 23 e 24 de outubro.
               A partir do ano que vem o exame terá duas edições. Uma no primeiro semestre e outra no segundo. Desde 2009 o enem vem sendo usado em substituição aos vestibulares em muitas universidades do país. A partir do resultado obtido na prova o candidato se inscreve no sistema de seleção unificado (sisu) e pode assim ter garantida uma vaga em instituições públicas.

Senado aprova MP que cria cadastro de bons pagadores

BRASÍLIA (Reuters) - O Senado aprovou nesta quarta-feira a medida provisória que cria um Cadastro Positivo de bons pagadores para a concessão de crédito.
O texto será encaminhado para a presidente Dilma Rousseff, que terá 15 dias para sancioná-lo.
Com a criação do Cadastro Positivo, as empresas de bancos de dados terão acesso a informações sobre pagamentos em dia realizados por pessoas físicas e jurídicas.
Defensores da medida esperam que ela facilite o acesso a financiamentos e reduza o chamado spread bancário, a diferença entre o custo de captação dos bancos e os juros cobrados dos tomadores finais.
A inclusão no Cadastro Positivo, de acordo com informações da Agência Senado, será feita somente após autorização expressa da pessoa. Essa autorização deverá ser feita por documento específico ou de uma cláusula no contrato.
A MP prevê que a pessoa cadastrada poderá, a qualquer momento, solicitar a sua exclusão da lista ou consultar gratuitamente os dados cadastrados ou impugná-los em casos de erro.
O texto aprovado no Senado foi o mesmo que passou pela Câmara na semana passada.
(Por Hugo Bachega)

Líderes fecham acordo para votar código florestal na terça-feira

BRASÍLIA (Reuters) - Líderes da base governista e da oposição fecharam um acordo para levar à votação na terça-feira o projeto que altera o Código Florestal. A decisão foi tomada após reunião em que ficou decidido manter posição contrária à prerrogativa defendida pelo governo de regularizar o uso de áreas de preservação permanente por decreto.
Segundo o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), o acordo substituiu a emenda do DEM por uma nova redigida por partidos da base, mas que também pretende retirar do governo a definição por decreto das Áreas de Preservação Permanente (APPs) já ocupadas pela agricultura que seriam regularizadas.
"Vamos fazer um esforço para convencer o governo. ..(a emenda) não é contra o governo, é a favor do governo", afirmou Alves ao sair da reunião, da qual também participaram o líder do PSDB, Duarte Nogueira (SP), e do DEM, ACM Neto (BA).
O líder do governo na Casa, Cândido Vaccarezza (SP), que não participou da reunião e do acordo, afirmou que o governo não apoia emenda alguma.
"O governo encaminhará contrário à emenda, mas a minha esperança é que daqui até terça-feira nós formulemos uma proposta que envolva a base do governo", disse Vaccarezza a jornalistas.
A votação do projeto foi adiada três vezes por divergências entre o relator do texto, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), Executivo e parlamentares.
Na semana passada, depois de ter sido anunciado um acordo sobre o texto do relator, Vaccarezza percebeu um movimento de parlamentares da base a favor da emenda do DEM e pediu a aliados que o ajudassem a adiar a votação do tema pela terceira vez. Depois da manobra, a oposição ameaçou não votar outro item que não fosse apreciado o Código Florestal.
Vaccarezza afirmou na terça-feira que o projeto de reforma do código será votado na próxima semana, mesmo que isso signifique uma derrota para o governo.
Para a ex-ministra do Meio Ambiente e ex-senadora pelo PV, Marina Silva, o acordo significa uma "liberação geral" para a ocupação de APPs.
"Esse acordo está, na verdade, entregando as nossas florestas de uma forma que é inadmissível", disse Marina, lembrando dos compromissos assumidos pela presidente Dilma Rousseff durante a campanha eleitoral, de não permitir medidas que facilitem o desmatamento.
Marina afirmou que seu partido irá obstruir e votará contra o texto do novo Código Florestal.
(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Crise no governo?

Alpino  Oposição quer investigar finanças de Palocci (cartunista Alpino - colunista do Yahoo Brasil)

Amazônia perde 593 Km quadrados em março/abril. MT lidera desmate

SÃO PAULO (Reuters) - O desmatamento na Amazônia subiu para 593 quilômetros quadrados em março e abril deste ano, na comparação com os mesmos meses do ano passado, e o Mato Grosso foi o Estado que mais contribuiu para a perda da floresta com 480,3 quilômetros quadrados de área desmatada, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).
O alerta sobre o avanço do desmatamento ocorre no momento em que o projeto que altera o Código Florestal aguarda para ser votado na Câmara dos Deputados. A votação do texto já foi adiada três vezes por falta de consenso entre governo, o relator, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), e parlamentares.
O desmatamento da Amazônia, floresta vital para as pretensões brasileiras de protagonismo na área ambiental e nas negociações internacionais sobre as mudanças do clima, registrou grande aceleração em abril na comparação com março, segundo os números do Inpe, indo de 115,6 quilômetros quadrados, para 477,4 quilômetros quadrados de um mês para o outro.
"Esses dados têm um efeito muito ruim para o Brasil no cenário internacional, por conta dos compromissos assumidos pelo país na COP-15", disse à Reuters o responsável pela Campanha de Florestas do Greenpeace, Márcio Astrini.
O ambientalista se referiu à conferência sobre mudanças climáticas na qual o Brasil apresentou um compromisso voluntário de reduzir emissões de gases causadores do efeito estufa, o que inclui reduzir o desmatamento.
Para ele, a possibilidade de aprovação do novo Código Florestal explica a alta no desmatamento. "O crescimento do desmatamento tem toda a relação (com a discussão do projeto que altera o Código Florestal). Por eliminação, é a única razão que explica o aumento do desmatamento", disse.
Para ele, o relatório de Rebelo anistia proprietários rurais irregulares e incentiva o desmatamento ao suspender embargos a quem desmatou ilegalmente.
A reforma do texto do código pode trazer mudanças nas Áreas de Preservação Permanente (APPs) e na Reserva Legal, partes das propriedades que têm de ser mantidas intactas, sem a destinação para atividades econômicas.
SALTO
Embora o Inpe desaconselhe comparações com os mesmos meses dos anos anteriores, por conta da diferença na cobertura de nuvens entre os períodos, para se ter uma ideia, entre março e abril do ano passado foi detectado um desmatamento de 103,5 quilômetros quadrados na Amazônia.
Ou seja, o número aferido pelo Inpe em março e abril deste ano, representa um salto de 472,9 por cento na comparação com o ano anterior.
Em Mato Grosso --principal produtor de soja e algodão do país e que abriga o maior rebanho bovino do Brasil-- o desmatamento detectado pelo sistema Deter, do Inpe, saltou de 76,4 quilômetros quadrados em março e abril do ano passado, para 477,4 quilômetros no mesmo período deste ano.
Na terça-feira, o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgou um alerta sobre a escalada do desmatamento em Mato Grosso em abril deste ano.
De acordo com a organização não-governamental, que usa um sistema de detecção de desmatamento diferente do usado pelo Inpe, o desmatamento no Estado somou 243 quilômetros quadrados, saltando 537 por cento na comparação com o mesmo mês de 2010.
Após a divulgação do alerta do Imazon, a senadora Kátia Abreu (DEM-TO), que também é a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), foi à tribuna do Senado e acusou o Imazon de divulgar dados inverídicos sobre o desmatamento na Amazônia.
A senadora, que está de saída do DEM rumo ao PSD, lançado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, afirmou que com a divulgação de dados não-verdadeiros, o Imazon causaria "terrorismo à população brasileira", segundo a Agência Senado.
(Por Eduardo Simões, com reportagem adicional de Maria Carolina Marcello em Brasília)

Governo manobra para evitar ida de Palocci ao congresso

Na noite da terça-feira, a vice-presidente da Casa, deputada Rose de Freitas (PMDB-ES), convocou para a manhã desta quarta um sessão extraordinária no plenário. Pelo regimento da Câmara, quando há sessão no plenário as comissões não podem fazer deliberações.
Com esse artifício, o presidente da Comissão de Fiscalização e Controle da Casa, deputado Sérgio Brito (PSC-BA), suspendeu os trabalhos. O DEM havia apresentado um requerimento para chamar o ministro e esperava aprová-lo nesta quarta. O deputado, no entanto, afirmou à Reuters que "não abre mão" de colocar em votação o requerimento em sessão na próxima quarta na comissão.
"Isso é um golpe do governo. É uma manobra contra o Legislativo", afirmou o líder do DEM na Casa, ACM Neto (BA).
A oposição também havia feito um requerimento na Comissão de Finanças e Tributação, cuja sessão também foi cancelada pelo mesmo motivo.
A manobra irritou parlamentares opositores, que se recusaram a participar da reunião de lideranças marcada para as 9h desta quarta. "A presidente me ligou e me chamou para ir à reunião de líder. Eu disse a ela que não iria, porque o diálogo está interrompido depois desse golpe do governo", afirmou ACM Neto.
Descontentes, os opositores conseguiram manter aberta a sessão da Comissão de Agricultura, comandada pelo DEM, e tentaram aprovar um requerimento que já estava na pauta para levar Palocci ao Congresso.
Apesar de ter maioria, o vice-presidente dessa comissão, deputado Lira Maia (DEM-PA), suspendeu temporariamente a votação, porque ACM Neto apresentou um requerimento ao plenário da Casa para convidar o ministro da Casa Civil para prestar explicações sobre o seu enriquecimento a todos os parlamentares.
"Vamos tentar convocar o Palocci no plenário", disse ACM Neto ao deixar a comissão de Agricultura.
O aumento patrimonial do ministro em 20 vezes desde 2006 foi divulgado em reportagem publicada no domingo pelo jornal Folha de S.Paulo. Em notas, o ministro esclareceu que sua evolução patrimonial consta em sua declaração de Imposto de Renda.
(Por Jeferson Ribeiro)