"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Conselho de Direitos Humanos adota resolução contra a Síria


Sessão especial de emergência ocorreu em Genebra; órgão examinou deterioração dos direitos humanos no país e assassinatos recentes no vilarejo de Houla.
ONU tem missão de supervisão no país
Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.
O Conselho de Direitos Humanos da ONU adotou nesta sexta-feira uma resolução que condena massacres recentes na Síria.
Entre os países membros do órgão, 41 votaram a favor do texto, dois se abstiveram e três votaram contra: Rússia, China e Cuba.
Apelo
Em sessão de emergência, em Genebra, o Conselho avaliou a deterioração dos direitos humanos no país e os recentes assassinatos no vilarejo de Houla.
Em declaração, a alta comissária Navi Pillay afirmou que a morte de 108 civis no local, sendo a maior parte crianças e mulheres, pode ser considerada "crimes contra a humanidade".
Pillay pediu ainda à comunidade internacional todos os esforços necessários ao fim da impunidade e para garantir que os responsáveis pelas atrocidades sejam punidos.
Voto do Brasil
De Genebra, a embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevêdo, comentou a posição do país na votação.
"O Brasil expressou seus sentimentos em relação às famílias que perderam parentes e amigos. Nós reafirmamos o apoio ao plano de seis pontos do Kofi Annan. Pedimos ao governo sírio para cooperar com a Missão de Supervisão da ONU. O Brasil espera que haja uma solução com base no diálogo, que não seja militar, para a situação de crise de hoje na Síria."
Já o representante do governo sírio acusou "grupos armados da oposição" de terem cometido o massacre no vilarejo.
Esta foi a quarta vez que o Conselho de Direitos Humanos realizou uma sessão especial sobre a Síria desde o início dos confrontos, em março do ano passado.

0 comentários:

Postar um comentário