"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

E essa tal educação cega?

No livro "Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro" o filósofo francês Edgar Morin propõe que em cada Universidade seja instituída uma Disciplina para se ensinar a Compreensão Humana através do estudo, principalmente, de poemas e romances. Ensinar a compreensão citando os exemplos da Sônia que perdoa Raskolnikov no romance Crime e Castigo de Dostoiévski,  dos perigos do autoritarismo em 1984 de George Orwell ou a brutalidade do Paulo Honório no São Bernardo de Graciliano Ramos enfim; agora imaginemos uma "educação", onde a maioria quase absoluta sequer aprende a ler e escrever e quando o faz é transformada em uma espécie de máquina, sim porque essa "educação" está transformada em cursinhos, têm técnicas de redação, siglas para decorar alguns conceitos, provas que mais parecem pranchetas do manual de ordem militar.

Coloca-se bastante a discrepância entre a Rede Privada, tida como muito superior, e a pública sempre reflexo de desestruturação, as duas são péssimas, contaminadas pelo efeito cursinho, educação passaporte, cega. No ensino superior, o mercadão do diploma, os cursos de direito são cursinhos pré-OAB, feitos com manuais ridículos.

Não adianta querer fazer de homens máquinas, tanto formalismo só serve para afastar-nos da ética universal sonhada. Ora, até a ciência que se acreditava dona da verdade, sabemos hoje, que não possui esse poder, ensinemos a complexidade, os exemplos da barbárie passada e da vivida atualmente.

0 comentários:

Postar um comentário