"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

domingo, 2 de fevereiro de 2014

O Consumismo como modelo de vida predominante

O Consumo tem representado durante décadas um dos hábitos mais comuns da sociedade ocidental. A economia de hoje é em grande parte baseado no consumo. Mas o que realmente é o consumismo?

De acordo com o dicionário da Real Academia Espanhola da Língua, é a "Aquisição de bens e serviços considerados não essenciais para a sobrevivência. Estes bens e serviços, fornecem status e prestígio dentro de um grupo social. "

A sociedade de consumo tem suas origens na Segunda Revolução Industrial e o desenvolvimento do modelo de produção fordista. Ao ser capaz de aumentar a produção e reduzir os custos, muitas famílias foram capazes de comprar produtos populares, como eletrodomésticos, automóveis, telefones, etc. Levando ao consumo de massa.

5038734167_571c387245
Imagem: ssociologos

Durante os anos 50 e 60 se consolidou o consumo em massa nos Estados Unidos e na Europa, graças ao desenvolvimento do Sistema de Bem-Estar. O estado era o responsável de fornecer segurança material, investindo em educação, saúde, obras públicas, pensões, etc. Como as famílias poderiam se envolver no consumo de outros bens de lazer, que até então só tinha sido acessível para a classe burguesa. Foi quando a classe média nasceu.

Max Weber menciona em um de seus estudos a existência de um grupo social representado por profissionais e técnicos de colarinho branco, que não têm capital próprio, mas obtém rendas acessíveis.[1]

A ascensão da classe média na sociedade causou uma grande mudança nos hábitos e no comportamento social. Muitos setores da economia, como o turismo, os transportes e a hospitalidade se tornou global e se tornou popular em quase todo o mundo, e o fato de ir a férias.

No entanto, o bem-estar que ocorreu até então, foi progressivamente corroído pela ascensão das políticas neoliberais, após a crise do petróleo de 1979. O estado não era mais capaz de sustentar as políticas sociais dos anos anteriores, de modo que a segurança de material passou para as mãos do mercado . Durante a década de 1980 se adotou o estilo de vida próprio dos Estados Unidos em praticamente todo o Mundo. O "American Way of Life", cujo pilar essencial era o hiper consumo.

Professor Julio García Camarero da Universidade de Valência define o hiper consumo como  "uma doença provocada não só pelo marketing ou publicidade, mas uma imposição forçada do mercado de consumir em massa determinados bens ou serviços".[2]

Atualmente se consume tudo aquilo  que inclusive não é  necessário, e em muita quantidade. Um exemplo disso são os novos telefones também chamado de "Smartphone", este tipo de telefone vem com muitas aplicações que muitas vezes tendem a ser inúteis, mas ainda assim, muitas pessoas compram este tipo de telefone, pois, como dissemos anteriormente, nos dá um certo status social e prestígio.

Muitos jornais , como The Economist, The Journal e no Journal of Navarra anunciou que o consumo de bens de luxo no nosso país tem aumentado desde 2010, enquanto o indicador de confiança dos consumidores indica que cada vez menos pessoas consomem  produtos que não sejam para a subsitência [3].

A crise pode ter representado uma polarização social de ricos mais ricos e  pobres mais pobres, mas ainda assim o hiper consume segue presente em nossas vidas diárias, moldando os nossos hábitos e costumes à semelhança de um modelo global, para um mercado cada vez mais  global.

Artigo por Paul Colomina Climent . Estudante de Sociologia da UA - Publicado em Ssociologos

Bibliografía:

CIS Índice de consumo de Abril 2013, 2012 y 2011

García J. Consumo, Consumismo e Hiperconsumismo. 2008. Universidad de Valencia

Lipovetsky G. La felicidad paradójica. Ensayo sobre la sociedad del Hiperconsumo. 2006. Barcelona. Ed. Anagrama.

Noticias de los diarios El economista, El Diario y el Diario de Navarra.

WEBER M. Economía y sociedad. 1976. Cap. VIII: “La división del poder en la comunidad”

[1]WEBER M. Economía y sociedad. 1976. Cap. VIII: “La división del poder en la comunidad”
[2] García J. Consumo, Consumismo e Hiperconsumismo. 2008. Universidad de Valencia
[3] CIS Índice de consumo de Abril 2013, 2012 y 2011.

0 comentários:

Postar um comentário