"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

sábado, 31 de maio de 2014

O sete saberes segundo Edgar Morin

Sociólogo e pesquisador francês (Paris, 1921) de forte ascendência nos círculos acadêmicos. Edgar Morin é autor de O Espírito da Época (1962), Introdução a uma política do homem (1965), La Comuna na França: Plodémet Metamorphosis (1967), O rumor de Orleans (1970), Diário da Califórnia (1971 ) O Método (1977), O que é o totalitarismo. A Natureza da URSS (1983), Terra-Pátria (1993) Para sair do século XX (1996) e Amour, Poésie, Sagesse (1998). Premiado com o prêmio de comunicação Medici (1992), e da Legião de Honra e o Prêmio Internacional da Catalunha em 1994. 

1. Uma educação que cure a cegueira do conhecimento.


Todo conhecimento traz o risco de erro e ilusão. A educação do futuro deve ter sempre essa possibilidade. O conhecimento humano é frágil e exposto a alucinações, a erros de percepção ou julgamento, a distúrbios e barulho, à influência de distorção das afeições, ao imprinting de sua própria cultura, em conformidade com a seleção puramente sociológica das nossas ideias etc.

Pode-se pensar, por exemplo, que despojando de afeto todo conhecimento, nós eliminamos o risco de erro. É verdade que o ódio, a amizade ou o amor pode nos cegar, mas também é verdade que o desenvolvimento da inteligência é inseparável das emoções. A Afetividade pode obscurecer o conhecimento, mas também pode fortalecê-la.

Poderia-se também acreditar que o conhecimento científico garante a detecção de erros e milita contra a ilusão perceptual. Mas nenhuma teoria científica está sempre imune contra o erro. Há mesmo teorias e doutrinas que protegem com aparência intelectual seus próprios erros. A primeira e inevitável tarefa da educação é ensinar conhecimentos capazes de criticar o conhecimento. 

Devemos ensinar a evitar a dupla alienação: a de nossa mente por suas idéias e as idéias por nossa mente. "Os deuses são alimentados por nossas idéias a respeito de Deus, mas logo se tornam cruelmente exigente." A busca da verdade exige reflexividade crítica e correção de erros. Mas também precisamos de um certo convívio com as nossas ideias e os nossos mitos. O primeiro objetivo da educação do futuro dará aos alunos a capacidade de detectar e corrigir os erros e ilusões de conhecimento e, ao mesmo tempo ensiná-los a viver com as suas ideias, sem ser destruído por elas.
2. Uma educação que garanta o conhecimento pertinente.
Dada a avalanche de informações é necessário discernir quais informações é fundamental. Dado o grande número de problemas é necessário distinguir aqueles que são os principais problemas. Mas como selecionar informações, problemas e significados relevantes? Sem dúvidas, revelando o contexto, o global, o multidimensional e a interação complexa.

Consequentemente, a educação deve promover uma "inteligência geral" apta para referir-se ao contexto, ao global, ao multidimensional e à interação complexa dos elementos. Essa inteligência geral se constrói a partir dos conhecimentos e da crítica dos mesmos. Sua configuração básica é a capacidade de colocar e resolver problemas.

Para isso, a inteligência utiliza e combina todas as habilidades individuais. O conhecimento relevante é sempre ao mesmo tempo geral e particular. Neste ponto, Morin introduziu uma distinção "relevante" entre a racionalização (construção mental que só serve para o geral) e a racionalidade, que serve simultaneamente geral e ao particular.

3. Ensinar a condição humana


Uma aventura comum há embarcado todos os seres humanos da nossa era. Todos eles devem reconhecer sua humanidade comum e ao mesmo tempo reconhecer a diversidade cultural inerente a cada ser humano. Conhecer o homem é situá-lo no universo e, ao mesmo tempo, separá-lo dele. Como qualquer outro conhecimento, o ser humano também deve ser contextualizado:

Quem somos é uma questão inseparável de onde estamos, de onde viemos e para onde vamos. O ser humano é e se desenvolve em ciclos: a) cérebro-mente-cultura b) razão-emoção-impulso c) indivíduo- sociedade-espécie. Todo desenvolvimento verdadeiramente humano significa compreender o homem como um conjunto de todas essas voltas e a humanidade como um una e diversa. A unidade e a diversidade são duas perspectivas fundadores inseparáveis ​​da educação. A Cultura em geral existe apenas através das culturas. A educação deve mostrar o destino individual, social, global de todos os seres humanos e nosso enraizamento como cidadãos da Terra. Este será o núcleo da formação do futuro.

4. Ensinar a identidade terrestre


A história humana começou com uma dispersão, uma diáspora de todos os seres humanos em regiões que ficaram isolados por milhares de anos, produzindo uma enorme diversidade de línguas, religiões e culturas. Nos tempos modernos, tem havido a revolução tecnológica que permite ligar de volta essas culturas, reunindo os dispersos... O europeu médio já está em um circuito mundial de conforto, circuito que ainda está fechada para três quartos do humanidade. É necessário introduzir na educação um conceito de desenvolvimento mais poderoso do que o crescimento econômico: o desenvolvimento intelectual, emocional e moral em escala terrestre.

A perspectiva global é essencial à educação. Mas, não só para perceber melhor os problemas, mas também para desenvolver um verdadeiro sentimento de pertença à nossa terra considerada última e primeira casa. O termo Pátria inclui referências etimológicas tanto paternas e afetuosas como maternas. Nesta perspectiva de relação pai-mãe-filho deve ser construída em uma escala global a mesma consciência antropológica, ecológica, cívica e espiritual. "Temos tido muito tempo para receber a nossa identidade terrena", disse Morin citando Marx ("A História avançou pelo lado ruim"), mas manifestou sua esperança citando outra frase, desta vez de Hegel: "A coruja de sabedoria sempre empreende seu voo ao pôr do sol".

5. Enfrentar as incertezas


Todas as sociedades acreditam que a perpetuação de seus modelos vai ocorrer naturalmente. Os séculos passados ​​sempre acreditaram que o futuro se conformaria de acordo com suas crenças e instituições. O Império Romano, tão dilatado no tempo,  é o paradigma desta segurança de sobreviver.

No entanto, eles caíram  como todos os impérios anteriores e posteriores, o muçulmano, bizantino, o austro-húngaro e o soviético. A Cultura ocidental dedicou vários séculos para tentar explicar a queda de Roma e continuou a se referir ao tempo dos romanos como uma época ideal que nós deveríamos recuperar. O século XX demoliu completamente a previsibilidade do futuro como extrapolação do presente e tem introduzido vitalmente a incerteza sobre o nosso futuro. A educação deve adotar o princípio da incerteza, como acontece com a evolução social e a formulação do mesmo por Heisenberg na Física. A história avança através de atalhos e desvios e, como acontece na evolução! biológica, qualquer mudança é o resultado de uma mutação, por vezes,  às vezes de civilização, às vezes de barbárie. Tudo isso é em grande parte devido ao acaso ou fatores imprevisíveis.

Mas a incerteza não é apenas sobre o futuro. Há também a incerteza sobre a validade do conhecimento. E existe sobretudo a incerteza derivada de nossas próprias decisões. Uma vez que se toma uma decisão, começa a funcionar o conceito de ecologia da ação, ou seja, se desencadeia uma série de ações e reações que afetam o sistema como um todo que não podemos prever. Nos temos educado aceitavelmente bem em um sistema de certezas, mas  nossa educação para a incerteza é deficiente. No colóquio, respondendo a um educador que pensava que as certezas são absolutamente necessárias, Morin matizou e reafirmou seu pensamento: "há alguns núcleos de certeza, mas são muito pequenos. Nós navegamos em um oceano de incertezas em que estão alguns arquipélagos de certezas, e não vice-versa".

6. Ensinar a  comprensão


A compreensão tornou-se uma necessidade crucial para o ser humano. Portanto, a educação tem que abordá-la direta e em dois sentidos: a) compreensão interpessoal e intergrupal b) a compreensão em escala planetária. Morin conclui que a comunicação não implica compreensão.

Esta última sempre está ameaçada pela incompreensão dos códigos de ética dos outros, de seus ritos e costumes, das suas opções políticas. Às vezes confrontamos visões de mundo incompatíveis. Os grandes inimigos da compreensão são o egoísmo, o etnocentrismo e elsocipcentrismo. Ensinar a compreensão significa ensinar o ser humano a não reduzir o ser humano a uma ou várias de suas qualidades que são múltiplas e complexas. Por exemplo, impede a compreensão marcar  certos grupos só com uma etiqueta: sujos, ladrões, fanáticos. Positivamente, Morin vê as possibilidades de entendimento melhorarem, através de: a) abertura empática com os outros e, b) tolerância de idéias e maneiras diferentes, quando não entrem em conflito com a dignidade humana.

A verdadeira compreensão requer o estabelecimento de sociedades democráticas, fora das quais não se encaixam a tolerância nem  liberdade para sair do ciclo etnocêntrico. Portanto, a educação do futuro terá um compromisso inabalável com a democracia, porque não há entendimento em escala global entre povos e culturas, se não atendem ao contexto de uma democracia aberta.

7. A ética do gênero humano


Além das éticas particulares, o ensino de uma ética válida para toda a humanidade é uma exigência do nosso tempo. Morin apresenta o circuito indivíduo-sociedade-espécie como a base para o ensino de ética verdadeira.

No circuito indivíduo-sociedade surge o dever ético para ensinar a democracia. Isto implica consenso e aceitação das regras democráticas. Mas  também se  precisa das diversidades e antagonismos. O conteúdo ético da democracia afeta todos os níveis. O respeito pela diversidade significa que a democracia não se identifica com a ditadura da maioria.

No circuito indivíduo-espécie Morin fundamenta a necessidade de ensinar a cidadania terrestre. A humanidade deixou de ser um conceito abstrato e distante para converter-se em algo tangível e próximo com interações e compromissos em escala terrestre.

Morin dedicou a postular alterações específicas no sistema de ensino desde a etapa do primário até à universidade: a não fragmentação do conhecimento, a reflexão sobre o que é ensinado e o desenvolvimento de um paradigma de relação circular entre as partes e o todo, o simples e complexo. Ele defende o que chama de dízimo epistemológico, segundo a qual as universidades devem dedicar dez por cento dos seus orçamentos para financiar a reflexão sobre o valor e a relevância do que ensinam.

0 comentários:

Postar um comentário