"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Manuel Castells - O poder na era das redes sociais

Portanto, compreender como funciona o poder é entender a matriz, o código-fonte da sociedade. Naturalmente, existem diferentes formas de poder e diferentes articulações do poder. Não há numa forma, um poder, mas uma série de relações de poder articuladas e, portanto, onde há poder, há sempre um contrapoder. Se tivéssemos que escolher uma lei básica das sociedades é que onde há dominação há resistência à dominação, onde há poder há contrapoder compensação. Realmente a sociedade se baseia em constantes tentativas de dominação e seus parceiros. Nisso consiste a dinâmica da mudança social, porque a cada momento o que estamos vivenciando são relações institucionais de dominação que persistem até  que entre em conflitos com novas formas de resistência à dominação.

poder
Pois bem, ao longo da história, a informação e a comunicação são as principais fontes de poder e contra-poder, dominação e mudança social. E isso é importante porque a batalha está nas mentes das pessoas. Este é o lugar onde há poder: o poder está em nós, em nossas mentes. Se pensarmos em uma determinada maneira, que serve a determinados interesses e valores, isso é o poder que está se manifestando em nossa prática e daí a ideia de que as relações de poder estão absolutamente ligadas às relações que alguns chamam de influência, outros chamam de controle social, outros chamam persuasão. 

Certo é que o poder baseia-se também, de acordo com a velha tradição de Maquiavel e Max Weber, no monopólio legítimo ou ilegítimo da violência. Aqueles que controlam os meios de violência têm uma capacidade de impor os seus interesses. Mas há uma outra tradição nas ciências sociais e outra prática histórica de Bertrand Russell a Foucault, que a capacidade de modelar o que acontece em nossas mentes e culturas são desenvolvidas através da persuasão e negociação coletiva, é também a tradição que aplicou em algum momento Gramsci, em termos de conceito de hegemonia, como a construção de uma série de idéias que são internalizadas e fazem a sociedade funcionar de uma determinada maneira. Na verdade, eu diria que um sistema de poder baseado na coerção é apenas um poder fraco, porque se muitas pessoas são capazes de pensar diferente e ousam traduzir na prática o pensamento diferente,esse poder coercitivo acaba dissolvido. Corpos torturados é menos eficaz do que modelar  mentes. 

Se a batalha do poder é uma batalha para jogar em nossas mentes, é que nossas mentes estão imersas em um ambiente onde elas recebem sinais de comunicação com os quais as emoções são ativadas, os sentimentos são gerados e as decisões são formadas. Portanto, há uma relação básica entre comunicação e poder. Isso não é novidade, sempre foi, mas aumentou profundamente no que eu chamo a sociedade em rede, uma sociedade em que as redes de comunicação interativa de base eletrônica e transmissão digitale baseada organizam todas as práticas sociais do mundo em termos da interação do global e do local. 

Eu começo com a conclusão: a comunicação é o espaço em que são construídas as relações de poder. O que não quer dizer que a mídia tem o poder. Isto é empiricamente falso:  não têm poder. São muito mais importantes do que isso, porque eles são o lugar onde o poder é construído. Qualquer tipo de poder tem que passar pelo espaço da comunicação para atingir nossas mentes. 

Agora, seja para convencer-nos de que devemos agir de uma determinada maneira ou que você não pode fazer algo diferente, as relações de poder não consistem necessariamente em provocar a adesão, também pode gerar resignação e fatalismo, que são expressos em ver que tudo é igual e todos são igualmente ruim e eu fico na minha casa, fecho a janela e monto a minha vida, porque nada é impossível. 

Passamos de otimismo ao pessimismo histórico, porque a regra fundamental que todos seguimos é que as coisas podem ser muito pior ainda. Este é um mecanismo de manipulação especial e que passa através da construção do espaço de comunicação. 

A principal forma de comunicação para a mudança e influência nas mentes dos cidadãos são os chamados meios de comunicação, operando na imprensa conjunta, televisão e rádio. A imprensa escrita gera as primeiras idéias e informações, não só políticas, mas policialescos, ou seja, todas as informações que constroem o nosso universo mental, mas não tem nada a ver diretamente com o sistema político. A televisão é o meio que divulga amplamente e o rádio faz a relação pessoalizada, pouco interativa, mas com maior nível de interatividade. 

Como as mensagens políticas só atingem o público através da mídia, a política linguística tem de se adaptar à mídia. E, nesse sentido, toda a política é a mídia. O que não existe no espaço de comunicação deixa de existir, ponto. Pode existir como relação individual, mas não existe como comunicação socializada. 

Agora bem, isso não é a ditadura da mídia, porque a mídia é plural, em princípio, mesmo em sociedades ditatoriais. Se falamos de sociedades democráticas, há sempre uma diversidade e pluralidade. Em parte porque eles têm que manter alguma credibilidade, e em parte porque os jornalistas profissionais que lutam por sua autonomia como pessoas e como profissionais, e embora muitos falhem em seus esforços, no entanto, há sempre alguma negociação, seja com o proprietário da mídia ou com o partido por trás de tal proprietário. O processo é sempre mais complexo do que a simples entrega de ordens a seguir. 

Sem embargo, todos os meios são influenciados pela sua necessidade de responder a um objectivo fundamental, que é para ganhar público, tanto por razões econômicas, porque isso envolve publicidade, e por razões de aumentar a influência porque assim têm um uso político e ideológico para o governo ou o partido. Portanto, há um equilíbrio delicado na mídia: ela é claramente ideológica, mas  não pode se tornar extremista porque então mais do que os de seu partido a  leem. 

Embora deva-se ressaltar que nos últimos anos, junto aos meios de comunicação, digamos profissionais, há um rápido crescimento do que eu chamo de jornalismo militante, que já teve uma boa imprensa, porque os militantes estavam fazendo jornalismo, mas hoje o jornalismo militante em geral é muito direito e muito conservador, e utilizam um viés ideológico aberto como um modelo de negócio. Para não entrar diretamente na controvérsia local é apenas um exemplo de outro planeta: a Fox News. Nos Estados Unidos, seu modelo é chegar á realidade deliberadamente para dirigir-se ao eleitorado da direita dos Estados Unidos que é de 25%. Refiro-me aos que creem que Bush foi chamado por Deus para ir à guerra no Iraque, literalmente. Se a isto se acrescenta 5% ou 10% a mais de audiência, por outras razões, se torna a primeira rede de televisão nos Estados Unidos. Portanto, é um modelo de negócio que funciona e existem muitos outros exemplos no mundo. 

Isto é baseado em algo que os pesquisadores de comunicação sabem muito bem que a maioria das pessoas não leem jornais ou veem televisão para aprender, mas para confirmar o que eles já pensam. Como polarização cada vez mais cultural, ideológica e política em todos os países, o papel do ambiente profissional do centro está quebrando. 

Falando em Espanha, França ou nos Estados Unidos há uma segmentação política e ideológica na mídia. Então, onde está o heroísmo dos jornalistas que têm algo de heróis, movendo-se entre estes diferentes meios de comunicação e que tentam em cada caso  ver como podem trabalhar a informação e ao mesmo tempo levar em conta não apenas o que diz seu chefe, mas também que a audiência está à procura de determinadas informações.

poder2
Então, a política é midiática e os meios produzem informações sob determinados processos. O mais importante na comunicação não é o que a mídia diz, mas o que ela não diz. É o mecanismo essencial de "gatekeeping" ou "agenda setting", isto é, a cada dia se decide o que é importante publicar ou não publicar, dizer ou não dizer, com que prioridade, tempo, onde e com quanta visibilidade. 

Assim, se a mídia é assim tão e a política é midiática, como funciona? As pessoas não leem os programas políticos, nem mesmo quem os escreve os ler, leem os titulares dos programas na mídia, quando leem. Mas o mais importante é qual é a mensagem política central em um sistema de mídia. É a mensagem simples, uma pessoa, um rosto humano. Essa é a mensagem-chave na política mundial. Por quê? Porque, eventualmente, as pessoas confiam em uma pessoa. Estabelece um vínculo emocional, principalmente com uma pessoa e, portanto, atribui-se um rosto humano à mensagem. Há uma ligação direta entre a política de mídia como política essencialmente dominante e a política ligada à pessoa. É a personalização da política. Em todos os sistemas políticos atualmente o mais importante é a pessoa que representa a liderança da opção política. É a venda de uma pessoa. 

Se a confiança na pessoa é a mensagem, a forma fundamental da nossa política é a destruição de credibilidade e confiabilidade da pessoa. Ou seja, é o assassinato de reputação pessoal do líder e seu meio ambiente. E isso é conseguido através da construção de escândalos envolvendo políticas midiáticas. Escândalos que às vezes são simplesmente a divulgação de informações que destrói a credibilidade da pessoa. Ela pode ser feita ou para ser verdade e muitas vezes é meio a meio, é feita a partir de uma determinada realidade. 

O que acontece também é que a política de comunicação é muito cara, porque não dura só a campanha, mas é constante. Trata-se de todos os tipos de operações que têm um custo elevado. Quase todos os partidos, por país, recorrem ao financiamento ilegal, e como sempre são ilegais, eles são descobertos, de uma forma ou de outra, e ajudam a alimentar os escândalos. Inclusive se criou uma indústria em torno disso. 

Nos Estados Unidos se chamou a indústria de investigação da oposição. Integram-lhes as pessoas que profissionalmente se dedicam a encontrar informações prejudiciais sobre os políticos. Eles fazem isso a qualquer partido, com elevado profissionalismo. Quanto mais arrogante o poder, mais arrogantes são os políticos, especialmente os homens, mas se dedica,m a vangloriarem-se se tomam demasiadas precauções. As mulheres são mais cuidadosas, mas elas não estão isentas, mas os homens são extremamente imprudentes e dados a falar sobre o que eles deveriam nem mesmo pelo telefone móvel. 

Por isso, se fizermos uma tabela de todos os grandes escândalos nos principais países do mundo nos últimos 20 anos, veremos que sistematicamente todas as mudanças de governo ou regime foram diretamente associadas à política de escândalos. 

Agora, quais são os efeitos dos escândalos. Eles não são tão diretos e óbvios. São variáveis​​. O efeito global da falta de legitimidade política gerado por um escândalo demonstra que a pessoa afetada não é confiável, mas como nada é confiável, as pessoas ficam com os que sentem mais perto. Um exemplo claro é Berlusconi. 

Berlusconi tem sido documentado como mafioso, como abusador de crianças, com fotos. Na imprensa italiana as manchetes passaram conversas entre seus dois ministros sobre como estimular sexualmente ele na cama. Tudo isso está documentado, aberto, e as pessoas continuaram a votar em Berlusconi. Ao pesquisar o problema é que os italianos estão fartos de toda a sua classe política e com Berlusconi, pelo menos se divertiam. Os que não são corruptos são chatos e ninguém acredita neles. O colapso da credibilidade da classe política italiana criou esse efeito de destruição de todo o sistema que sobre as ruínas  atuam com êxito os bobos. Obviamente, a qualidade da política está se deteriorando. 

Um caso um tanto mais nobre: o escândalo sexual de Clinton e Monica Lewinsky. Depois de olhar o país aos olhos na televisão e dizer que eu não fiz, e mais tarde reconhecer que era uma mentira, terminou seu mandato com o mais alto nível de popularidade que não teve nenhum presidente dos Estados Unidos. E quando se perguntava ao povo nas pesquisas todos disseram a mesma coisa: sim é um mentiroso, mas todos os políticos são mentirosos e ele é mais simpático do que os outros mentirosos. 

Bom resultado e resultado ruim, porque o que aconteceu quando se investigou é que Clinton terminou com alta popularidade, mas a escolha entre Gore e Bush era um efeito de deslocamento de algumas centenas de milhares de votos, com um impacto significativo sobre algumas áreas onde os eleitores democratas votaram para quem a moralidade pessoal era muito importante, e mudou seu voto para Bush. 

Um efeito pequeno, mas significativo, porque na Flórida, onde, aparentemente, Bush ganhou a eleição, de acordo com dados controversos, a diferença foi mais ou menos de mil votos com que Gore, que não é que fora muito brilhante, acabou sofrendo o impacto da associação da imoralidade percebida de Clinton. Bush foi eleito e foi fundamental na gestão da entrada em guerras e a catastrófica gestão das finanças global. Veja onde o "efeito borboleta" de uma pequena recuperação de uma censura por causa de imoralidade, finalmente, passa a redirecionar o mundo. 

Outro ponto sobre os escândalos: o que não é variável é o efeito sistemático sobre a destruição da credibilidade do sistema democrático e da classe política. Há uma estreita relação, estatisticamente comprovada, entre a corrupção e a crise de legitimidade política. É uma crise que se estende em todo o mundo. Mais de dois terços dos cidadãos do mundo não acreditam serem governados democraticamente e a credibilidade dos partidos políticos, líderes de governos, parlamentos, está nos níveis mais baixos, todos abaixo de 30% ou 40%. Na América Latina, de acordo com os últimos dados da CEPAL, as pessoas que acreditam mais ou menos nos partidos políticos é de 20%. É claro que as instituições políticas em todo o mundo estão em um nível de prestígio, confiança e credibilidade baixíssimos. 

Portanto, a primeira conclusão é que a política é  midiática e as condições em que ela se exerce tem um papel decisivo na crise de legitimidade. A segunda conclusão é que houve uma notável transformação da comunicação como um sistema e, portanto, de como a política passa pelo espaço da comunicação.
poder3
A comunicação de masas  é aquela que tem o potencial de chegar ao conjunto da sociedade e é caracterizada por uma mensagem que vai de um a muitos, com interatividade inexistente ou limitada. Autocomunicação de massas é aquela que vai de muitos para muitos, com interatividade, tempos e espaços variáveis, controláveis. É "auto" porque podemos selecionar as mensagens, emitir nossas mensagens, receber mensagens e o remetente é ao mesmo tempo receptor. É auto porque podemos nos referir constantemente a um hipertexto comunicação, de mensagens que estão disponíveis e das quais selecionamos e que recebemos esses elementos que nos permitem construir o nosso próprio texto. Quando as pessoas dizem: os jovens com menos de 30 não leem jornais, eles dizem algo falso. Eles leem muito mais do que os adultos de todos os países, mas leem on-line, o que significa que não lleem um jornal, não têm que engolir tudo o que saiu no jornal. Eles pegam um pedaço aqui, combina-o com um programa de TV aqui e um iaem acolá, e a ideia é que todo mundo constrói a sua própria mensagem e escolhe o universo de mídia na qual ele está inserido. 

Que nível tem a transformação da comunicação? Não quero dar uma grande quantidade de dados, mas servem para ver a velocidade da evolução. Globalmente, os utilizadores da Internet em 1996 eram 40 milhões de pessoas em 2010 foram de 600 milhões. A coisa mais importante hoje é a explosão da comunicação sem fio. Fato: em 1991, havia em todo o mundo 16 milhões de assinantes de telefonia móvel ou celular. Hoje há 4 bilhões e 700 milhões. O que significa que, se tivermos em conta que em muitos países pobres, uma família ou uma aldeia ou bairro tem um número, considerando que as crianças não têm um ainda, embora a taxa de posse começe a partir da idade de cinco anos, bem, isso significa dizer que quase toda a humanidade está conectada pelo celular agora. Não necessariamente para a internet através do celular ainda, mas a base já está criada. 

Daí o impacto da transformação e a existência de uma comunicação de massas horizontal e interativa,  ou seja, estamos em um mundo de mídia de massa, mas por novos meios. Em julho de 2009, pela primeira vez na história, o número de usuários dos espaços e das redes sociais como o Facebook e outros, ultrapassou o número de usuários de e-mail. Nós pensamos que o e-mail era, obviamente, a forma dominante de internet, mas não, a forma dominante de internet é a rede social. 

Em 2010, o mundo Facebook tinha 400 milhões de usuários ativos, dos quais 50% estavam no Facebook todos os dias e, em média, tinha 130 amigos. O nível de amizade é variável, mas, pelo menos, 130 pessoas haviam aceitado. 

A coisa mais importante é que existem centenas de diferentes redes sociais que nada têm a ver com o Facebook, YouTube e MySpace, porque são feitas em outros idiomas em outros países e há uma série de espaços que são criados e destruídos constantemente. Na China, por exemplo, o Facebook não é o número um, tem uma rede social semelhante. Obviamente, a China é hoje o país com o maior número de usuários de Internet, existem mais de 675 milhões de chineses na Internet. 

A associação crescente da autocomunicação em parceria com a mídia de massa é agora um fato básico. Blogs e os meios de comunicação de massa tornaram-se uma forma contínua de exposição da opinião. Eles são um oceano de informações. 

Além disso, os meios de comunicação estão tentando articular-se com esses meios. A BBC tem uma seção inteira para aproveitar o jornalismo cidadão, isto é, pessoas que fazem relatórios, enviam o material. A BBC emprega centenas de pessoas dedicadas permanentemente a receber todas as mensagens e realizando um mínimo de controle de qualidade da informação, é como se tivessem uma rede de correspondentes gratuita. Note-se que estamos falando d  economia de valor de uso e as pessoas não se importa de trabalhar de graça, só para colocar o seu próprio conteúdo de programação. 

Como isso se traduz no sistema político? Bem, a autonomia comunicativa traduz em capacidade autônoma para intervir tanto nos meios de comunicação tradicionais, como a capacidade de criar espaços separados nos meios de comunicação de massa. Independente de corporações e governos. Basicamente, o que esta autocomunicação de massa gera é uma autonomia comunicativa de toda a sociedade. 

Fiz uma tipologia rápida a partir de estudos de caso, apontando principalmente os dois fenômenos principais: a formação de novos movimentos sociais e, por outro lado, a formação do que chamo de política insurgentes. 

Os movimentos sociais são aqueles que agem para mudar os valores da sociedade, não do poder político ou de decisão política diretamente, mas os valores da sociedade. Eu fiz uma pesquisa aprofundada de dois movimentos: primeiro, o movimento de mudança do clima, um grupo ambiental que conseguiu mudar no mundo como a mudança climática é concebida. 30 anos atrás nós tínhamos mais ou menos os mesmos dados de hoje, mas ninguém sabia o que era a mudança climática. Agora as pesquisas mostram que 80% das pessoas no mundo sabem o que é a mudança climática e 70% acreditam que é muito importante e deve ser uma prioridade para os governos. 

Embora o progresso seja lento, a hegemonia cultural da nova relação entre cultura e natureza, entre produção e conservação, mudou. Isto é devido a uma ação de comunicação de uma série de movimentos e ações individuais. 

Também estudei muito bem o movimento antiglobalização, que na verdade luta por uma globalização justa. É um movimento fundamentalmente organizado para estabelecer relações entre o global e o local, com grupos locais coordenados, constantemente debatendo na internet e desembarcando em locais onde há reuniões em todo o mundo para responder nesses espaços que as elites tratam de formular no controle e gestão do mundo. 

Políticas insurgentes são aquelas que surgem nas margens do sistema político, mas tentam ter um impacto direto sobre as instituições e os processos de decisão. Aqui eu encontrei dois tipos de situações, a saber: Em primeiro lugar, uma  que chamo Comunidades de Práticas instantâneas de tipo político. Simplesmente são movimentos espontâneos que ocorrem como turbulência de informação, de contato pessoal através de um evento que gera indignação e que provoca uma comunicação de tal tipo que chega a gerar efeitos políticos por ressonância da mensagem em um grande segmento da sociedade. 

Há uma série de estudos de caso, alguns os estudei pessoalmente. Por exemplo, o dos móveis na Espanha, principalmente em Madri, em março de 2004, quando a mentira do governo Aznar teve lugar no que diz respeito à autoria de quem organizou o massacre de Madrid. Aznar tratava de dizer que foram os bascos para não dizer que foi a Al Qaeda. Havia eleições quatro dias depois e se era a Al Qaeda, então, seria responsabilizado pelo massacre, porque foi a resposta da participação espanhola na guerra do Iraque. Ele conseguiu controlá-lo na mídia, mas não conseguiu controlar no sábado antes da eleição que um professor de 30 anos de enviar uma mensagem para 10 dos seus amigos pedindo protestos, ainda que em um dia de reflexão organizada institucionalmente na Espanha e, portanto, você não pode fazer política ou qualquer coisa. E estes 10 eram seus amigos enviaram cada para 10 dos seus amigos que mandavam para os 10 seus bons amigos. Foi um fenômeno que os matemáticos conhecem como pequenos mundos, que são articulados e, eventualmente, dezenas de milhares de pessoas que recebem essa mensagem, mas não de qualquer maneira, que recebem de pessoas que eles conhecem pessoalmente, porque todo mundo envia sua agenda.
poder4
Para que vejam exatamente o tipo de comunicação, dois meses após Berlusconi teria as eleições regionais na Itália, naquela época estava em apuros, ele viu o que aconteceu com seu amigo Aznar e então disse: "Eu sou o rei dos meios, eu vou fazer o mesmo, vou enviar uma mensagem no dia das eleições para 15 milhões de cidadãos. "E mandou e todos encontraram sua privacidade violada por um político que lhe diz como votar em uma coisa tão pessoal, como no móvel. É como entrar no meu quarto (eu aconselho os políticos nunca enviar mensagens diretas para as pessoas, porque eles vão saltar). O caso de Berlusconi foi um dos fatores que fizeram que perdesse nessa eleição. 

No caso espanhol, estudei o deslocamento dos votos que ocorreram. Quatro dias antes venceriam as eleições os conservadores e o que aconteceu é que dois milhões de jovens que não votavam e, acima de tudo, não votavam nos socialistas, foram votar, mas não por uma mudança de opção política, mas, como eles disseram, para desmascarar os mentirosos. Uma questão moral. Em uma entrevista que fiz, me disseram, "não, eu não segurei o nariz e votei socialista, porque era a única maneira de parar este bando de mentirosos no governo." 

Outro destes pequenos grandes efeitos, um mensagem de sms gerou um movimento de reação espontânea na sociedade, o que mudou o significado da eleição e fez Zapatero, que fez campanha pela retirada das tropas do Iraque, no primeiro dia estava no governo retirou as tropas espanholas do Iraque. Foi a primeira ruptura na coligação que havia sido gerada em torno de Bush, a qual foi quebrando toda aquela coalizão da invasão do Iraque. 

Nas novas formas de campanhas políticas, o mais óbvio é a campanha de Obama nos Estados Unidos que todos creditam ao uso da internet, especialmente nas primárias contra Hillary Clinton, porque através da internet é que Obama conseguiu quebrar a barreira de diferença fundamental nas eleições americanas, que é a barreira de financiamento. 

Obama para mobilizar as pessoas que queriam uma mudança política no país, se recusou a receber dinheiro de doadores regulares, ao contrário de Hillary Clinton ao contrário dos republicanos. Das doações, 62% foram online. Isso exige uma gestão de internet que generacionalmente outros políticos não podiam sequer pensar. No caso de Obama, por outro lado, o ajudou pessoas como o fundador do Facebook que organizou campanha na Internet. Mas não foi apenas a internet, eram grupos com base on-line, incluindo internet, dentro e fora a internet, e portanto, o que ele fez foi transmitir a sua experiência de organizador comunitário de base para o mundo da internet. A campanha online reforça a campanha de base organizada politicamente e ideologicamente. 

De qualquer forma, apesar dos partidos como os poderes que existem na sociedade intervenham nesse espaço da autocomunicação, não é que ao espaço de comunicação de massa seja dos dominantes e o de autocomunicação de massa seja dos dominados, todos intervêm em todos e tudo é organizado, mas digamos que as margens de intervenção dos que não têm poder institucional em empresas e governos têm se expandido dramaticamente. É a única coisa que podemos ver. 

Muitos partidos políticos não aprendem ou não usam este espaço, por quê? Porque requer apenas saber como usar a internet, requer a compreensão de que a Internet não é televisão, não um quadro de avisos e requer uma capacidade política para permitir a autonomia e a auto-realização dos cidadãos. Portanto, não é um fenômeno tecnológico, é uma cultura política. 

Até agora, tenho refletido um mundo onde não aparece a palavra controle sob a internet, mas a internet não é uma estrutura angelical, está em em um mundo de instituições, corporações e interesses do governo que tentam controlá-la. 

O que ocorre? Para começar, os grupos propriamente de internet, os blogueiros, o Facebook, o YouTube, os Flickers, o MySpace, são empresas, mas a estes grupos o controle da internet do que flui na internet não os interessa, por duas razões: 

Primeiro, porque o que eles vendem é o tráfego de internet, por isso, se criam condições o tráfego diminui. Em segundo lugar, porque restringem a comunicação, as barreiras à entrada no espaço de comunicação na internet hoje são muito baixas. Apenas faz falta capital e o conhecimento necessário tecnológico o têm literalmente milhões de jovens de todo o mundo. Qualquer um deles associando com os amigos montam um grupo como o MySpace.com, e é o que vem acontecendo. Cada vez que há um bloqueio junta-se um grupo de quatro jovens. O Facebook também foi criado por jovens que se fazem executivo financeiros mudam, disseram há seis meses atrás: "Bem, seria ótima ideia, uma vez que temos 400 milhões de usuários, fazê-los pagar." Eles viram a reação de milhões de pessoas saindo do Facebook e mudaram de ideia em uma semana. 

Os governos odeiam a internet, todos os governos. Estive em comissões governamentais suficientes, nomeadas pelos governos para saber. Quando começa uma comissão a primeira coisa que vem é o  ministro correspondente na tentativa de descobrir como controlar a internet. Os usuários o que querem é espalhar mais internet e os governos querem controlar. 

Não é tão fácil, seja na lei ou na prática. Clinton tentou duas vezes disfarçando de controle da pornografia infantil  e duas vezes perdeu a batalha com a Suprema Corte dos Estados Unidos. A mais recente decisão do Tribunal na sua elaboração foi interessante porque literalmente diz: "É verdade que a Internet é o caos, mas os cidadãos têm o direito constitucional de caos". Encontro epistemologicamente interessante da noção de direito constitucional ao caos, deve ser a minha alma libertária catalã. 

Na França Sarkozy tentou, o Conselho Constitucional bloqueou. Na Inglaterra, o governo trabalhista tentou e a Câmara dos Lordes bloqueou. 

E os governos totalitários? O exemplo sempre são os chines. Eles tentam controlar, mas como fazem? Por os programas automáticos de análise de conteúdo, ou seja, por robôs. Mas são programas de análise de conteúdo que trabalham com palavras-chave. Há 60 palavras-chave. Então, se alguém quer que não o controlem não diz nenhuma palavra-chave. É algo que os jornalistas do Chile ou Espanha aprenderam há muito tempo. Se você não diz palavras feias como democracia, Taipei, Taiwan, Tibet, pornografia, coisas assim, não detectam. Então, fazem algumas outras coisas que são mais brutais mestres que é aterrorizar aos web masters, de modo que se há qualquer problema a afasta  você e, portanto, têm maior rede de controle, mas é muito ineficiente porque, basicamente, é monitorar os que devem ser monitorizados. Digamos que alguns mensageiros morrem, mas não a mensagem, a mensagem segue. É claro que, se somos o mensageiro é um problema, mas se formos a mensagem, a mensagem não é interceptada. 

Na China não existe uma forte mobilização do tipo que vimos em outros países na internet. É que, por enquanto, os chineses não lhes interessa ​​em nada a democracia, 72% dos chineses apoiam o seu governo. No dia em que a China realmente produzir um movimento de oposição, portanto mais social do que político, mais dos trabalhadores urbanos do que camponeses expulsos, nesse dia veremos como a internet é um instrumento autônomo de mobilização de massa. 

Isso já aconteceu em outro regime que foi considerado inexpugnável. A mobilização em massa contra o regime iraniano foi baseada na organização por celular e internet. O governo iraniano é sofisticado e cortou rapidamente as redes de comunicação sem fio e  via Internet, mas tinham que deixar alguns pontos de entrada no país, porque você não pode cortar completamente. Aí onde a comunidade global da Internet interveio com servidores disponíveis dos que foram fechando, com proxies em termos de servidores pilotos interveio e houve uma manifestação em massa e é assim que descobrimos quem matou essa jovem iraniana  e a notícia percorreu o mundo, e encontrou-se um movimento social de que a CNN apenas podia informar. Nós descobrimos o que era realmente a comunidade de jornalistas cidadãos que havia no Irã. 

O que realmente está mudando é o espaço público onde a sociedade pode discutir, constrói suas percepções e decisões. Esse espaço, que foi construído em torno do Estado-nação democrático em um momento em que o centro do mundo era o Estado, foi corroído em sua capacidade representativa pela globalização, pela construção de identidades que as pessoas reconhecem e não coincide necessariamente com a sua cidadania, mas com a sua religião ou origem étnica, local ou territorial, de gênero ou identidade pessoal: o eu como "identidade", em vez de o eu como "cidadão". 

Podemos demonstrar empiricamente que estes processos têm diminuído a capacidade de intervenção e de representação do Estado-nação. Em primeiro lugar, por que para agir na globalização se tem constituído uma nova forma, o que não significa o desaparecimento do Estado-nação, mas sim sua articulação em rede, o que chamo de Estado-rede, que é formado por instituições públicas do estado nação interagindo juntos em redes para tentar algum tipo de controle ou gestão da globalização. Em segundo lugar, aparecem identificações sub-estatais, a identificação com diferentes termos de cidadania política, que vai enfraquecer a capacidade de representar do Estado no que diz respeito a uma multiplicidade de interesses. O espaço público é cada vez menos concentrado nas instituições políticas da sociedade e cada vez mais focadas em áreas de comunicação. O espaço público é o espaço de comunicação. Assim, a grande questão desse espaço depende do controle não tanto político como tecnológico e empresarial dos canais de comunicação, das redes de comunicação. Aí sim há controle possível. 

A livre comunicação, que é, em parte, possível pela visão de uns tecnólogos libertárias que, deliberadamente, constroem um espaço muito difícil de controlar, deve ser preservada; que corresponde ao que era a liberdade de imprensa, uma liberdade fundamental da democracia. 

Requer-se uma liberdade de comunicação interativa como elemento básico da autocomunicação de massas e da capacidade de intervenção da sociedade sobre si própria, mas isso exige regulamentação. Uma regulação pelo Estado. Este é o lugar onde as coisas ficam complicadas. Trata-se de que a autocomunicação de massas seja forte o suficiente para exercer pressão sobre os estados e manter sua autonomia. Isso só pode ser alcançado na medida em que a autocomunicação de massas adquira uma dimensão institucional e na medida que os sistemas políticos, incluindo os partidos, percebam que chegaram ao fim de sua jornada histórica, tais como elas são, e que apenas com a abertura para a sociedade poderão experimentalmente encontrar novas formas de organização da representação e o debate político no sentido de uma decisão compartilhada.
Manuel Castells. Sociologia. Diretor do Instituto Interdisciplinar de Internet da Universidade Aberta da Catalunha, em Barcelona. Entre seus livros: Comunicação e poder, a galáxia Internet: Reflexões sobre Internet, Negócios e Sociedade e A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura.

Fonte Nexos

Um comentário:

  1. Agradeço a tradução do artigo! Tenho-o original, mas para consultas rápidas sempre bom a língua nativa ;)

    ResponderExcluir