"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Manuel Castells - Um papa e seu roteiro

O  sociólogo Manuel Castells, considerado um dos mais influentes pensadores do nosso tempo, descreve o estado de espírito de um Papa que está fazendo história e aumenta a esperança em um mundo conturbado em processo de mudança dos tempos.

De repente ele sentiu um novo poder, ele poderia navegar pelo mundo, atingindo a consciência mais íntima e agir sobre elas.

Castlls Papa francisco

O Natal do Papa.

Francisco saiu da casula e ornamentos e sentou-se no sofá estofado na suíte 201 do Casa Santa Marta. Ele decidiu fazer uma pausa antes de ir dormir. Tinha sido um longo dia culminando com a Missa do Galo em que sua homilia foi complicada. Um relatório de atividade e um roteiro para o mundo, que codifica a fala em metáforas evangélicas. Correu tudo bem. Ele gostou da Missa em dó menor de Mozart, quebrando a tradição do canto gregoriano austero. Com um aceno de sua tarefa imediata: soprano israelense Chen Reiss para ver se Netanyahu suavizou.

Permitiu-se ir à cama mais tarde do que o habitual e atrasar o seu despertar habitual até às quatro e meia da manhã. Ele chamou seu secretário, Fabian Perocchio, e pediu seu mate  favorito. Sentiu a necessidade de rever o filme, nos últimos meses, saboreando suas vitórias nas questões de que dependiam o futuro da Igreja. Começando com o banco do Vaticano, instrumento de lavagem de dinheiro das organizações criminosas.

O de Cuba e dos Estados Unidos lhe agradou, foi uma coisa que todos os latino-americana levavam dentro há meio século.

Agora tocava a reconciliação entre israelenses e palestinos, esse foco de dor, ódio e perigo que ameaça a humanidade. A terra sagrada de santidades conflitantes como se o Deus único pudesse cortar e se apropriar elos arrogantes humanos, talvez manipulados pelo Maligno.

Claro que o essencial era restaurar a Igreja na experiência dos fiéis. Uma questão era clara e que sabia fazer: lidar mais com os pobres e marginalizados do que com os ricos e poderosos. Questão de reforma política, removendo a energia e os recursos para a hierarquia e distribuí-lo para os pastores e os fiéis.

Mais complicado era o tema da pedofilia. Mas ele também sabia como corrigi-lo: canalização sexualidade, permitindo o casamento entre religiosos, como em todas as outras religiões. E mesmo tolerando coabitação homossexual. Para isso ainda não tinha energia suficiente. Teria que esperar, mas sentia-se forte e jovem.

Tomou outro gole de mate. E de repente  sentiu um terrível azia. Um incêndio chegando o corpo e tudo em seu caminho, uma sensação de asfixia, sensação de aperto no peito, um desmaio irresistível. Ele tentou tocar a campainha. Mas suas mãos não responderam, seus olhos nublados. E então, como um sonho, ele lembrou a cena de seu filme favorito, O Poderoso Chefão, onde envenenam o Papa como a mais antiga tradição do Vaticano. Ele mal conseguia tornar consciente esse pensamento. De repente, um brilho esbranquiçado e esplendor. E depois nada, o vazio.

O que é que foi isso? Seriam verdadeiras todas as histórias que eles mesmos contavam para depois da morte? Não sabia, mas de repente sentiu um novo poder, ele poderia navegar pelo mundo, atingindo a consciência mais íntima e agir sobre elas.

Ele testou. Ele foi a Gaza para atender Khaled Machal. Ele foi transmutado em Allah (Deus é único), utilizando uma fórmula fornecida pelo seu novo camareiro, especialista no diálogo inter-religioso, e convenceu-o a parar de matar.

Cancelou dívidas dos pobres. Legalizado drogas, deixando sem o negócio os narcos. Regulou as finanças e enviou para o inferno aos financeiros anti-éticos. Expulsou do templo parlamentar a casta de castas comerciantes da política. Erradicou o machismo das consciências. E ...

Não tinha mais tempo para mais. A neblina se tornou mais e mais tênue, até subir ao céu e se misturar com a poeira estelar.

Artigo de Manuel Castells, em La Vanguardia

0 comentários:

Postar um comentário