"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Tribunal dos Povos acusa mineradoras canadenses na América Latina

Por Leila Lemghalef - IPS

Em um primeiro parecer de uma investigação que concluirá em 2016, o Tribunal Permanente dos Povos (TPP) concluiu que cinco empresas de mineração no Canadá e o governo desse país são responsáveis ​​pela violação de direitos humanos na América Latina.

O TPP , uma organização independente fundada na Itália, descobriu que Ottawa e as empresas Barrick Gold, Goldcorp, Excellon Resources, Blackfire Exploration y Tahoe Resources são culpadas de violar direitos trabalhistas,  destruição ambiental, privando a população nativa do direito à autodeterminação, punir dissidentes e realizar assassinatos seletivos.

Gianni Tognoni, o secretário-geral do TPP, desde a sua criação em 1979, foi um dos oito juízes que decidiram em 10 de dezembro.

Em entrevista à IPS, ele falou sobre como as decisões TPP tem afetado o debate internacional no passado.

Dos muitos exemplos, ele citou o caso de trabalho escravo infantil na indústria de vestuário, que foi denunciado pelo TPP "a fim de reforçar a fiscalização e controle das organizações não-governamentais."

"O que poderia ser feito está sendo feito... para integrar o tribunal a outras forças... para fazer reclamações em termos de solidez jurídica", disse Tognoni.

Os processos internacionais  raramente são rápidos. O julgamento da ex-Iugoslávia "Parece sim um tipo de julgamento sobre a memória, o mesmo é verdade para Ruanda", disse.

Ele comparou a situação à eficácia imediata dos tratados econômicos e mencionou o famoso confronto entre direitos humanos e empresas transnacionais e a atitude de distância com o último.

"Não é possível ter uma sociedade global que esteja respondendo progressivamente aos critérios ... e indicadores econômicos", disse.

Formalmente, o Canadá deveria defender estes direitos no exterior e no seu próprio território, de acordo com o princípio da Maastricht sobre as obrigações extraterritoriais dos Estados para os quais as autoridades públicas devem supervisionar os atores não-estatais.

"Mas ele simplesmente não fazê-lo", disse Tognoni.

A decisão de 86 páginas relata que 75 por cento das empresas de mineração em todo o mundo estão com sede no Canadá, e as empresas canadenses com estimativa de mais de 50 bilhões de dólares no setor de mineração em investimentos na América Latina representam entre 50 a 70 por cento do total da região.

"E o veredicto... mostra claramente que o Canadá no estrangeiro promove a violação dos direitos humanos fundamentais", disse Tognoni.

A sessão de PPT em mineradora canadense chegou a um veredicto de culpado em Montreal em 10 de dezembro, no Dia Internacional dos Direitos Humanos, em uma investigação em curso até 2016.

O TPP fez recomendações ao governo canadense, as empresas em causa, bem como as agências internacionais e organizações, incluindo 22 divisões do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) mineração.

Acesso lento à justiça

"É claro que é importante organizar o movimento de oposição para dar um forte apoio e também legal de argumentos políticos e sociais, para que fique claro que a batalha para a justiça internacional é absolutamente idêntica à batalha pela democracia interna", disse Tognoni.

Em sua opinião, "porque os dois estão cada vez mais ligadas, não há países que são independentes da cena internacional".

As reuniões do TPP "adicionam-se a esse corpo de trabalho para mostrar que há uma necessidade urgente de instrumentos que permitam o acesso à justiça", disse o organizador da sessão sobre a mineradora canadense na América Latina, Daniel Cayley Daoust.

O TPP "não é um tipo de iniciativa que pode ser aplicada, uma vez que não tem capacidade legal de uma determinada maneira", disse ele. Ele fornece suporte para as comunidades afetadas e para documentar os abusos", no sentido de ampliar o debate... para aumentar a pressão", acrescentou.

Uma das prioridades do TPP é adicionar "mais voz e credibilidade a algo que foi ignorado pela maior parte por pessoas que... tem o poder de fazer mudanças", disse Cayley-Daoust.

Em 2011, o Conselho de Direitos Humanos da ONU estabeleceu um Grupo de Trabalho sobre a questão dos direitos humanos e das corporações transnacionais e outras empresas privadas.

Cayley-Daoust expressaram preocupação de que a ONU teve influência corporativa nas últimas três ou quatro décadas, principalmente por causa de seus laços com a empresa.

Rolando Gomez, porta-voz do Conselho de Direitos Humanos da ONU, disse à IPS que as empresas não estão imunes.

"Não há uma só questão de direitos humanos em qualquer ambiente, é uma empresa, uma cidade, um país ou comunidade, que escapem à atenção do Conselho", disse ele.

"Temos visto tendências positivas de empresas, grandes e pequenas, que tomaram estas questões muito a sério", disse ele.

Ele também se referiu às consequências políticas. "Cada vez mais, os Estados reconhecem que é preciso despolitizar o debate", disse à IPS.

Ele ressaltou que "o Conselho de Direitos Humanos não tem a ver apenas com as resoluções aprovadas, mas com acompanhamento, a ação, que há um estágio aqui em Genebra, onde os problemas muitas vezes não ouvir ouvir".

"A medida em que as ONGs estão ativas aqui é excelente", disse ele. Ele mencionou como eles participam de Genebra vítimas de violações dos direitos humanos e da sociedade civil em declarações entrega, pela sua presença nas negociações e apresentar um relatório sobre os debates formais.

Quanto a saber se a conversa é traduzida em ação ", que depende da questão e da vontade dos Estados e tomadores de decisão", disse Gomez.

"Justiça leva um longo tempo", disse ele.

0 comentários:

Postar um comentário