"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

terça-feira, 30 de junho de 2015

Thomas Piketty: expulsar a Grécia do euro é "abrir a caixa de Pandora"

O economista francês de renome, autor do ensaio "O capital no século XXI", pediu a imediata reestruturação da dívida grega. "A reestruturação da dívida não é para amanhã, é para agora", disse ele.

"Aprendizes de feiticeiro que imaginam que expulsando um membro para disciplinar os demais vai trazer estabilidade à zona euro são extremamente perigosos", disse no canal francês BFMTV o especialista em desigualdade econômica.

De acordo com Piketty, essa decisão seria "um erro dramático, histórico", porque "ninguém sabe o que iria acontecer."

"Estamos muito perto de uma grande catástrofe", previu o economista, professor da Escola de Economia de Paris e perto do governante (PS) Partido Socialista Francês.

Piketty defendeu uma "reestruturação" da dívida grega como a opção mais adequada para superar a crise de liquidez da Finanças Helênica e convidou o presidente da França, François Hollande, a "assumir as suas responsabilidades" nesse sentido.

"A reestruturação da dívida não é para amanhã, é para agora", disse o economista, que acredita que ele também deve considerar uma reestruturação de suas dívidas sobrecarregados países como a Itália ou Portugal ou mesmo "todas as dívidas zona do euro ".

Piketty receita "eliminar uma parte (da dívida), como sempre foi feito na história", informou a agência de notícias EFE.

"Há uma espécie de amnésia e ignorância histórica de nossos líderes que é absolutamente chocante porque a Europa foi construída na década de 50, precisamente, sobre o abandono das dívidas públicas do passado para investir em infra-estrutura, e crescimento", diz o economista.

O autor de "O Capital do Século XXI", um ensaio que analisa a desigualdade econômica na Europa e América desde o século XIX, citando especificamente a Alemanha e a França como beneficiários das referidas decisões políticas que justificaram a construção do projeto europeu.

"A Alemanha teve  uma considerável dívida externa, que foi anulada pelas conferências em Paris e Londres em 1953 e 1954, só para investir no futuro", enquanto seus governos anteriores "tinham feito muito piores absurdos que o governo grego em 2009 "ele adicionou.

Enquanto em uma entrevista dada à BBC ontem, o economista Nobel Joseph Stiglitz, disse que países credores europeus "são culpados" da crise grega e as condições impostas pelo governo grego é "ultrajante".

Stiglitz foi uma das vozes mais críticas contra a ortodoxia dominante nos governos das principais capitais europeias e as instituições financeiras internacionais.

Enquanto isso, companheiro laureado americano e Nobel, Paul Krugman estima que "o acesso ao ultimato das instituições, a Grécia abandonaria definitivamente qualquer pretensão de independência."

"A Grécia deve votar não e deixar o euro. A sua localização é sem volta. No domingo, os gregos devem votar contra exigências europeias para reforçar a austeridade e o governo grego deve estar pronto, se necessário, para deixar o euro" Krugman disse em uma coluna publicada no New York Times.

Fonte: Telam

0 comentários:

Postar um comentário