"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

domingo, 28 de junho de 2015

Tsipras convoca um referendo e a Grécia se aproxima do calote

Por Marco Antonio Moreno

650 1200

O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras convocou para o domingo da próxima semana um referendo sobre a última oferta de acordo de credores feita de Bruxelas. O Primeiro-ministro grego considerou "inaceitáveis" as exigências da troika e as negociações foram novamente paralisadas e a situação que se aproxima o momento decisivo do calote grego. A crise começa, assim, uma nova escalada fazendo inevitável o momento da verdade: a Grécia não pode pagar a sua dívida 

As reuniões nesta semana impediram um progresso real e os principais pontos de impasse nas negociações entre Atenas e os seus credores, estes últimos não querem ceder nenhum milímetro. O atrito é o imposto sobre o valor acrescentado, imposto sobre as sociedades, a privatização e os gastos com defesa. Embora tenha havido alguma convergência satisfatória na maioria dos pontos na posição do governo grego e os credores, há uma série de desacordos que os dois lados foram incapazes de apresentar no prazo de quatro meses de negociações.

A principal preocupação é o IVA: Os credores estão pedindo um lucro líquido de 1.8 bilhões de euros por ano, enquanto Atenas acredita que pode alcançar 1.67 bilhões de euros. O governo grego alega que o imposto sobre a comida é mantido a uma taxa de 13 por cento, enquanto que a troika quer que ele seja aumentado para 23 por cento. Além disso, os credores querem destruir 30 por cento de desconto sobre o IVA para as ilhas do mar Egeu, mas o governo insiste em manter.

No que respeita ao imposto sobre as sociedades, Atenas quer impor uma taxa especial de 12 por cento para as empresas que ganham mais de 500.000 euros por ano, mas os credores rejeitaram esta proposta dizendo que vai prejudicar o crescimento. Ou seja, preferem aplicar cortes para indivíduos e punir as pequenas empresas, mas beneficiar as grandes. Os credores também querem a abolição das isenções fiscais que têm atualmente os agricultores e os carregadores. Atenas diz como necessárias estes descontos. Tsipras também rejeita propostas para a privatização dos aeroportos regionais em termos de hoje, que prejudicam o país, bem como a venda de outras empresas estratégicas.

Exigências inaceitáveis

O governo grego disse que rejeitou essas exigências por considerar que adotar novas medias que causariam uma profunda recessão no país é inaceitável. "Se o governo e o Parlamento Europeu aprovar essa proposta, os cidadãos e os mercados devem estar preparados para um período de cinco meses de recessão na Grécia, levando a novas negociações em condições de crise", disse Tsipras.

O primeiro-ministro disse que vai respeitar qualquer que seja a vontade do povo, acrescentando que enviará às instituições europeias uma carta na qual ele pediu um adiamento de "alguns dias" da extensão atual do resgate que expira na próxima terça, 30 de junho de que os cidadãos podem "decidir sem pressão." A Grécia deve fazer um pagamento de 1.5 bilhões de euros para o FMI, e todo mundo sabe - menos a troika que o país precisa de uma extensão do apoio financeiro para atender a esses interesses. Na parte de seu discurso, transmitido ontem à noite, Alexis Tsipras disse:

"Depois de cinco meses de difíceis negociações, os parceiros do Eurogrupo ter atingido uma proposta sob a forma de um ultimato, que é um ultimato à democracia grega e ao povo grego... Estas propostas, que violam diretamente os direitos fundamentais do acervo social e europeu, como o direito ao trabalho, igualdade e dignidade, mostram que alguns dos nossos parceiros não querem chegar a um acordo igualmente proveitoso para todas as partes, mas destinam-se a humilhar todo um povo. Estas propostas demonstram a ênfase, em particular pelo Fundo Monetário Internacional, em uma austeridade extrema e punitiva "

Referindo-se ao referendo no próximo 05 de julho que poderia significar uma saída da Grécia da euro, Tsipras disse:

"Eu quero que respondam esta pergunta com orgulho e responsabilidade... A Grécia precisa enviar uma mensagem de democracia para a Europa... A Europa sem democracia é uma Europa sem identidade ou senso..." Temos de responder a este ultimato com a vontade do povo".

Membros do governo Syriza aplaudiram a decisão de convocar um referendo, uma vez que não tem escolha. Após quatro meses de negociações, a troika continua a exigir medidas de austeridade e punição como se não tivesse havido qualquer mudança política na Grécia. As Instituições europeias querem decidir pela Grécia e os gregos dizem-lhes o que fazer e o que tem sido defendido com sucesso como "inaceitável" por parte do governo grego. O governo grego não pode implementar um programa que é totalmente o oposto do que para o qual foi eleito.

A Grécia é apenas uma das frentes que comem a estabilidade europeia. A Crise da Ucrânia e a redução de impostos iminente, a situação na Hungria e o encerramento das suas fronteiras, ou a possível saída do Reino Unido da UE têm a Europa em um labirinto que a cada dia torna-se mais escuro.

0 comentários:

Postar um comentário