"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

terça-feira, 14 de julho de 2015

O plano de Merkel e Schauble para condenar a Grécia e expulsá-la do euro

Por Marco Antonio Moreno

Wolfgang Schauble

O acordo da UE com a Grécia é uma armadilha diabólica que não alivia em nada os problemas da Grécia. Os euro-salvadores deram um ultimato sombrio a Grécia: quarta-feira deve aprovar as reformas propostas pela troika e só então abrirá o caminho para as negociações. Apenas uma vez as reformas adotadas pelos gregos, o Parlamento alemão começará as negociações. Nada vai acontecer antes da capitulação do governo da Grécia ser confirmado e ainda assim o parlamento alemão terá a última palavra ... Quer dizer que tudo publicado na mídia afirmando que havia chegado a uma solução para o drama grego é falsa. Somente quando o governo grego iniciar a privatização e deixar a Grécia nas mãos de empresas alemãs, eles podem começar a negociar no Parlamento alemão a questão do dinheiro para a Grécia. 

Mas se o Parlamento alemão entra em objeções, se for encontrado alguma ilegalidade ou detecta qualquer ilegalidade ou violação de qualquer disposição de negociação o contrato será paralisado. O processo pode levar um longo tempo. Exigindo novas medidas e novas garantias para o governo grego e, portanto, a asfixia. Durante todo este processo, a Grécia não receberá um único euro. Merkel e Schäuble querem esmagar a Grécia muito mais do que as tropas de Hitler há 75 anos. Só que agora não é exigidotanques para esmagar um país inteiro. Basta cortar o suprimento de dinheiro. Os bancos gregos não vão reabrir as suas portas.

Como a história se repete, esmagar os gregos é a palavra de ordem estratégica que gerencia Wolfgang Schäuble hoje. O homem duro e forte da UE não quer países que sejam um fardo aos que se tenha que ajudar a cada três anos. Com a saída da Grécia e, planejada e ditada por Merkel e Schäuble, que quer dar um aviso aos países que querem deixar o rebanho; como a Espanha, em seu giro para a esquerda com o Podemos e a França, por sua vez para a extrema direita com Marie Le Pen. Sai do rebanho não é permitido. Para Schäuble, o futuro da UE é nada mais do que a obediência cega ao sistema financeiro e ao deus mercado. A pragmática da realpolitik requer uma disciplina financeira férrea e respeito pelo templo sagrado do sistema financeiro, que é em última análise o governante.
Schaulble se vê como o arquiteto da Nova Ordem Mundial, onde os fracos não têm lugar. O cálculo frio imposto em princípios de solidariedade. Tudo tem um preço e quem não paga é morto. Humilhação é o código indicando a porta de saída e você deve sair da sala. Note-se a abertura com que foi expulso Yanis Varoufakis, um dos economistas mais brilhantes do heterodoxia atual e apreciado de Steve Keen a Paul Krugman, James Galbraith e Michael Hudson. Uma vergonha inaceitável que deixa os líderes da troika ao nível da máfia ou os líderes da Cosa Nostra. E tudo por uma dívida global é pequena. Mercados de ações asiáticos perderam em semanas mais três vezes do que a totalidade da dívida da Grécia. Note também que a dívida grega é de apenas 2,5 por cento da dívida em toda a UE, como mostrado neste capa de Handelsblatt. O resto da Europa tem 97,5 por cento!
Handelsblatt Portada1307
Uma saída longamente planejada
Se Merkel e Schäuble tiveram qualquer intenção de manter a Grécia no euro não  teria mantido os gregos cinco meses em uma corda bamba e falsas promessas. A saída da Grécia do euro poderia ser limpa e  ordenada, mas escolheram a pior maneira e na hora errada. O Grexit foi planejado desde o dia em que ganhou o Syriza. Eles passaram cinco meses de exaustivas negociações e não conseguiram chegar a um acordo porque quem manda na UE são Merkel e Schäuble e tem que fazer o que eles ditam. Nem o presidente francês François Hollande tem o voto decisivo nas cimeiras da UE. Basta Merkel e Schäuble bater na mesa para discussão está concluída e aprovado o que eles decidiram.
Como conta Yanis Varoufakis, Schäuble desde o primeiro minuto disse que a solução para a Grécia já tinha sido negociado e que "nenhum novo governo vai mudar as regras do que já está negociado". Temos 19 países da UE, Schäuble disse "se pode imaginar se nós temos que mudar as regras sempre que há eleições?". Varoufakis sentiu o peso desses poderes das trevas para defender os interesses financeiros sozinho. Isto conta Varoufakis, confirmou que a situação é muito pior do que qualquer coisa que se possa imaginar. Como observamos ontem, o colapso da UE está em processo e cada um defende sua pele. A realpolitik de Wolfgang Schäuble meramente aplicando cálculos frios para proteger os interesses financeiros.
O que é incomum é que ele é ao mesmo tempo negando sal e água para a Grécia, flui um fluxo contínuo e vigoroso de dinheiro para a Ucrânia de Porochenko e Yatseniuk, um regime relacionado com Merkel e Schäuble que esmaga o seu próprio povo. Isso indica que o problema não é o dinheiro, mas o que eu quero ... Com a expulsão da Grécia do euro nos seus piores tempos econômicos, Schäuble e Merkel querem criar caos político que rompe a unidade que tinha sido alcançado por Syriza. Na verdade, a capitulação de Tsipras está causando a demissão de parlamentares de Syriza e isso pode forçar novas eleições. A Grécia e iria bater o recorde dos governos, impostos ou eleitos, nos últimos cinco anos.
A humilhação da Grécia também envia uma mensagem clara aos outros países da periferia: todo mundo vai ser humilhado como a Grécia, se não fazem o que dita Merkel e Schäuble. Ou seja, ou aceita de bom grado as regras ou vão ser impostas pela força. Até certo ponto, Schäuble tem tudo a ganhar, porque a situação na Europa é muito pior do que o que temos escrito. A Itália tem sido mantida à tona pela enxurrada de dinheiro que lhes dá Mario Draghi. Portugal vive ajoelhado acusado de viver em suas chances. A França também está na mira de Schäuble um recuo do euro por seu ambiente interno conflitantes e dados econômicos pobres. Em Espanha, os dados macroeconômicos são muito piores do que os anunciados pelo governo. Depois, há a ameaça do Podemos. Schäuble não vai negociar com os partidos. Ele não vai negociar com as igrejas e com Marine Le Pen. Quanto à Grécia, irá mostrar-lhes a porta. O fim cruel e terrível começou.

0 comentários:

Postar um comentário