"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

sexta-feira, 4 de março de 2016

Rompe-se a barragem, diga-se República

O Brasil está ingovernável! A república depende agora de decisões judiciais; esta sexta-feira 4 de março de 2016 marca o início do fim definitivo do modelo padrão seguido pela República de 1988, mais particularmente, depois do impeachment de Collor; o que ainda se tentava levar por argumentos conciliatórios agora serão resolvidos unicamente via embates.

Acaba-se uma república que tanto prometera e terminou morrendo numa mega operação jurídico-policial; não há parâmetro de comparação; muitos remetem ao impeachment de Fernando Collor de Mello, ora Collor fora eleito num PRN, apenas uma sigla de fumaça, numa eleição ultra polarizada com 32 candidaturas em primeiro turno.

O Brasil entra na incerteza; nunca nas últimas décadas uma república gigante como esta passou por tamanha crise de legitimidade; a opinião pública está dividida, caminhando para o confronto violento; a economia sem rumo em virtude de não se poder saber o que acontecerá na próxima manhã.

Não há soluções simplistas; e o que é pior não há estadistas de nenhuma forma; os líderes do governo e da oposição, se é que existem, não passam de idiotas; idiotas que sequer sabem dimensionar o que pode acontecer à nação; idiotas que ainda pensam que se trata de mera questão de transição; idiotas com discursos acusatórios, mas sem nenhuma confiança pública.

Quem se expressa é lixado, a nação se digladia nas ruas virtuais prenunciando graves crises nas ruas urbanas. Uma República sem voz oficial.

0 comentários:

Postar um comentário