"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

sexta-feira, 7 de julho de 2017

World Wide Web igual a liberdade?

Por Christian Krell

Christian KrellDa euforia ilimitada ao amargo desencanto. Quem analisa o debate sobre digitalização nos últimos anos identificará uma tendência clara: interpretamos a Primavera árabe como uma revolução do Facebook, sonhando com o poder democratizador de um novo meio. Acabamos com o discurso de ódio e os bots sociais que mudam o foco de eleições de conflitos para algoritmos. Tínhamos sonhos de trabalhar fora dos confins dos escritórios, liberados dos grilhões dos rígidos tempos de trabalho e ainda colaborando com os outros - enquanto cuidamos as crianças de passagem. O que acabamos por isso é a disponibilidade 24 a 7, uma nova precarização digital e uma disputa cada vez mais intensiva para cada contrato de trabalho via o Mechanical Turk, um mercado virtual que conecta os empregadores com os funcionários. Tivemos sonhos de que todos pudessem se informar de forma mais rápida e barata sobre tudo o que nos afeta. E que todos possam compartilhar sua visão das coisas com todos os outros. O que acabamos por isso é um algoritmo do Facebook que usa cerca de 100.000 (!) indicadores para escolher o que lemos com uma precisão espantosa, individualmente orientada para cada pessoa e seus pontos de vista, ao mesmo tempo que os reforça. Sem o menor vestígio de discussões ou debates mútuos sobre questões de interesse coletivo.
O que devemos fazer então? Talvez procurar os três especialistas mais ousados ​​de todas as comissões de especialistas em digitalização lá fora e enviar-os em busca do plugue para esta Internet para que finalmente possam puxá-lo? Não precisamos proteger nossa democracia contra a digitalização? Não há 20 anos de Google e 10 anos de iPhone puro e simples? De jeito nenhum! Não só porque a digitalização, entretanto, se transformou em um vasto sistema ecológico em que e com a qual a grande maioria de nós vivemos, amamos e trabalhamos, mas também porque a digitalização na perspectiva da social-democracia é um instrumento fabuloso com o qual multiplica a participação, nutre a liberdade e melhora o trabalho. A tarefa, no entanto, é conduzir um debate realista sobre a digitalização em um reino em algum lugar entre a euforia e o desencanto, antes de tudo tentar estabelecer um acordo mútuo sobre quais valores devem moldar a digitalização e depois refletir sobre as conclusões que podemos extrair em relação à questão de como lidar com esse fenômeno de digitalização.
O que seria importante em tudo isso é a constatação de que não estamos desamparados diante da digitalização, mas sim que é algo feito pelo homem e que pode ser moldado pelas pessoas. Precisamos humanizar o debate sobre a digitalização. Temos de perceber que tecnologias, algoritmos e bots sociais foram concebidos e criados pela humanidade. Mesmo com uma visão da Internet das coisas ou o rápido desenvolvimento da inteligência artificial também, não são máquinas de tecnologia imparáveis ​​que inexoravelmente moldam e determinam nossas vidas (digitais). Em última análise, são os humanos que são responsáveis. São pessoas influenciadas pelos valores, orientadas por interesses e emaranhadas em visões do mundo que moldam a digitalização. As pessoas impuseram suas noções de valores sobre essas tecnologias - ao mesmo tempo em que perseguiram princípios capitalistas mais do que qualquer outra coisa.
Quando, por exemplo - como a ONG AlgorithmWatch escreve - a busca de nomes de som afro-americanos, com maior freqüência, faz propaganda de agências de crédito que fornecem informações sobre criminosos do que pesquisas de outros nomes, esse padrão é baseado em julgamentos de valor incorporados em uma lógica escolhida e determinado pelos seres humanos. De acordo com essa lógica, os afro-americanos são considerados mais freqüentemente criminosos, e os anúncios das agências de crédito geram mais lucros do que a publicidade para outros produtos. A lógica subjacente é racista, mas a partir de uma perspectiva capitalista faz sentido. E todas as principais empresas estão orientadas para uma lógica e lógica capitalista que molda a arquitetura do nosso mundo digital, da Amazônia ao Facebook para o Google. Esta penetração neoliberal da Internet, aliás, contrasta com sua idéia original. Se esta lógica, que faz sentido para uma empresa orientada para o lucro, deve expropriar algo como abrangente e que tem uma influência tão fundamental em nossas vidas, que a digitalização como um todo é, no entanto, mais do que questionável.
Nem toda a discriminação feita por algoritmos é ilegal, por exemplo. Mas, no entanto, pode levar a menos liberdade e menos igualdade e, portanto, é problemático a partir de uma perspectiva ética.
Do ponto de vista da social-democracia, outros valores precisam estar na vanguarda. No núcleo normativo da social-democracia é a noção de igual liberdade. Para todos os que você conhece: o núcleo normativo é como o código-fonte da social-democracia. Todos devem ser igualmente capazes de levar uma vida autodeterminada, livre de coerção arbitrariamente impostas a eles pela sociedade ou pelo Estado, e com tudo o que é necessário para viver uma vida livre. Uma vida livre independente da cor de sua pele, gênero, orientação política e preferência sexual - e também independente dos algoritmos e das ações de dados. E definitivamente independente de estar sob suspeita de ser um criminoso em potencial se o nome deles soar Africano Americano. É importante distinguir entre esses valores e leis e regulamentos. Os julgamentos de valor envolvem outra coisa.Os valores não são leis e regulamentos, mas sim noções sobre o que é bom e, portanto, pensamentos e idéias sobre o que é desejável para uma sociedade. Nem toda a discriminação feita por algoritmos é ilegal, por exemplo. Mas, no entanto, pode levar a menos liberdade e menos igualdade e, portanto, é problemático a partir de uma perspectiva ética.
Ao mesmo tempo, é necessário determinar quem deve explorar essa dimensão ética e negociar sobre ela. São as comissões de ética da Amazon ou do Facebook? São agências governamentais, que são pelo menos de algum modo democraticamente legitimadas? São universidades e outras instituições de pesquisa? Ou é o que precisamos de um debate que envolva também a sociedade civil e, em última análise, todas as pessoas afetadas pela digitalização, o melhor de tudo em escala global? Esta afirmação parece ser utópica e sensata ao mesmo tempo. Afinal, conceitos morais e valores éticos assumem especial importância quando são amplamente compartilhados.
Que tipo de lidar com o fenômeno da digitalização deve ser suposto se quisermos aumentar a digitalização nos valores de uma sociedade livre e igual? Em primeiro lugar, temos que falar sobre a dimensão técnica do processo aqui. Em segundo lugar, a tarefa é capacitar as pessoas a lidar com a digitalização de forma madura e crítica. Em terceiro lugar, temos que falar sobre as estruturas de propriedade na digitalização.
Os padrões de valor precisam ser incorporados nas estruturas da digitalização acima e além da lógica exploradora do capitalismo.
No que diz respeito à dimensão técnica relacionada ao processo, deve-se notar que a arquitetura da Internet e todos os produtos digitais devem finalmente refletir esses valores. Além da reivindicação legítima de privacidade por design - a promessa de projetar software e hardware de tal forma que eles protegem a esfera privada dos indivíduos da melhor maneira possível - temos que adicionar uma ética por design. Os padrões de valor precisam ser incorporados nas estruturas da digitalização acima e além da lógica exploradora do capitalismo.Caso contrário, acabaremos com uma sociedade desumana, livre e injusta.
Além disso, tudo se resume às pessoas. O que importa é o empoderamento dos indivíduos para se deslocarem dentro do domínio da digitalização de forma informada e, assim, evitar desligar o cérebro quando a tela é ligada. Não poderemos evitar notícias falsas ou interromper o discurso de ódio com algoritmos, padrões técnicos e automatismos. Mais do que nunca, torna-se necessário promover o pensamento crítico e, no espírito de Immanuel Kant, reunir coragem para confiar no próprio motivo. Isso também significa sair da própria zona de filtro e estar disposto a ser confrontado com pontos de vista e perspectivas diferentes das que os algoritmos procuram para nós. A alfabetização digital, por exemplo, nas escolas, naturalmente, exigirá habilidades de programação, mas não deve parar por aí. Em vez disso, as crianças devem ser encorajadas e ensinadas a distinguir entre propaganda e informação. As habilidades e padrões clássicos de jornalismo, como verificar fontes, etc., precisam se tornar partes integrantes dos currículos.
Nos tempos em que a nossa coexistência é tão estreitamente interligada com a digitalização, o modelo de bens públicos poderia oferecer uma alternativa à propriedade privada ou governamental da digitalização que ofereça oportunidades consideráveis.
Em terceiro lugar, no curso da digitalização, uma maior atenção deve ser focada em estruturas de propriedade. Tanto a infra-estrutura de rede como os serviços oferecidos e os estoques de dados gerados com estes são, sobretudo, propriedade privada de algumas empresas multinacionais. Esta estrutura faz a digitalização moldar toda a nossa vida altamente vulnerável, como mostra um simples exercício de aritmética mental. Como chefe do Facebook (e, portanto, da WhatsApp também), Mark Zuckerberg tem uma influência decisiva sobre a forma como nos comunicamos e quem tem acesso a essa informação. Se esta função não fosse realizada por Zuckerberg, em tudo um liberal comprometido, mas, por exemplo, por Stephen Bannon, nosso mundo pareceria diferente.
Este pequeno exemplo convida as pessoas a refletir sobre as estruturas de propriedade na digitalização. Uma alternativa poderia ser mais propriedade estatal e, portanto, controlada democraticamente, por exemplo, em relação à própria infra-estrutura de rede. Na sequência das divulgações de Edward Snowden, há uma dúvida considerável, no entanto, se o estado e os serviços secretos associados a ele sempre abordariam a infra-estrutura da rede motivada pelo compromisso com uma ordem mundial livre e justa. Para bens que são tão importantes para o bem comum, a quem ninguém deve ser negado o acesso, uma terceira categoria acima e além do governo e propriedade privada foi estabelecida: bens públicos. Nos tempos em que a nossa coexistência é tão estreitamente interligada com a digitalização, o modelo de bens públicos poderia oferecer uma alternativa à propriedade privada ou governamental da digitalização que ofereça oportunidades consideráveis. Evgeny Morozov, por exemplo, enviou propostas muito promissoras sobre como lidar com conjuntos de dados como bens públicos.
As ideias relativas a um design orientado para o valor da digitalização ilustram uma coisa acima de tudo: estes são apenas no início. Há uma série de estratégias e modelos interessantes, como, por exemplo, a Carta dos Direitos Digitais Fundamentais da União Européia. O que é extremamente necessário são os lugares onde podemos debater quais os valores nos que queremos basear a digitalização e discutir como podemos empurrá-lo nesses valores, evitando uma euforia excessivamente simplista ou desencanto.
A democracia digital e a digitalização democrática são duas facetas em um debate em que nada menos que o futuro da nossa comunidade está em jogo.
Em #digidemos também - o congresso de Friedrich-Ebert-Stiftung sobre digitalização e democracia que ocorre em Berlim em 20 de junho de 2017 - os valores básicos da social-democracia servem de ponto de partida. O congresso aborda a democracia, a publicidade e o trabalho em uma sociedade digitalizada, novas formas de compreensão e participação societária, idéias e oportunidades para moldar o futuro. Do mesmo modo, a democracia digital e a digitalização democrática são duas facetas em um debate no qual nada menos que o futuro da nossa comunidade está em jogo. Como podemos moldar a democracia digital e a digitalização democrática para o bem de todos?
Novos gatekeepers e gatewatchers estão alterando a sociedade de mídia digital, assim como os novos desenvolvimentos tecnológicos. Em #digidemos, o foco também está em tópicos atuais no campo da política de mídia e rede: como podemos fortalecer a(s) publicidade(s) democrática e em paralelo com a digitalização? Em última análise, o mundo do trabalho é uma arena fundamental para a mudança digital. Continua a ser uma questão controversa se esta alteração é vantajosa ou desvantajosa para os funcionários. A promessa de progresso digital também se aplica ao local de trabalho? E como o Work 4.0 será transformado em trabalho decente? Uma orientação para valores, informações, acesso para todos, estruturas de propriedade - o que precisamos é transformar a digitalização em um instrumento com o qual conseguir uma liberdade mais igual - são sempre verdes para a social-democracia. Uma e outra vez, ao longo do tempo, a social-democracia enfrentou essas questões, e tem sido repetidamente bem-sucedida nos últimos 150 anos para alcançar mais liberdade e igualdade. A tarefa em questão é também fazer valer essa afirmação na era digital.

Sobre Christian Krell
O Dr. Christian Krell é Diretor do Escritório Nórdico da Fundação Friedrich Ebert em Estocolmo.

0 comentários:

Postar um comentário