"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

Da autonomia em política - Cornelius Castoriadis

A filosofia não é filosofia se não expressa um pensamento autônomo. Que significa autônomo? Isto é autônomo, "que se dá a si mesmo sua lei". Em Filosofia, está claro: dar-se a si mesmo sua lei, quer dizer estabelecer as questões e não aceitar autoridade alguma. Pelo menos a autoridade de seu próprio pensamento prévio.

O poder na era das redes sociais

A comunicação de masas é aquela que tem o potencial de chegar ao conjunto da sociedade e é caracterizada por uma mensagem que vai de um a muitos, com interatividade inexistente ou limitada. Autocomunicação de massas é aquela que vai de muitos para muitos, com interatividade, tempos e espaços variáveis, controláveis.

Hayek contra Keynes: o debate do século

As linhas divisórias que hoje cruzam pensamento econômico devem muito a este debate. Por exemplo, a análise do papel do Estado e da política na gestão econômica depende essencialmente desta polêmica.

O Califado contra o resto do mundo

Quem ganha e quem perde com o novo realinhamento geopolítico no Médio Oriente?

Colapso do petróleo e do sistema financeiro ameaça expropriar os fundos de pensão

Desde os resgates bancários de 2008 houve um debate produtivo sobre a necessidade de mudar o sistema e evitar os monstros bancários "grandes demais para falir", que tiveram que ser resgatados pelos governos.

sábado, 15 de abril de 2017

Judas no Inferno

por Dante Alighieri - traduzido por José Pedro Xavier Pinheiro

Judas

Na Judeca estão os traidores dos seus senhores e benfeitores. No meio está Lúcifer, que com três bocas dilacera três entre os mais horrendos pecadores: de um lado Judas, do outro Bruto e Cássio, que mataram a Júlio César. Virgílio, ao qual Dante se agarra, desce pelas costas peludas de Lúcifer até o centro da terra. Dai seguindo o murmúrio de um regato, saem e avistam as estrelas no outro hemisfério.

O Inferno, Canto XXXIV
VEXILIA regis prodeunt inferni[1]
Contra nós; pra diante os olhos tende
Disse o Mestre, se a vista já discerne”.


Como quando no ar névoa se estende,
Ou ao nosso hemisfério a noite desce,
Um moinho distante a atenção prende.



Um edifício igual verme parece.
Tanto era o vento, que eu busquei guarida
Atrás do Mestre, que outra não se of’rece.



À parte era chegado, onde imergida
Cada alma em gelo está (tremo escrevendo),
Bem como aresta no cristal contida.



Erguidas umas stão, outras jazendo
Qual sobre a fronte ou sobre os pés firmada
Qual com seus pés o rosto arco fazendo.



Quando distância tal foi superada,
Que aprouve ao Mestre me tornar patente
A criatura bela ao ser formada,



Se afastando de mim, disse: “Detém-te!
Eis Satanás! Eis o lugar horrendo
Em que deves te armar de esforço ingente!



Quanto assombrei-me aquele aspecto vendo
Não inquiras leitor: não te expressara
Com verbo humano o que encarei tremendo.



Não morto, porém vivo não ficara.
Qual me achava te pinte a fantasia,
Se morte ou vida em mim se não depara!



Do aflito reino o imperador eu via:
Do gelo acima o seio levantava.
A um gigante igualar eu poderia,



Se um gigante a um seu braço eu comparava!
Do todo vede a proporção qual fora,
Quando tão vasta a parte se ostentava!



Quem foi tão belo, quanto é feio agora,
Contra o seu criador a fronte alçando
Vera causa é do mal, que o mundo chora.



Qual meu espanto há sido em contemplando
Três faces na estranhíssima figura![2]
Rubra cor na da frente está mostrando;



Das outras cada qual, da pádua escura
Surdindo, às mais ajunta-se e se ajeita
Sobre o crânio da infanda criatura.



Entre amarela e branca era a direita;
A cor a esquerda tem que enluta a gente
Do Nilo às margens a viver afeita.



Via asas duas sob cada frente,
Tão vastas, quanto em ave tal convinham:
Velas iguais não abre nau potente.



Plumas, como em morcego, elas não tinham;
De contínuo agitadas produziam
Os três gélidos ventos, que mantinham



Os frios, que o Cocito enrijeciam.
Chorava por seis olhos, por três mentos
Pranto e sanguínea espuma se espargiam.



Qual moinho, com dentes truculentos
Cada boca um prexito lacerava:
Padecem três a um tempo assim tormentos.



Mas ao da frente a pena se agravava,
Porque das garras o furor constante
Do dorso a pele ao pecador rasgava.



“O que esperneia em dor mais cruciante”
O Mestre disse: “É Juda Iscariote:[3]
Prende a cabeça a boca devorante.



“Dos dois, que estão pendendo, coube em dote
A negra face Bruto: sem gemido
Se estorce da dentuça a cada bote.



“O outro é Cássio, de membros bem fornido.[4]
Mas a partir a noite insta, assomando:
Aqui já tudo havemos conhecido”.



Do Mestre o colo enlaço por seu mando.
Ele em lugar e tempo apropriado,
De Lúcifer as asas se alargando,



Ao peito hirsuto havia-se agarrado;
Depois de velo em velo descendia
Entre os ilhais e o lago congelado.



Chegado àquela parte, em que se unia
Da coxa o extremo dos quadris à altura,
Com grande ofego e mor abalo o Guia



Pôr a fronte onde os pés firmou procura,
Como quem sobe às crinas agarrado:[5]
Assim tornar cuidei do inferno à agrura.



“Segura-te! Por tais degraus alado”
Lasso Virgílio já disse anelante,
“Deste império do mal serás tirado”.



De uma rocha então sai por fresta hiante;
Sobre a borda me assenta cauteloso;
Depois a mim se acerca vigilante.



Olhos alcei julgando curioso
Ver Lúcifer, qual de antes o deixara;
De pernas para o ar vi-o em seu pouso!



De que enleio a minha alma se tomara,
Deixo ao vulgo pensar pouco instruído,
Que o ponto não compreende, em que eu passara.



“Eia! Vamos!” o Mestre diz querido,
“Longa jornada e mau caminho temos;
E a meia terça o sol já tem corrido”.



De paço em salas nós de andar não temos;
Mas de antro natural em solo duro
Os passos nossos dirigir devemos.



“Antes que eu deixe em todo o abismo escuro
Erro, em que estou, meu Mestre, desvanece”
Disse erguendo-me um pouco mais seguro.



“Onde o gelo? Por que nos aparece
Assim Lúcifer posto? E já tão presto,
Cessando a noite, o sol nos esclarece?”



“Tu cuidas ser, do que ouço é manifesto
Lá no centro, onde ao pêlo me prendera
Do que atravessa o mundo, verme infesto.



“Ali stiveste, enquanto descendera
Ao voltar-me do ponto além tens sido,
Que o peso atrai na terreal esfera.



“Foste àquele hemisfério transferido,
Que se opõe ao que a terra está lançado,
Em cujo excelso cume há padecido;



“Quem nasceu, quem viveu sem ter pecado[6]
Sobre uma esfera estreita os pés agora,
117 Da Judeca ao reverso, tens firmado.



“É noite lá; nós temos luz nesta hora;
E o que nos velos seus nos deu a escada
Na postura se firma, em que antes fora.



“Caiu aqui da altura sublimada,
E a terra, que se alçava entumescente,
Do mar fez véu e veio de enfiada



“Para o nosso hemisfério de repente.
Também fugiu de medo, a que se avista;
Vácuo deixando aqui, fez monte ingente”.



Lá no profundo há um lugar, que dista
Tanto de Belzebú, quanto se estende
Seu sepulcro: ali não penetra a vista.



Revela-o som de arroio, que descende[7]
Por brecha do rochedo, que escavara,
Em torno serpeando, e pouco pende.



Para voltar do mundo à face clara
Nessa vereda escusa penetramos:
De nós nenhum de repousar cuidara.



Virgílio e eu, logo após, nos elevamos,
Té que do ledo céu as cousas belas[8]
Por circular aberta divisamos:



Saindo a ver tornamos as estrelas.

Notas

  1. Ir para cima
     Vexilas etc — Aparecem os vexilos do rei do Inferno. É o primeiro verso de um hino da Igreja. [N. T.]
  2. Ir para cima
     Três faces etc., Lúcifer tem três faces em contraposição à Trindade divina. [N. T.]
  3. Ir para cima
     Juda Iscariote, que traiu Jesus. [N. T.]
  4. Ir para cima
     Bruto e Cássio, que mataram Júlio César. [N. T.]
  5. Ir para cima
     Como quem sobe etc. Passado o centro da terra, Virgílio para encaminhar-se ao hemisfério oposto deve subir e não mais descer. [N. T.]
  6. Ir para cima
     Que se opõe etc., ao hemisfério que cobre a terra em cujo cume (Jerusalém) foi crucificado Jesus Cristo. [N. T.]
  7. Ir para cima
     Arroio, o rio Lete que desce do Purgatório. [N. T.]
  8. Ir para cima
     As cousas belas, as estrelas que Dante percebia da pequena abertura a que chegaram. [N. T.]



Dante Alighieri

Dante Alghieri

Durante degli Alighieri (cerca de 1265 - 1321), foi um grande poeta italiano do final da Idade Média. Sua Divina Comédia é amplamente considerada a maior obra literária composta na língua italiana e uma obra-prima da literatura mundial.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Assim é o nacionalismo econômico de Steve Bannon, o cérebro da vitória de Trump contra o globalismo

Resultado de imagem para photograph
Da pletora de personagens que vieram para o primeiro plano da política americana com Donald Trump, poucos (talvez nenhum) têm tanta influência nas decisões presidenciais como Steve Bannon, o grande ideólogo do trumpismo (seja lá o que for isto) que passou da execução de uma web marginal de extrema direita a ter um escritório a poucos passos do Salão Oval. Embora tenha sido dispensado do Conselho de Segurança Nacional, continua a ser o estrategista-chefe da Casa Branca.
Dele se tem dito que é um supremacista branco e que admira o fascismo, além de muitas outras coisas ainda menos lisonjeiras. Mas Bannon despreza esses adjetivos: ele define a si mesmo como um nacionalista econômico.Qual é o nacionalismo econômico da mão direita de Donald Trump?
Um passo para trás ... como Steve Bannon veio a se tornar o cérebro da campanha presidencial?
Bannon não vêm da casta política de Washington D.C. e sua ideologia em muitos campos é desconhecida, independentemente das pistas que vem oferecendo em Breitbart nos últimos anos. Bannon chegou à direção desta web conservadora em 2012, tornando-se um dos principais oradores da extrema-direita. A candidatura do empresário, politicamente incorreto e fora do sistema, supôs uma plataforma política para este movimento de que o Breitbart serviu como porta-voz com entusiasmo.

Antes de Breitbart, Bannon já tinha atrás de si uma carreira como propagandista para a ala mais radical do Partido Republicano, em seu papel como produtor de cinema (com documentários como A Invicta, sobreSarah Palin). Convertido em diretor da  campanha de Trump, Bannon focou em mensagens controversas (muros, deportações, mão dura) que capturaram todas as manchetes, fazendo a campanha girar em torno da mensagem do candidato republicano sem apenas investir pesado. Seu sucesso foi recompensado com um lugar na Casa Branca que muitos consideram indigno.
Em que consiste o nacionalismo econômico de Bannon?
Eu não sou um "nacionalista branco". Eu sou um nacionalista econômico. Os globalistas arrancaram as tripas da classe trabalhadora americana e criaram uma classe média na Ásia. A questão agora é sobre os americanos para que não os parafusem.  
As idéias econômicas expressas com Bannon não tem nada a ver com a linha tradicional dos conservadores americanos, mas sim com os populistas europeus. Elas são principalmente baseadas em protecionismo e oposição à 'globalização', o que na prática significa o aumento de tarifas de importação e subsídios à produção doméstica, negando décadas de política dos EUA em favor do livre comércio internacional. Independentemente da sua força econômica, se trata de uma mensagem transversal que cala a esquerda e a direita e que levou muitos redutos democratas a apostar em Trump nesta ocasião.
EBS
A relutância do mainstream  político americano para desencadear a guerra comercial que o governo Trump quer  não é acidental. A última vez que os Estados Unidos tentaram proteger os trabalhadores americanos entravando as importações estrangeiras (a Lei Smoot-Hawley de 1933) só conseguiu foi piorar significativamente a Grande Depressão. A reação em cadeia, depois de uma subida tarifária dos Estados Unidos poderia reverberar em todo o mundo, e o ganho de empregos na indústria (altamente automatizada, de qualquer maneira) seria pírrica em comparação com as perdas associadas com a desaceleração no comércio internacional.
O protecionismo inspirado por Bannon resultou na primeira medida de Trump: a retirada do Acordo Trans-Pacífico (TPP), uma debandada que conseguiu enfurecer um aliado-chave como o Japão e entregar primazia comercial da região do Pacífico para a China, mudança duvidosa sobre possíveis benefícios para a produção dos Estados Unidos. Como mostra da transversalidade destas medidas, que é suficiente para mencionar que um dos maiores críticos do TPP foi o Nobel Joseph Stiglitz, um dos economistas de referência para a esquerda.
Se Trump cumpre o prometido, o próximo passo seria a retirada do NAFTA, o acordo de livre comércio entre  EUA, Canadá e México que, de acordo com Bannon e muitos outros - destruiuo empregos americanos através da remoção de barreiras às importações de produtos mais baratos de México. A possibilidade de perder o acesso livre para o mercado norte-americano seria um desastre para a economia mexicana, cuja moeda se depreciou significativamente em relação ao dólar desde a eleição de Trump. Mas sobre a mesa lá existe outro convidado NAFTA: o Canadá, com três quartos das suas exportações indo para o Estados Unidos. Embora o gabinete Trump tranquilize os canadenses com promessas de um acordo bilateral, o premier canadense Justin Trudeau lançou uma ofensiva diplomática para defender o NAFTA.
O verdadeiro inimigo é o "globalismo"
Bannon conseguiu redefinir as frentes de batalha políticas americanas. Não é mais sobre conservadores versus liberais, mas sim nacionalistas contra globalistas (enquanto na Europa o debate se move do eixo esquerda - direita ao confronto entre partidos tradicionais e populistas).
Na visão de Bannon, o 'globalismo' é este movimento aperturista que encheu os Estados Unidos de produtos chineses e imigrantes mexicanos, "evisceração" das classes populares nativas do país. É uma dialética calcada que levou à vitória do Brexit: temos de recuperar o controle do país contra forças externas incontroláveis. Não é de admirar que Breitbart considere o Brexit como uma derrota do globalismo. O braço armado do globalismo são os principais meios de comunicação, a mídia tradicional contra a qual Trump declarou guerra desde o início de sua campanha.
Hillary says things can't change. I say they have to change. It's a choice between Americanism and her corrupt globalism.
O discurso anti-globalista penetrou profundo entre milhões de americanos em todo o espectro político, exatamente como aconteceu na Europa. A noção de que a globalização tem gerado enormes lucros, mas estes não foram passados para baixo é o perfeito terreno fértil para uma mensagem como esta, que Bannon e seus afins se encarregaram de transmitir através de Breitbart antes de chegar à equipe de Trump. A caminho tem sido longo: a extrema direita americana começou referindo-se ao globalismo como um inimigo desde o fim da Guerra Fria.

A imigração como parte do problema econômico

Bannon não esconde sua opinião de que os imigrantes são parte do problema, e considera-os responsáveis para o declínio econômico dos trabalhadores americanos. Ele é considerado um dos cérebros por trás da proposta de construir um muro com o México, bem como as medidas econômicas a ser o país latino-americano que assuma o custo indiretamente se ele se recusar a fazê-lo diretamente (através de uma taxa adicional de 20% sobre as exportações mexicanas para os EUA, como bem como a limitação das remessas dos EUA para o México).
Nope
Embora Bannon negue ser racista, resulta improvável  pensar que medidas como a proibição de entrada indiscriminada de países muçulmanos responde a critérios puramente econômicos. Em várias ocasiões ele identificou o atual momento histórico com a situação contada no romance francês El Desembarco (Le Camp des Saints, em seu título original), em que centenas de milhares de refugiados indianos que entram na Europa e, eventualmente, destroem a civilização ocidental. É difícil, portanto, ignorar o componente racial na sua concepção da sociedade americana.
Não é verdade que o coração real do problema que temos de resolver aqui não é a imigração ilegal? Não temos um problema quando olhamos para o outro lado contra essa imigração legal que tem sobrecarregado o país? Quando você olha e 61 milhões, 20% do país são imigrantes.
Steve Bannon também traz um novo ângulo para o discurso anti-imigração: oposição à imigração legal e qualificada, uma posição que no Estados Unidos encontrou pouco apoio. Bannon está subjacente à proposta de Trump para limitar os vistos H1-B qualificados com tantos engenheiros e cientistas têm vindo a América do Norte. Isso já levou a fortes protestos de gigantes de tecnologia do Vale do Silício.
De acordo com Bannon, a desculpa de 'imigração qualificada' serviu para inundar os campus americanos de estudantes asiáticos dque epois de pegar os melhores empregos no país empurram a maior parte dos 'locais' à insegurança no emprego. O exagero não é apenas qualitativo, mas quantitativo: de fato, a percentagem de população dos Estados Unidos nascidos no estrangeiro está longe de 15%. Mas, apesar da oposição do Vale do Silício e repreensão judicial, a cruzada de Trump para conter a imigração, legal ou ilegal, vai em frente com base nos princípios do nacionalismo econômico.
O "plano do trilhão de dólares"
Eu sou o cara que vai lançar um plano de infra-estrutura de um trilhão de dólares. Com taxas de juros negativas, é a melhor oportunidade para reconstruir tudo. Estaleiros, siderúrgicas, reativemo-os todos. Vai ser tão emocionante como nos anos 30, maior do que a revolução Reagan - conservadores junto de populistas num movimento econômico nacionalista.
O estado de deterioração da infra-estrutura é um tema recorrente na política americana. Redes de terra, ar e transporte marítimo precisam ser melhoradas, mas o orçamento encolhe ao longo dos anos: a maior parte vem de impostos sobre os combustíveis, que permanecem fixos, enquanto o consumo diminui graças às melhorias de eficiência.
A ideia de lançar um grande plano de infraestrutura (injetando dinheiro na economia e criar empregos com resultados visíveis a curto prazo) não ocorre a Bannon. Na verdade, foi Hillary Clinton a primeira candidata a propor um investimento federal de 275 bilhões de dólares. O grande estrategista de Trump aumentou a aposta para 1 trilhão de dólares.
Route66
Esta enorme plano de estímulo econômico para melhorar e construir infra-estrutura é a medida econômica estrela de Bannon ao lado de protecionismo comercial e o controle da imigração. As (poucas) ideias apresentadas até agora focam exclusivamente na geração de empregos, independentemente de critérios técnicos ou de rentabilidade. Fora da figura reta para fora da manga, o plano tem problemas sérios.
Para começar, ele é contraditório com outra das propostas econômicas estrela de Trump: o corte de impostos. Reduzir a receita, aumentando os gastos necessariamente significa mais dívida e, assim, atrair mais investimento estrangeiro e fortalecer o dólar, que por sua vez iria aumentar o déficit comercial norte-americano (um dos grandes cavalos de batalha do protecionismo trumpiano).
Além disso, a desaceleração no comércio internacional associado com políticas protecionistas de Trump vai provavelmente fazer menor a demanda por ferrovias ou estaleiros que querem reviver Bannon. Seu plano seria uma ótima maneira de jogar dinheiro em infra-estrutura inútil, algo que na Espanha nós podemos dar algumas lições.
Até que ponto poderá realizar seus planos?
O fracasso do decreto anti-imigração inspirado por Bannon pode servir como uma pista. É possível que House of Cards seja ficção, mas o delicado equilíbrio de poder que reflete é real: nos Estados Unidos o presidente não pode 'ditar' a lei, mesmo com seu partido controlando ambas as casas, como acontece agora com os republicanos.
Barack Obama levou quase uma legislatura para aprovar seu plano principal, Obamacare, dadas as enormes implicações sociais e econômicas do mesmo. As grandiosas propostas investidoras de Bannon são tão impactantes ou mais, e sua aprovação pode levar anos, se isso ocorrer com todas. As medidas anti-imigração já começaram a ficar cara a cara contra julgamentos. E a Reserva Federal já anunciou aumentos nas taxas de juros, fazendo castelos de cartas construídos sobre um possível endividamento barato.
Parece que escrever teorias da conspiração em Breitbart e governar nos Estados Unidos são muito diferentes tarefas. Até agora, Bannon falhou em suas tentativas. No entanto, o nacionalismo econômico continua a ser a bússola de Donald Trump e seu governo.