"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

Da autonomia em política - Cornelius Castoriadis

A filosofia não é filosofia se não expressa um pensamento autônomo. Que significa autônomo? Isto é autônomo, "que se dá a si mesmo sua lei". Em Filosofia, está claro: dar-se a si mesmo sua lei, quer dizer estabelecer as questões e não aceitar autoridade alguma. Pelo menos a autoridade de seu próprio pensamento prévio.

O poder na era das redes sociais

A comunicação de masas é aquela que tem o potencial de chegar ao conjunto da sociedade e é caracterizada por uma mensagem que vai de um a muitos, com interatividade inexistente ou limitada. Autocomunicação de massas é aquela que vai de muitos para muitos, com interatividade, tempos e espaços variáveis, controláveis.

Hayek contra Keynes: o debate do século

As linhas divisórias que hoje cruzam pensamento econômico devem muito a este debate. Por exemplo, a análise do papel do Estado e da política na gestão econômica depende essencialmente desta polêmica.

O Califado contra o resto do mundo

Quem ganha e quem perde com o novo realinhamento geopolítico no Médio Oriente?

Colapso do petróleo e do sistema financeiro ameaça expropriar os fundos de pensão

Desde os resgates bancários de 2008 houve um debate produtivo sobre a necessidade de mudar o sistema e evitar os monstros bancários "grandes demais para falir", que tiveram que ser resgatados pelos governos.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

ABOLIRAM A GOVERNABILIDADE

Carlos Novaes, 25 de outubro de 2017

Resultado de imagem para Carlos Novaes

Faz poucos dias, escrevi aqui um post em que mais torcia do que analisava — só depois me dei conta desse erro. O lavar de mãos de Maia, desmentido até pelo pai dele, logo se mostrou uma jogadinha para aumentar o próprio cacife do presidente da Câmara junto ao golpista.
Temer acaba de, mais uma vez, derrotar a sociedade brasileira com apoio da Câmara Federal. Não houve qualquer chance de minhas esperanças serem recompensadas.
Temer seguirá refém dos que apoiaram sua permanência no cargo. Mas eles não devem ser chamados de “base governista”. Não há propriamente governo. Essa inédita solda entre Executivo e Legislativo se dá precisamente porque Temer abriu mão de governar. Quem acompanha este blog já leu posts em que analisei a fratura  que vejo entre o Executivo e o Legislativo no Brasil, e suas implicações para a chamada governabilidade. Essa contradição se dá porque o presidente da República (mesmo o menos apegado à ideia de realizar mudanças em benefício do povo) é empurrado pelos compromissos eleitorais e entra em choque com um parlamento comprometido com a desigualdade.
Como Temer não passou pelo voto, que é o vínculo do presidente com a sociedade; como Temer, por isso mesmo, não apenas se jacta de propor “reformas impopulares”, mas faz da propaganda delas uma cortina de fumaça para baixar medidas danosas ao país em matérias (mineração, proteção ambiental, trabalho escravo, perdão de dívidas empresariais etc) que sequer foram mencionadas no debate pífio das reformas; como Temer nada mais faz do que atender às demandas das maiorias facciosas que se formam no Congresso em torno desse ou daquele interesse; por tudo isso, ficou fácil “abolir” a fratura entre o Executivo e o Legislativo. A sociedade simplesmente não é levada em conta na hora de decidir como conduzir esse Estado de Direito Autoritário que, por isso mesmo, se encontra numa crise de legitimação. Ou seja:
  • diante da impossibilidade de governar com este Congresso
  • diante da necessidade e do compromisso de atender ao apetite dos congressistas profissionais sem contrariar os interesses dos grandões do mercado
  • aboliram a governabilidade e, assim, deram cabo da fratura entre Executivo e Legislativo
Gilmar Mendes, membro falante da facção hoje majoritária no jogo político-institucional brasileiro, enxerga na atuação da Câmara um sinal de “maturidade institucional” — é como se a manutenção do quadro atual fosse sinal de estabilidade; como se o papel das pessoas responsáveis fosse evitar fazer marola; como se as crises que estamos a viver pudessem ser superadas por este governo, por esta dinâmica institucional. Gilmar vê no atual conluio entre Temer e o Congresso o oportuno “parlamentarismo de ocasião” celebrado por Delfim Neto tempos atrás. Aliás, diante dessa verdadeira fusão entre o Executivo e o Legislativo, só inocentes ou mal intencionados podem deixar de ver o quão danosa seria a adoção do parlamentarismo entre nós.
Enfim, como dito quando da vitória de Temer na votação da primeira denúncia da PGR, tudo ficará, mesmo, para 2018, pois a última flecha de Janot deu n’água.

China vs. o consenso de Washington

por Adair Turner

Adair TurnerEm 2013, o presidente chinês Xi Xinping encorajou muitos economistas ocidentais comprometendo-se a um "papel decisivo" para o mercado dentro da economia chinesa. Quatro anos depois, as expectativas de reformas significativas orientadas para o mercado foram marcadas e a influência do Estado sobre a economia aumentou significativamente. No entanto, a economia chinesa continua a crescer rapidamente e provavelmente continuará a fazê-lo. Se houver, os pressupostos de longa data sobre o equilíbrio ideal do Estado e os mecanismos de mercado na condução do desenvolvimento econômico serão severamente desafiados.
A crise financeira de 2008 foi um choque para a fé em mercados financeiros totalmente gratuitos. Mas os pressupostos neoliberais subjacentes ao "Consenso de Washington" anteriormente dominante continuam a informar muitos comentários ocidentais sobre a economia chinesa. A maior liberalização do mercado financeiro, argumenta-se, seria melhor disciplinar a economia real e levar a uma alocação de capital mais eficiente. A liberalização da conta de capital evitaria o desperdício de investimento em projetos nacionais de baixa rentabilidade. E a redução do papel das empresas estatais dominantes (SOE) desencadearia inovação e dinamismo econômico.
Mas, como Joe Studwell, da China Economic Quarterly argumenta persuasivamente em seu livro How Asia Works, as histórias de sucesso originais do Leste asiático - Japão e Coréia do Sul - ficaram ricas ignorando a maior parte dessa receita política. Finanças foram mantidas em uma coleira apertada; o crédito foi orientado ou orientado para apoiar objetivos industriais específicos definidos pelo governo; e a indústria doméstica foi nutrida por proteção tarifária, ao mesmo tempo em que era obrigada a competir de forma agressiva pelos mercados estrangeiros.
A China está tentando seguir o caminho do Japão e da Coréia do Sul para a rápida recuperação econômica. Mas, de certa forma, enfrenta um desafio mais difícil, porque o seu tamanho torna essencial se afastar de um modelo de crescimento predominantemente orientado para a exportação em um estágio anterior de desenvolvimento. Para enfrentar esse desafio, procura usar uma combinação pragmática de incentivos de mercado e direção estatal.
O empreendedorismo do setor privado desempenha um papel vital. Grandes empresas, como a Tencent e a Alibaba, são incomparáveis ​​com um toque inovador. Os aplicativos chineses de compartilhamento de bicicletas agora estão sendo copiados em economias avançadas. E as empresas privadas desempenham papéis de liderança mundial em energia renovável e veículos elétricos. Em parte, a China é uma economia capitalista vibrante.
Mas o enorme investimento em infra-estrutura direcionado pelo Estado - em excelentes sistemas de metrô e trilhos de alta velocidade, por exemplo - cria uma plataforma poderosa para o crescimento econômico moderno em cidades em rápida expansão e bem conectadas. E através do programa "Made in China 2025", os líderes da China estão buscando usar objetivos definidos pelo Estado para impulsionar a indústria chinesa em direção a uma tecnologia superior e valor agregado.
Foram identificados setores de alta prioridade, como robótica, aeroespacial, veículos elétricos e equipamentos médicos avançados; Foram estabelecidas metas para o aumento das despesas em pesquisa e desenvolvimento; e as principais empresas estatais desempenharão um papel importante, ao lado de empresas privadas. Isso está longe das prescrições políticas do Consenso de Washington, mas não da combinação de políticas implementada pela Coréia do Sul durante seu período de crescimento econômico explosivo nas décadas de 1960 e 1970.
Após 2009, entretanto, o investimento mais elevado, financiado pelos bancos estaduais, desempenhou um papel macroeconômico vital, mantendo o crescimento em face da desaceleração econômica global. E a manutenção de um setor financeiro apenas parcialmente liberalizado, que canaliza a poupança para o investimento em taxas abaixo do mercado, facilitou a manutenção do alto investimento essencial ao crescimento rápido sustentado.
As vantagens deste mix de políticas certamente trazem riscos significativos. Se o papel das empresas públicas for ampliado muito longe, o setor privado será espremido e a iniciativa Made in China poderia facilmente resultar em investimentos mal direcionados.
Já, o investimento imobiliário com base no crédito, sem dúvida, resultou em uma sobreconstrução maciça em algumas cidades de segundo e terceiro níveis, com propriedades ocupadas como veículos especulativos em vez de atender a necessidades reais de habitação. O próprio fato de que o setor bancário está fortemente controlado promoveu um crescimento dramático nas atividades bancárias paralelas, criando complexos instrumentos e estruturas financeiras que rejeitam estranhamente aqueles que ajudaram a criar a crise de 2008. E o enorme aumento da alavancagem - a dívida não financeira cresceu de menos de 150% do PIB em 2008 para mais de 250% hoje - pode muito bem liderar, como o governador do Banco Popular Zhou Xiaochuan acabou de avisar , para um "momento Minsky" de Evaporando confiança e estresse financeiro severo.
Dado esses riscos, qualquer previsão de crescimento a longo prazo é incerta, e uma desaceleração significativa a curto prazo pode ocorrer. Na verdade, com o 19º Congresso Nacional chegando ao fim, as autoridades chinesas podem deliberadamente engendrar uma desaceleração como parte de uma estratégia para limitar o crescimento do alavancagem. Essa desaceleração teria um grande impacto depressivo na economia global.
Mas as ferramentas disponíveis para a China para gerenciar essa desaceleração dentro de uma "economia de mercado socialista híbrida", e assim manter um forte crescimento de médio prazo, não devem ser subestimadas. O próprio fato de que a maior parte das dívidas empresariais são detidas pelas empresas estatais aos bancos estatais, com apenas links limitados entre os sistemas bancários chinês e no exterior, facilitarão a implementação de um programa de reestruturação de dívidas incobráveis ​​sem provocar um auto-reforço crise. Do mesmo modo, como o perfil demográfico da China faz com que o mercado de trabalho se acumule de forma acentuada, o aumento rápido dos salários reais tornará mais fácil conseguir um forte crescimento na demanda doméstica sem a criação excessiva de crédito.
Portanto, seja qual for suas perspectivas de curto prazo, há uma boa chance de que a economia da China continue a crescer em direção aos níveis médio e então de alta renda, impulsionado por um modelo de desenvolvimento misto e baseado no estado. Se a China adotasse de forma mais abrangente as recomendações de políticas implícitas no Consenso de Washington nos últimos dez ou 20 anos, seu crescimento econômico teria sido consideravelmente mais lento. As teorias econômicas que sustentaram essas prescrições devem conter esse fato - e com o provável sucesso contínuo da China.

Adair Turner, ex-presidente da Autoridade de Serviços Financeiros do Reino Unido, é membro do Comitê de Política Financeira do Reino Unido e da Câmara dos Lordes. Ele também é presidente do INET.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

O Crescimento Econômico Já Não É Suficiente

por Manuel Muñiz 

Manuel MuñizOs dados macroeconômicos das economias avançadas do mundo podem ser mistificadores quando vistos isoladamente.Mas quando analisados ​​coletivamente, os dados revelam uma verdade preocupante: sem mudanças na forma como a riqueza é gerada e distribuída, as convulsões políticas que varreram o mundo nos últimos anos só se intensificarão.
Considere, por exemplo, salários e emprego. Nos Estados Unidos e em muitos países europeus, os salários médios estagnaram, apesar de a maioria das economias se ter recuperado da crise financeira de 2008 em termos de PIB e crescimento do emprego.
Além disso, os aumentos no emprego não levaram a uma desaceleração ou a uma reversão do declínio da participação salarial na renda nacional total. Pelo contrário, a maior parte da riqueza criada desde a crise de 2008 foi para os ricos. Isso pode explicar os baixos níveis de consumo que caracterizam as economias mais avançadas e o fracasso da política monetária extremamente negligente em produzir uma queda na inflação.
O emprego também parece estar funcionando de forma anômala. A criação de emprego, onde ocorreu, seguiu um caminho diferente do que a história sugere. Por exemplo, a maior parte do crescimento do emprego foi em ocupações de alta habilidade ou de baixa habilidade, afastando o meio. Muitas das pessoas que uma vez incluíam a classe média ocidental agora fazem parte das classes médias e baixas e vivem vidas economicamente mais precárias do que nunca.
O crescimento da produtividade também se tornou polarizado. De acordo com a OCDE, na última década, a produtividade nas "empresas fronteiriças" - definida como o principal 5% das empresas em termos de crescimento da produtividade - aumentou em mais de um terço, enquanto o resto do setor privado experimentou quase nenhum crescimento de produtividade em absoluto. Em outras palavras, um número menor de empresas fez maiores ganhos de eficiência, mas não houve relativamente nenhuma difusão desses benefícios para a economia em geral.
Não está claro por que essas tendências estão ocorrendo, embora o impacto de novas tecnologias e efeitos de rede relacionados certamente seja parte do motivo.
No nível macro, a produtividade agregada dos EUA aumentou mais de 250% desde o início da década de 1970, enquanto os salários por hora permaneceram estagnados. Isso significa que o crescimento da produtividade não só foi concentrado em um conjunto estreito de empresas, mas também que a produtividade e a renda do mercado se dissolvem. A conseqüência fundamental disso é que os salários não estão mais desempenhando o papel redistributivo central que desempenharam há décadas. Simplificando, os ganhos na produtividade de capital não estão sendo traduzidos em rendimentos médios mais altos, uma violação do contrato social sobre o qual as economias liberais descansam.
Deveria ser evidente agora que muitas das economias do mundo estão passando por alguma forma de mudança estrutural, e na sequência dessa mudança, o triângulo de distribuição de "emprego-produtividade-renda" foi desviado. Essa mudança de paradigma levou à erosão da classe média ocidental e ao surgimento do precariado, uma nova classe socioeconômica que compreende não só aqueles que não conseguem encontrar emprego, mas também aqueles que estão informalmente, casualmente ou de outra forma inseguros.
Agora temos evidências abundantes que ligam a percepção de insegurança econômica no Ocidente com sentimento anti-elite, radicalização política e ataques a minorias. É impossível explicar o recente surgimento da política populista sem considerar os efeitos dessas patologias econômicas em média dos trabalhadores nos EUA e na Europa.
Para entender por que os desvios das trajetórias econômicas esperadas ocorreram, é preciso não ter em vista o impacto da tecnologia nos empregos. As tecnologias avançadas, particularmente a computação avançada e a robótica, permitiram que ganhos de produtividade ocorressem sem um aumento correspondente nos salários. A maior riqueza gerada pela maior produtividade se destina aos proprietários dessas tecnologias.
A automação de empregos de rotina bastante sofisticados está direcionando a polarização do mercado de trabalho. O que resta são tarefas difíceis de automatizar que exigem pouca ou nenhuma habilidade, ou tarefas difíceis de automatizar que requerem habilidades muito altas. Os últimos empregos são muito menores em número do que os anteriores, e eles estão em empresas fronteiriças que estão aproveitando os efeitos da tecnologia para superar os concorrentes diretos e expandir para novos mercados.
Isso nos leva à questão central da nossa era: como os líderes podem abordar as externalidades produzidas por mudanças tecnológicas rápidas e assim garantir a sustentabilidade econômica e política? Dito de outra forma, como podemos construir um novo contrato social para a era digital?
Os remédios são mais difíceis de encontrar do que os diagnósticos. Não está claro, por exemplo, se a aplicação de tratamentos econômicos antigos revertem as tendências atuais. Empurrar "reformas estruturais" e projetar políticas macroeconômicas estreitas voltadas exclusivamente para aumentar a produtividade pode forçar os trabalhadores ocidentais a competir com a tecnologia em maior medida, exacerbando a precariedade. Talvez nossos arranjos econômicos atuais possam produzir crescimento apenas no nível agregado, enquanto diminuem o nível de vida da maioria das pessoas.
O debate sobre soluções acaba de começarReduzir a desigualdade econômica exigirá reformas da educação e da tributação, com a carga tributária deslocando decisivamente do trabalho para o capital. Os países ocidentais também precisarão criar novos mecanismos redistributivos para complementar o papel decrescente dos salários em suas economias.
Os dados constituem um caso irresistível para tais reformas. Se os líderes ocidentais devem conter e, em última análise, reprimir as convulsões políticas que seus países estão experimentando, não têm escolha senão responder criando modelos de crescimento novos e inclusivos.

Manuel Muñiz é decano da IE School of International Relations e Senior Associate do Belfer Center for Science and International Affairs, Universidade de Harvard.

Brasil necessita usar lei militar contra chefes de facções criminosas

Resultado de imagem para facções criminosasNós no Brasil vivemos de abstrações. Como disse Joaquim Nabuco há mais de um século, nossas leis são feitas para gerações futuras, baseadas em teorias gerais e não nos fatos da cotidianidade. Que medidas são tomadas diante da falência penal do país? Há anos todos sabemos que as saídas prisionais de feriados, por exemplo, não funcionam, sabemos que as facções criminosas tomaram conta dos presídios, tanto sabemos que volta e meia os criminosos se rebelam e causam terror em capitais e estados inteiros, como ocorreu mais de uma vez no RN nos últimos anos.

Vamos apostar na educação, assim os grandes traficantes se tornarão filósofos. Ora, facção criminosa atenta contra a autoridade do Estado, mesmo sendo ela inexistente. No Estado Militar implantado com o Golpe de 1964 passamos a ter uma ordem autoritária centralizada na União, utilizando-se do poder arbitrário das Forças Armadas, fratura imensa na República, ditaduras causam mal-estar em qualquer nação onde ocorrem, hoje quando passo diante das escolas e até de Universidades Federais, não vejo nunca a bandeira do Brasil, os desfiles cívicos de 7 de setembro "pegaram", talvez por possuírem algum carnaval, a bandeira só aparece em Copa do Mundo. A tirania militar era histérica como qualquer ditadura, praticava uma exaltação dos símbolos nacionais e se gabava exageradamente da grandeza nacional; resultado, a bandeira foi esquecida e o país virou motivo de piada.

Do autoritarismo mergulhamos na falta de autoridade, as escolas perderam a disciplina, a incapacidade administrativa dos governos estaduais e federal se uniram ao descrédito com os dirigentes e o poder do Estado virou motivo de chacota. As facções passaram a ter poder e disseminaram a criminalidade no território nacional aproveitando-se de uma gente jovem do sexo masculino sem nada na cabeça e nos deixaram paranoicos com medo de andar a pé ou ir a uma praça. Para resgatar a ordem sem ser pelo autoritarismo precisamos de lideranças políticas de capacidade intelectual e com honestidade, o Estado precisa utilizar os recursos de maneira  eficaz e com direcionamentos especificados, não adianta gastar o que não tem e fazer inúmeros serviços a meia boca.

O Estado precisa resolver o problema do tráfico, para isso necessita encerrar com a força das facções criminosas militarizando o assunto. Facção afronta a autoridade do Estado Nacional, não é necessário instituir a pena de morte civil, basta apenas tratar  de forma militar o facciosismo. Lideranças de facções criminosas, hoje, presas em caros presídios federais que são inúteis, traficantes pagam inúmeros advogados com dinheiro criminoso e controlam o crime desses recintos prisionais. Chefe de facção, pela ordem nacional, deve ser executado por lei militar, é uma questão real e essencial para o reerguimento da ordem nacional.

Luiz Rodrigues

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

O Círculo vicioso da desigualdade

por Sandro Scocco 

Sandro ScoccoDurante mais de uma década, organizações como o FMI, a OCDE, a OIT e mesmo o Fórum Econômico Mundial emitiram avisos severos de que a tendência global do aumento da desigualdade prejudicará o crescimento, a coesão social e a comunidade empresarial. Então, a Europa está fazendo alguma coisa a respeito? Não, e a verdadeira questão é: por que não?
Uma das razões é que não há consenso sobre como descrever o que realmente está acontecendo na Europa - ou em outros lugares. No New York Times, o economista JW Mason afirmou:
Nas segundas e quartas-feiras, os economistas argumentam que os salários são baixos porque os robôs estão levando os empregos das pessoas. Nas terças e quintas-feiras, é que não podemos aumentar os salários porque o crescimento da produtividade é baixo. Ambos não podem ser verdadeiros.
Sou economista de terça-feira e quinta sobre produtividade. O crescimento da produtividade perdeu a tração no mundo industrializado nos anos setenta e, com a crise financeira da produtividade de 2008 diminuiu ainda mais. Este não é apenas um caso de estatísticas ruins, que alguns economistas de segunda e quarta-feira argumentam.
O baixo crescimento da produtividade é, é claro, uma das razões pelas quais o desenvolvimento da renda se tornou decepcionante para um trabalhador médio, mas não o único. Outra é o aumento das disparidades salariais e a diminuição da participação na renda, uma vez que os salários não mantiveram o mesmo crescimento de produtividade. E, finalmente, a redistribuição pública foi significativamente reduzida através de cortes de impostos para as transferências sociais ricas e mais baixas para o resto. Todas essas tendências são, em vários graus, comuns à Europa e ao resto do mundo industrializado. O resultado é a famosa e deprimente curva do Elefante de Branco Milanovic.
Pode-se também fazer uma observação econométrica no globo ocular. Quando o crescimento da produtividade foi alto, entre 1945 e 1975, a desigualdade de renda diminuiu e, desde os anos oitenta, período de baixo crescimento da produtividade, a desigualdade aumentou. Isso é apenas uma coincidência ou há uma causalidade?

Reis E Nobres

Deixe-nos por razões pedagógicas considerar dois casos extremamente simplificados e estilizados, uma economia com zero e outra com crescimento de produtividade de cinco por cento.
O primeiro é uma descrição bastante boa do mundo medieval. Uma vez que a economia não cresce por qualquer outro meio do que o crescimento populacional, a única maneira de se tornar mais rico é redistribuir a renda, de fato, levando a terra do seu vizinho.
Isso, claro, também determinará quais os tipos de investimento que são lucrativos. Para agarrar a terra do seu vizinho, você precisa de apoio político (legitimidade) daqueles que controlam os direitos de propriedade (ou seja, o rei) e sua própria força militar. Uma vez que os exércitos maiores tendem a vencer os menores, e o mesmo se aplica aos subornos, o sistema favorece a concentração de poder e renda - o surgimento do rico e do poderoso nobre. O rei, no entanto, não dá proteção política; Ele também precisa de seus nobres amigos.
Em um mundo onde os investidores esperam crescimento de produtividade zero, o investimento em novas máquinas e conhecimento (capital real/humano) parece arriscado e não lucrativo, especialmente quando comparado com subornar o rei. Isso significa que qualquer crescimento futuro da produtividade também é improvável (mesmo que acontecesse por razões muito longas para explicar aqui). Esse é o círculo vicioso da desigualdade.
Por outro lado, em uma economia com crescimento de produtividade de cinco por cento, você pode mais que dobrar sua fortuna dentro de apenas quinze anos - sem roubar a terra do seu vizinho. A luta será sobre o novo crescimento da terra. O nome do jogo é agora novas máquinas e conhecimento (e não investimentos de busca de renda em política ou militar). O investimento baseado no conhecimento no trabalho aumenta o poder de barganha dos trabalhadores e, portanto, favorece a igualdade. O círculo virtuoso da igualdade.

Relações Medievais

Infelizmente, o círculo vicioso da desigualdade parece uma boa descrição do que está acontecendo agora. Desde a década de 70, o crescimento nas duas máquinas (investimentos reais) e no conhecimento (capital humano) caiuOs investimentos em política, por outro lado, aumentaram acentuadamente, com a campanha presidencial dos EUA o exemplo mais impressionanteAs preferências políticas dos novos patrocinadores da política por menos impostos e a redistribuição para cima também foram muito populares nas duas últimas décadas entre os políticos europeus. Após a década de 1990, as tendências da desigualdade foram principalmente impulsionadas pela redução da redistribuição pública e não pelas forças do mercado.
No período anterior, no entanto, entre meados da década de 1980 e 1990, o principal motor de desigualdade foi o mercado. Todos os economistas têm sua própria opinião sobre isso, se o culpado é tecnologia, comércio ou política, mas é bastante claro que a política tem desempenhado um papel na desigualdade orientada pelo mercado. A desregulamentação do mercado de trabalho, menores benefícios de desemprego, repressão sindical e maior desemprego enfraqueceram o poder de barganha salarial dos trabalhadores. Essas mudanças institucionais atingiram especialmente aqueles com tarefas de trabalho rotineiras e baixo poder de barganha individual. Isso não só aumentou as disparidades salariais, mas também em muitos países reduziu a participação salarial total.
Normalmente, isso é entendido como uma maior participação no capital. Mas um novo artigo da Universidade de Chicago por Simcha Birkai desafia essa percepção. Ele argumenta que a participação do capital caiu tanto quanto a do trabalho, já que o custo (taxa real) do capital caiu drasticamente nas últimas décadas. Ele argumenta que o que experimentamos é um fosso crescente entre os custos de produção (capital e mão de obra) e as receitas, o que implica aumento da majoração dos preços.

Influência Corporativa

A explicação de Barkai é que o poder do mercado empresarial é tão forte que eles podem influenciar os preços. Isso também explicaria por que muitas vezes vemos fusões de empresas dominantes do mercado, embora pareça não haver retorno à escala na produção. No entanto, há um ganho em maior influência sobre os preços.
O custo das fusões para grandes empresas deve, portanto, ser entendido como um investimento na busca de renda e não no crescimento da produtividade. O que eles estão comprando é poder para reduzir a concorrência no mercado e redistribuir de consumidores para gerentes e proprietários, os beneficiários do mark-up. O professor Luigi Zingales, da Universidade de Chicago, descreveu este "ser pro-business [como] basicamente sendo pro-S&P 500, protege grandes corporações e não promove crescimento e inovação".
Então, por que nada está acontecendo? Uma explicação poderia ser que todos os agentes - política, negócios e famílias - se adaptem a um ambiente de baixa produtividade e aumentaram seus investimentos em busca de renda ao mesmo tempo que cortaram aqueles em capital real e humano: o círculo vicioso da desigualdade.
Como voltamos para um círculo virtuoso? O medicamento não é tão difícil de receitar; restaurar o poder redistributivo das transferências fiscais, aumentar o poder de barganha salarial dos trabalhadores, aumentar os investimentos de capital real e humano para aumentar a produtividade e restaurar a livre concorrência nos mercados de produtos. Então, para combater a desigualdade, precisamos de muito mais pro-produtividade e muito menos pro-negócios. Mas quem será o agente capaz disso? Não é um grande negócio. Não o um por cento. Não governando políticos que precisam de amigos poderosos. Como Pink Floyd perguntou: "Há alguém lá fora?". Esperemos que haja porque nós precisamos muito de um Renascimento.

Sandro Scocco é economista-chefe do think-tank Arena Idé, com sede em Estocolmo e tem experiência como economista-chefe do instituto de pesquisa governamental ITPS. Ele também é um ex-diretor no Labour Market Board e serviu durante a década de 1990 como assessor de vários ministros social-democratas suecos.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Em meio à seca, vento move mais de 50% da energia no Nordeste


No dia 18 de outubro, até as 18h, a energia hidráulica respondia por 62,5% da geração do Brasil, as térmicas, por 24%, e eólicas, 9,6%, segundo dados do ONS, o Operador Nacional do Sistema Elétrico. O acumulado à mesma hora, no Nordeste, revelava uma surpresa: eram as eólicas as responsáveis por mais da metade da geração (51%) na região, seguidas pelas térmicas (32%) enquanto a energia hídrica aparecia com modestos 14%. Este perfil energético único no país, provocado pela forte seca que deprime os reservatórios pelo quinto ano consecutivo e pela forte entrada de projetos eólicos na região, chamou a atenção da direção da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), que observa que o Nordeste tornou-se um laboratório de introdução de energias renováveis na matriz brasileira.

“O Nordeste tornou-se um espelho do futuro do Brasil”, disse Luiz Augusto Barroso, presidente da EPE, durante o workshop “O Futuro do Setor Elétrico – segurança e flexibilidade nos contextos de Brasil e Alemanha”, no Rio.

O desenvolvimento clássico do setor, baseado em projetos de envergadura, como os 11 mil MW da usina de Belomonte, “deixam o sistema pouco robusto a atrasos”. Projetos de energias renováveis por seu lado, com algumas centenas de MW, comprometem menos o sistema e são mais acessíveis a investidores. “O futuro é renovável e temos que permitir que a regulamentação não seja obstáculo para que isso ocorra. É um salto grande de onde estamos para onde queremos chegar”, prosseguiu Barroso.

Nos últimos anos, a escassez hídrica contribuiu para modelar o perfil energético do Nordeste. “Um sistema como o nosso está adequado aos desafios do futuro?”, questionou Marcelo Prais, assessor da diretoria geral do ONS. Há grande potencial solar nas proximidades da usina de Sobradinho, na bacia do rio São Francisco, por exemplo. Da produção eólica no Nordeste, 70% está na costa, com ventos constantes, e 30% ao sul, com ventos em rajadas.

É por isso que, no Nordeste, adiantou Barroso ao Valor, estão em curso estudos sobre os impactos da mudança climática e da vazão dos rios, em cooperação com o ONS, a Agência Nacional de Águas (ANA) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Um esforço também é aprender com a experiência de países que estão na dianteira da descarbonização, como Alemanha, Espanha, Itália e Dinamarca. “Temos ainda muitos desafios na Alemanha. Podemos estar um passo adiante em algumas questões, mas ainda não temos todas as respostas”, disse Markus Steigenberger, vice-presidente da Agora Energiewende, “think tank” alemão que atua na transição energética do país.

“Se se olhar o mapa da irradiação solar na Alemanha, dá vontade de chorar. Em novembro não há Sol nem venta muito”, seguiu Steigenberger, para quem a concepção de que energia solar e eólica são intermitentes e instáveis é conceito antigo. “Acontece uma mudança de mentalidade, mesmo na Alemanha. Se antes o operador tinha que interferir no sistema apenas uma vez ao dia, hoje tem que interferir três. Mas não há problema. Aprendeu-se como fazer isso.”

Um dos pontos em debate agora na Alemanha é o fato de o país continuar dependente de carvão. O país da “Energiewende” eliminará o nuclear e impulsiona as renováveis, mas não conseguirá cumprir a meta climática de reduzir emissões em 40% até 2020, em relação a 1990. O sistema alemão é baseado no preço das diferentes fontes de energia. Por isso, o carvão, mais barato e poluente, tem prioridade sobre o gás

O mercado europeu de crédito de carbono está com preços muitos baixos (EUR 5 por tonelada de CO2) e falha na regulação, diz o especialista. O Reino Unido estabeleceu preço mínimo para o carbono (cerca de EUR 30 a tonelada de CO2) e consegue reverter a tendência. A França propõe algo similar. Mas na Alemanha, o lobby da indústria e dos sindicatos de trabalhadores do setor de carvão resiste a mudanças.

No Brasil, a mudança climática tem outros agravantes. Um deles é a quantidade de água para resfriar termelétricas em instalação, disse André Ferreira, do Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema). Uma usina pode consumir tanta água quanto uma cidade de 100 mil habitantes. “O futuro é de baixo carbono e a questão é como vamos chegar lá”, disse Ana Toni, diretora do Instituto Clima e Sociedade (iCS).


Fonte: Cerne

Um Estado liberal pode patrocinar a arte?1

Ronald Dworkin 

Resultado de imagemMeu tópico neste ensaio são a arte e as humanidades e em que medida o poder público deve patrociná-las para torná-las excelentes e fecundas. As pessoas têm discutido esse tema interminavelmente, e a discussão sempre tem início com a oposição de dois métodos de estudo: a abordagem econômica e a sublime. 

A abordagem econômica -uso uma definição um tanto generosa -toma como premissa o fato de que uma comunidade deve ter o caráter e a qualidade de arte que deseja comprar ao preço necessário para obtê-la. A abordagem sublime, por outro lado, volta as costas ao que as pessoas pensam que querem; em vez disso, concentra~se no que é bom que as pessoas tenham. Insiste em que a arte e a cultura devem alcançar certo grau de refinamento, riqueza e excelência para que a natureza humana floresça, e que o Estado deve prover essa excelência se as pessoas não o fazem ou não têm como fazê-lo. 

Essas duas abordagens, além de diferentes, são geralmente tidas como opostas, pois parece, à primeira vista, que a abordagem econômica não patrocinaria as artes ou patrocinaria muito pouco. O argumento é desenvolvido desta maneira. O mercado é o instrumento mais eficiente para decidir que tipo de cultura as pessoas querem pelo preço necessário. As pessoas contemplariam Aristóteles contemplando Homero se tivessem de pagar o custo integral dessa oportunidade, inclusive sua parcela no custo de manter um museu, comprar esse quadro de seus proprietários estrangeiros, colocá-lo no seguro e guardá-lo, e pagar os impostos relativos à propriedade na qual se encontra o museu? Há apenas uma forma de descobrir isso. Que o museu cobre um preço de entrada que reflita todos esses custos; veremos então se o museu estava certo ao pensar que era isso que um número suficiente de pessoas tanto queria. Se a arte for deixada a cargo do mercado dessa maneira - e o mesmo se aplica às universidades que oferecem cursos de humanidades-, então o público terá a arte que realmente quer pelo preço que está disposto a pagar. Mas se entra aí o patrocínio público se o tesouro público subsidia parte do custo real do espaço diante de um Rembrandt, de modo que o preço das entradas não reflita seu custo real -, isso significa que o público como um todo está gastando mais em arte do que deseja gastar, às custas de qualquer outra coisa que os recursos, de outra maneira, teriam fornecido. Assim, a abordagem econômica parece excluir, quase por definição, o subsídio público. 

A abordagem sublime parece um caminho muito mais promissor se começamos, como fazem muitos de nós, por tentar encontrar alguma justificativa para um nível generoso de apoio estatal. Devemos decidir quanto gastar coletivamente em arte perguntando quanto é necessário para tornar nossa cultura excelente. A abordagem econômica, ao contrário, parece muito mundana, quase filistéia. 

Contudo, antes de adotar a abordagem sublime, devemos fazer uma pausa para observar seus defeitos. Primeiro, a experiência ensina que os que se beneficiariam mais com os subsídios para universidades, museus e outras instituições culturais são, em geral, pessoas que já estão em boa situação porque foram ensinadas a usar e usufruir a arte. Parece injusto prover, sob o pretexto de algum ideal de florescimento humano, mais benefícios especiais para os que já prosperaram mais do que a maioria. Não seria melhor transferir fundos de museus ricos para clínicas pobres e subsidiar a assistência médica? Segundo, a abordagem sublime parece arrogantemente paternalista.  

 O liberalismo ortodoxo sustenta que nenhum governo deve apoiar-se, para justificar o uso de fundos públicos, na suposição de que certas maneiras de conduzir a própria vida são mais dignas que outras, de que vale mais a pena contemplar um Ticiano na parede que assistir a um jogo de futebol na televisão. Talvez valha mais a pena contemplar Ticiano; mas não é esse o ponto essencial. Há mais pessoas que discordam dessa opinião do que pessoas que concordam com ela; portanto, deve ser errado que o Estado, que se diz democrático, use seu monopólio de tributação e poder policial para impor julgamentos aceitos apenas por uma minoria. 

Essas dificuldades da abordagem sublime levam-nos de volta à abordagem econômica, desta vez para estudá-la com mais indulgência e cuidado. Talvez, no fim das contas, ela possa fornecer algum apoio ao patrocínio estatal das artes. Sugeri que a abordagem econômica deve rejeitar o subsídio porque apenas um mercado não contaminado pelo subsídio pode descobrir as verdadeiras preferências do público sobre como seus recursos devem ser gastos. Mas isso foi uma simplificação: as ligações entre os preços de mercado e as verdadeiras preferências das pessoas nem sempre são tão firmes. O que alguém está disposto apagar, e pode pagar, por algo depende de quanto tem para gastar no todo. Se a riqueza é distribuída muito desigualmente numa comunidade, o fato de que um homem rico compre caviar enquanto um homem pobre fique sem pão não quer dizer que a comunidade como um todo valorize mais o caviar que o pão. Por essa razão, os preços de mercado e as transações não serão sempre uma medida justa do que a comunidade como um todo realmente quer. 

Apresento isto apenas como uma ressalva razoavelmente clara de minha afirmação original a respeito do mercado; infelizmente, não oferece nenhuma ajuda no uso da abordagem econômica para justificar o subsídio às artes. Só pode fornecer um argumento a favor do subsídio - do pão, por exemplo - se os que carecem do que é subsidiado são relativamente pobres. Mas isso não é verdadeiro ( ou assim parece) para aqueles que só poderiam pagar para ir à ópera se a ópera fosse subsidiada, mas que poderiam pagar e iriam se ela fosse. Eles pertencem, na maioria, às classes médias; na verdade, essa foi a base das minhas objeções iniciais à abordagem sublime. 

Existe, porém, outra ressalva bem conhecida na afirmação de que o mercado permite uma avaliação justa daquilo que a comunidade quer em contraposição com que ela tem para gastar. isso é muito mais promissor porque poderia apoiar o arrumem de que as artes e case humanidades, bem compreendidas, são o que os economistas chamam de "bens públicos" e, por essa ação, devem ser apoiadas com o tesouro público mais do que com recursos privados. 

Os bens públicos são aqueles cuja produção não pode ser deixada com eficiência a cargo do mercado, pois é impossível (ou muito difícil ou caro) impedir os que não pagam de receber o benefício e assim o usufruiu gratuitamente. as pessoas não têm nenhum incentivo para pagar pelo receberão de qualquer jeito se os outros comprarem. A defesa militar a um exemplo comum e último. Se acho que meus vizinhos vão comprar um exército grande o suficiente para repelir uma invasão, não tenho nenhum incentivo para pagar minha parte, porque eles não podem me excluir do benefício que compraram. Não há nenhuma maneira de o exército protegê-los serem proteger. Os benefícios do meu o ambiente são outro exemplo. Se meus vizinhos gasta o suficiente para purificar o ar que respiram, também purificarão o ar que respiro; não podem me excluir desse benefício porque não paguei minha parcela. Assim, embora pudesse estar ansioso para pagar a minha cota justa do custo de um exército o de ar puro, se fosse necessário que a pagasse para ter esses benefícios, ainda assim tem um forte motivo para não pagar a quota na expectativa de que os outros adquiram o exército ou purifiquem o ar. Mas, com todos os outros terão mesmo motivo, há um perigo real de que, coletivamente, não gaste menos a soma que estaríamos dispostos a gastar se cada um de nós pensasse que isso era necessário; assim, acabaremos por não gastar o que queremos gastar coletivamente. 

Nessas circunstâncias, segundo a teoria econômica ortodoxa, o melhor remédio é que o estado calcule o que o público estaria disposto a gastar, se necessário, e despender essa mesma soma, arrecadadas a partir de impostos que o público, por lei, é obrigado a pagar. Note que a abordagem sublime não desempenha nenhum papel nesse tipo de argumento a favor do patrocínio estatal. Não há nenhuma suposição de que as pessoas devem de segurança militar ou ar limpo, querendo ou não, mas apenas a suposição, muito diferente, e que elas realmente os querem, pelo preço necessário, de modo que a intervenção estatal é meramente uma solução tática para um problema técnico. 

Tal análise supõe que as autoridades públicas podem saber ou, pelo menos, ter uma opinião razoável sobre quanto as pessoas gastariam coletivamente se isso fosse necessário. Os economistas quebraram a cabeça um bocado não apenas indagando como o estado poderia obter essa informação, mas também fazendo a pergunta mais fundamental, do que significa dizer o, a respeito de alguém, que ele pagaria um determinado preço por algo em circunstâncias que, na verdade, nunca ocorrem. Apresentaram várias teorias sobre o que isso significa e como o estado pode ter alguma idéia do que é esse preço hipotético. Todas essas teorias são complexas, e muitas são engenhosas. Mas o importante no caso é que a utilidade da abordagem é centrado nos bens públicos depende da disponibilidade de um dispositivo razoavelmente plausível para decidir o que o público realmente quer pagar por seja o que for que o mercado, por razões técnicas, não pode oferecer. 

Certas experiências culturais, como a oportunidade de ouvir certa execução de uma ópera específica, não são bens públicos por que é fácil excluir os que não vão pagar. Mas o problema dos bens públicos pode surgir de forma parcial ou mista, quando transações privadas têm como efeito excedentes que outros valorizaram e dos quais não podem ser excluídos. Considere a vacinação. Se alguém paga o preço necessário para ser vacinado, assegura um tipo especial de proteção da qual são excluídos os que não pagam; nas, se que um número suficiente de pessoas foram vacinadas, mesmo tais que não o foram irão beneficiar-se um pouco, pois o risco de doença será reduzido para elas. Esse problema de "caroneiros" também pode produzir o resultado perverso de que a sociedade, se a produção for deixada ao mercado, não terá o que quer pelo preço que estaria disposta a pagar. Um número suficiente de pessoas pode decidir não comprar a vacina, na esperança de ter, de qualquer maneira, o benefício, de modo que a proteção geral cai em a baixa do nível que a comunidade como um todo realmente quer. mais uma vez, a provisão de vacinas pelo estado, de uma forma ou de outra, em vez de deixar a vacinação a cargo do mercado, seria justificada com esse fundamento, inteiramente compatível com abordagem econômica. 

Talvez a arte deva ser considerada, pelo menos, como um bem público misto, com uma vacinação, e com base nisso talvez justifique algum subsídio estatal. Essa sugestão suponho que, quando alguém compra arte e cultura-comprando livros, visitando museus gratuitos ou estudando de universidades-, outras pessoas, que não tomam parte nessas transações, se beneficiam de maneira significativa. É evidentemente, essa suposição é justificada até certo ponto, mas o poder da sugestão depende do caráter e da importância do benefício "por tabela". Como transações na cultura beneficiam os que não participam delas? Um volume considerável de literatura econômica foi dedicado a essa questão. A maior parte dela considera uma espécie de benefício " por tabela " que poderíamos chamar de "extrínseco", porque não tem o mesmo caráter estético ou intelectual que os benefícios que recebe os que participam das transações. Por exemplo, nova-iorquinos que nunca usam o museu metropolitano podem beneficiar-se financeiramente em quando turistas vão à cidade para visitar o museu-e permanecem para gastar dinheiro em outros lugares. Esses nova-iorquinos podem beneficiar-se de outra maneira: pelo orgulho que podem sentir porque a cultura de sua comunidade é célebre e renomada. 

Minha opinião, porém, é que a soma desse tipo de benefícios extrínsecos, ainda que generosamente definidos, não seria elevada suficiente para justificar nenhum nível substancial de apoio público apenas por essa razão. Penso também que qualquer tentativa de justificar a arte como um bem público recorrendo a esse tipo extrínseco de benefício subestima a sugestão de que arte é um bem público. A reação inicial dessa sugestão, creio, encontra-se em nossa noção de que a arte traz uma contribuição para a comunidade como um todo, e não apenas para os que participam de transações comerciais para a usufruir a-uma contribuição que não é extrínseca à experiência estética e intelectual, mas que, pelo contrário, tem exatamente esse caráter. 

A idéia aqui me refiro-de que a arte e a cultura trazem benefícios intrínsecos para o público como um todo-apóia-se numa conhecida e sólida suposição: de que a cultura é uma trama e inconsútil o, que a alta cultura e a cultura popular ou geral não são distintas, mas influenciam sem reciprocamente. Quando digo cultura geral não refiro apenas a romances, peças e música populares, embora pretenda inclui-los. Refiro-me também a todo o âmbito de elocução, tropo e estilo disponíveis numa comunidade, tal como exibidos em todos os aspectos da comunicação, da reportagem e difusão televisiva de eventos públicos e atléticos a campanhas de publicidade. Refirome, em resumo, ao ambiente intelectual geral em que todos vivemos. 

A influência da alta cultura sobre a cultura geral ou popular é recíproca, mas devemos nos concentrar na influência que a primeira é exerce sobre a segunda e notar as várias dimensões dessa influência. Alta cultura confere forma à cultura popular: a comédia musical e os policiais da televisão e exploram gêneros que foram desenvolvidos primeiramente na ópera e no romance. Ela oferece referência à cultura popular: o vocabulário de nossa comunidade está saturado de referências específicas a Édipo, Hamlet, Carmem. (um produto para encaracolados o cabelo chamado " Carmem ", por exemplo, é decorada com uma rosa I é exibido em reclame na televisão ao som da Canção do Toureiro). Como complemento, a alta cultura oferece ressonância à cultura geral. Referências específicas, como essa a Carmem, fornecem não apenas um conjunto inconveniente de idéias facilmente e invocadas, mas um conjunto de idéias valioso e exatamente por ser identificado e como pertencente à alta cultura e, portanto, como dotado de um valor estético distinto. 

Tudo isso pode ser resumido na conhecida expressão "repercussão". Parece um ponto de partida encorajador para um debate cujo fim pode ser a justificação do patrocínio estatal para alta cultura. Como alta cultura, assim como a vacinação, oferece benefícios que repercutem no público em geral, a maior parte do qual não participa das transações comerciais específicas que financiam, o patrocínio estatal é necessário para impedir que a comunidade e tem a menos do que realmente quer da alta cultura por causa do problema dos “caroneiros”. Infelizmente, há graves falhas nesse argumento, que, tomadas em conjunto, são fatais a ele nessa forma original. 

A primeira é o problema do descompasso no tempo. Nos exemplos padrão de bens públicos, como a puro e a defesa militar, as pessoas que pagam por esses bens por meio de impostos, seu estado os oferece, são, na maioria, as próprias pessoas que se beneficiarão deles. Por outro lado, seu estado patrocina alta cultura para assegurar benefícios que repercutem o na cultura intelectual geral da comunidade como um todo, não podemos ter certeza de que os que arcarão com o custo irão usufruir o benefício, porém se o efeito pode demorar tanto que os principais beneficiários e pertencerão a uma geração diferente de contribuintes. Essa objeção, por si, e não é necessariamente decisiva contra nosso argumento. Pode-se retrucar usando-se o argumento do bem público para apoiar não uma contribuição única do estado à arte, paga pelos que não recebem o benefício principal, mas um programa contínuo de contribuição, de modo que se possa dizer que cada geração paga pelos benefícios da próxima em que cada uma irá dar e receber. 

O segundo problema, porém, liga-se ao primeiro. É o problema da indeterminação. As autoridades públicas e podem prevê, talvez com alguma certezas, como algum nível de gasto público na defesa militar e irá melhorar a segurança e, assim, dar ao público o que ele quer coletivamente e, como algum dispositivo a o programa específico para combater a poluição irá afetar a qualidade do ar que as pessoas respiram. contudo, apesar de sabermos que a decisão de ter mais produções de ópera, coleção os maiores de pinturas renascentistas o cursos universitários avançados da literatura clássica afetará o clima intelectual geral de uma geração depois, não temos nenhuma maneira de prever, mesmo aproximadamente, quais gêneros, tropos ou referências contribuíram para esse clima. É da natureza da transferência da alta cultura para cultura geral que tais efeitos dependam de julgamentos, reações de desenvolvimentos que seriam desprovidos de valor se pudessem ser previstos, já que seriam mecânicos. Esse fato enfraquece de maneira fundamental de um argumento original do bem público a favor do patrocínio estatal das artes. Se não podemos prever que impacto um programa público terá sobre a vida das pessoas no futuro, com podemos justificar esse programa dizendo que ele lhes dá o que realmente querem? 

A terceira dificuldade é ainda mais fundamental. Qualquer argumento baseado no bem público exige certo grau de informação sobre aquilo pelo qual o público estaria disposto a pagar para assegurar o beneficio em questão. Nos exemplos convencionais - a defesa militar e o ar puro -, os economistas têm dificuldade para elaborar técnicas que identifiquem essa soma, uma vez que o mercado seja descartado como impreciso. Mas são encorajados a procurar por essas técnicas porque supõem, com razão, que a comunidade como um todo realmente quer segurança militar e ar puro por algum preço substancial. A dificuldade é de exatidão e sutileza. A suposição correspondente, necessária a um argumento baseado no bem público a favor da arte -de que a comunidade quer uma cultura popular ou geral de certo tipo -, não é apenas problemática; pode muito bem ser incoerente. 

A cultura intelectual de uma comunidade exerce uma influência tão profunda sobre as preferências e valores de seus membros que a questão de se, e até que ponto eles prefeririam uma cultura diferente da que têm toma-se extremamente complexa. Posso explicar o porquê começando com um exemplo exagerado e improvável. Imagine alguma tragédia cultural em que tipos inteiros de experiência estética conhecidos por nós desaparecessem completamente: ninguém sabe, por exemplo, combinar música e teatro no que chamamos de ópera. Não poderíamos dizer que as pessoas que vivem nesse estado culturalmente empobrecido se importariam com isso. Não poderiam, afinal, sentir falta da ópera nem lamentar por não a terem. Parte de sua situação, um aspecto de sua cultura empobrecida, seria o fato de que não teriam capacidade de sentir falta nem lamentar. Que sentido faz, então, dizer que se não preservarmos a ópera estaremos negando algo que elas querem? 

Certamente desejaríamos dizer que estão perdendo algo, que sua vida, comparada com a nossa, é pobre. Mas isso é muito diferente. Esse não é o julgamento deles a respeito de suas vidas, que é o que exigem a abordagem econômica em geral e o argumento baseado nos bens públicos em particular, mas antes o nosso julgamento a respeito de suas vidas. Poderíamos dizer: se eles soubessem o que estão perdendo, sentiriam falta - o que é verdadeiro, mas inútil. Alguém diria: de qualquer modo, eles desejariam prazer, e teriam mais prazer se tivessem ópera. Mas isso não serve. Coloque de lado a questão espinhosa de saber se é sempre (ou alguma vez) correto dizer que as pessoas querem prazer. Coloque de lado a questão de se podemos medir o prazer da maneira que supõe essa sugestão. Como podemos dizer que as pessoas cuja cultura se desenvolveu sem ópera, sendo portanto diferente da nossa eItI. inúmeros outros aspectos, derivariam menos prazer daquilo que sua cultura realmente oferece do que derivamos da nossa? Nós, ou alguns de nós, que conhecemos a ópera, tiramos prazer dela e ficaríamos mortificados se, de repente, descobríssemos que não está disponível. Mas isso é porque a estrutura de nossa cultura tem essa conseqüência para pessoas plenamente imersas nela e não podemos extrair nenhuma conclusão acerca dos estados hedônicos de pessoas cuja cultura é inteiramente diferente. O gosto por ópera é diferente de alguma matéria-prima -como o petróleo -de que as gerações futuras poderiam ter de se abster. Se supomos que seus desejos assemelham-se muito aos nossos - querem aquecimento, luz e transporte -, podemos dizer que não ter petróleo dá-lhes menos do que querem, mesmo que nunca tenham escutado falar de petróleo. Mas não podemos fazer uma suposição semelhante sobre pessoas cuja cultura é diferente da nossa: não podemos dizer que seus desejos são parecidos com os nossos, pois os desejos agora em questão são produtos e partes inseparáveis da cultura que supomos que elas não têm. 

Tampouco ajuda abandonar a especulação sobre gerações futuras e simplesmente perguntar se nós mesmos estaríamos dispostos coletivamente a pagar algum preço específico para conservar certa parcela valiosa de nossa cultura. Isso porque, de qualquer maneira, surge praticamente o mesmo problema. Suponha que perguntemos, por exemplo, se nossa comunidade preferiria ter a presente riqueza e diversidade de sua cultura geral ou mais e melhores parques públicos. Não temos nenhuma maneira de abordar essa questão com inteligência. O valor que os parques públicos têm .para nós e as maneiras como encontramos valor neles dependem em grande parte de nossa cultura. Os parques teriam valor e significado muito diferentes para nós sé não tivéssemos nenhuma tradição cultural de paisagem romântica, por exemplo, uma tradição que começou na alta cultura, embora hoje se encontre amplamente na cultura geral, inclusive na publicidade. Portanto, a escolha que se acaba de oferecer é espúria: estaríamos assumindo nossa presente cultura ao valorizar algo que só podemos ter, por hipótese, renunciando a essa cultura. Como nosso ambiente cultural oferece as lentes pelas quais identificamos as experiências como valiosas, ele não pode ser sensatamente colocado na balança como uma das experiências que identifica, para ser pesado em comparação com outras e ser julgado mais ou menos valioso que elas. 

Esses são exemplos extremos, mas a observação também é válida quando os aspectos ou características de nossa cultura supostamente valorizados são menos abrangentes, mais uma questão de tom ou grau. Imagine que a ópera não desapareça inteiramente, sem deixar traços, mas perca sua penetração, excelência e seriedade geral, deixando de ser encenada bem ou com grandiosidade, não sendo mais considerada uma arte mais elevada, digna de enormes sacrifícios para ser aperfeiçoada, em resumo, não sendo mais levada tão a sério. Isso seria, simultaneamente, uma mudança na qualidade de uma arte e também uma mudança no grau em que as pessoas querem qualidade nessa arte, e não seriam mudanças separadas e distintas. 

Não podemos mais, só porque o que está em jogo não é tão valioso, separar o que está sendo valorizado do aparelho social e pessoal usado para valorizá-lo. Esse é o golpe final nos esforços de construir um argumento baseado no bem público sobre os efeitos de repercussão da alta cultura. Esse argumento não pode funcionar sem alguma forma de identificar, ou pelo menos formular, juízos razoáveis a respeito, o que as pessoas - no presente ou no futuro -querem à guisa de cultura, e a cultura é muito fundamental, muito básica para nossos esquemas de valor, para tornar inteligíveis questões desse tipo. Nosso problema não é de descoberta, mas de percepção. 

Este ensaio começou com a conhecida história da oposição entre a abordagem econômica e a abordagem sublime como maneiras alternativas de indagar a respeito do patrocínio público das artes. Disse que a abordagem econômica, à primeira vista, parecia argumentar contra o patrocínio público, mas procurei considerar se, examinada mais detidamente, a abordagem econômica poderia favorecê-la. A esperança foi alimentada por uma aparente analogia entre os benefícios públicos de transações privadas na arte e' exemplos conhecidos de bens públicos, como a defesa militar e campanhas por ar puro. A analogia falhou, mas não de maneira a repor a abordagem econômica como oposta ao E 7 patrocínio público. Pelo contrário, todas as dificuldades na afirmação de que a economia favorece o patrocínio público são, igualmente, dificuldades na afirmação oposta, com a qual começamos, de que a economia não o vê com bons olhos. As dificuldades são simétricas para a afirmação positiva e a negativa. Nada do que disse sobre os três problemas, o descompasso no tempo, a indeterminação e a incoerência, indica que o público não quer o que receberia por meio do patrocínio público. Ou que o mercado, incontaminado por algum subsídio, possibilita a melhor avaliação do que o público realmente quer por determinado preço. Minha argumentação, se bem fundada, justifica uma conclusão muito mais radical e interessante, que é a de que a abordagem econômica simplesmente não é viável, em nenhum sentido, c~o teste para determinar se a arte deve ser patrocinada publicamente ou em .que nível. A questão do patrocínio público encontra-se abaixo ou além dos tipos de gostos, preferências e valores que podem ser sensatamente exibidos numa análise econômica. 

Onde estamos, então? Começamos com duas abordagens, a econômica e a sublime; a primeira agora é considerada inviável e, assim, presume-se que nos resta a segunda. Meu raciocínio, porém, particularmente no que diz respeito à indeterminação da previsão, parece negar também a utilidade da abordagem sublime. Assim que reconhecemos que o impacto principal de qualquer programa de auxílio à alta cultura será, para a maioria das pessoas e a longo prazo, o seu impacto na cultura geral, e também que é praticamente impossível prever os detalhes desse impacto, a afirmação de que devemos auxiliar a cultura a melhorara vida das pessoas é um tiro no escuro, um artigo de fé. De repente, parece que não temos absolutamente nenhum argumento, em nenhum sentido, e que é hora de reavaliar. É hora de notar uma distinção que até agora deixei latente: a distinção entre duas conseqüências que nossa cultura tem para nós. Ela oferece pinturas, representações, romances, projetos, esportes e filmes policiais que valorizamos e que nos dão prazer, mas também oferece a moldura estrutural que torna possíveis valores estéticos desse tipo, que os toma valores para nós. Podemos usar essa distinção para definir uma abordagem do problema do patrocínio público das artes que não é econômica e, no entanto, é diferente das versões menos atraentes da abordagem sublime. 

Minha sugestão é esta. Deveríamos identificar os aspectos estruturais de nossa cultura geral como sendo, eles mesmos, dignos de atenção. Deveríamos tentar definir uma estrutura cultural rica, que multiplique possibilidades ou oportunidades de valor distintas e considerar-nos curadores, para proteger a riqueza de nossa cultura para os que viverão suas vidas nela depois de nós. Não podemos dizer que, ao fazê-lo, iremos lhes propiciar mais prazer ou um mundo que preferirão a outros possíveis que poderíamos criar de outra maneira. Essa é a linguagem da abordagem econômica e não é viável no caso. Podemos, porém, insistir -como podemos negar isso? -que é melhor para as pessoas ter complexidade e profundidade nas formas de vida abertas a elas e, então, fazer uma pausa para perceber se, ao agirmos de acordo com esse princípio, estamos abertos a qualquer objeção de elitismo ou paternalismo. 

Permita-me concentrar-me na estrutura da cultura, nas possibilidades que permite, não em obras ou ocasiões de arte específicas. O centro da estrutura cultural de uma comunidade é sua linguagem compartilhada. Uma linguagem não é um bem privado nem um bem público tal como são tecnicamente definidos; é inerentemente social, como estes não são, e, no todo, gera nossas formas de valorizar e, portanto, não é, ela própria, um objeto de valorização. Mas a linguagem tem similaridades formais com o que chamo de bem público misto. Alguém pode excluir outros, por meios relativamente baratos, daquilo que escreve ou diz em qualquer ocasião específica. As pessoas não podem, porém, ser excluídas da linguagem como um todo; seria, no mínimo, perverso fazê-lo, pois, do ponto de vista dos que usam uma língua, é melhor ter caroneiros do que nenhum passageiro. E as transações privadas na língua -as ocasiões de discurso privado ou controlado -determinam coletivamente o que é a linguagem compartilhada. Os livros que escrevo e leio, a educação que oferecemos e recebemos, os milhões de outras transações que conduzimos diariamente na linguagem, muitas delas comerciais, tudo isso, a longo prazo, determina nossa linguagem. Somos todos beneficiários ou vítimas do que é feito da linguagem que compartilhamos. 

Uma linguagem pode se empobrecer; algumas são mais ricas e melhores que outras. Não faz sentido dizer que as pessoas das gerações futuras iriam preferir não ter sua linguagem empobrecida de alguma maneira particular, por perder alguma oportunidade estrutural específica. Elas careceriam do vocabulário no qual expressar - isto é, ter - esse pesar. Tampouco faz muito sentido dizer que prefeririam ter uma linguagem mais rica em oportunidades do que têm no momento. Ninguém pode querer oportunidades se não tem idéia do que são essas oportunidades. Não obstante, é perfeitamente sensato dizer que estariam em pior situação se sua linguagem não oferecesse as .oportunidades que a nossa oferece. Naturalmente,:ao dizer isso, afirmamos saber o que é do seu interesse, o que tornaria suas vidas melhores. 

Isso é paternalismo? Agora precisamos de mais distinções. O paternalismo é primitivo quando os que estão no poder agem contrariando as preferências dos que governam, embora o façam, supostamente, no interesse destes. A polícia faz as pessoas usarem cintos de segurança ou evitar associações sexuais heterodoxas, apesar de seus gostos ao volante e no sexo. 

O paternalismo é mais refil;lado quando os que estão no poder tentam não opor-se a preferências já estabelecidas, mas criar preferências que consideram desejáveis e evitar as que consideram nocivas. Esse é o paternalismo de boa parte da educação moral, por exemplo, e a justificativa de boa parte da censura. 

Proteger a linguagem do aviltamento ou corrupção estrutural não é nenhum desses tipos de paternalismo. Não se opõe, como o paternalismo primitivo, às preferências de ninguém. Tampouco almeja, como o paternalismo sofisticado, criar ou impedir preferências identificadas de antemão como boas ou más. Pelo contrário, permite uma escolha maior, não menor, pois é exatamente nesse aspecto que acreditamos que as pessoas estão em melhor situação com uma linguagem mais rica do que com uma linguagem mais pobre. Nossa aversão ao paternalismo oferece uma razão favorável, não contrária, a nos nomearmos curadores da estrutura das oportunidades linguisticas. 

A ligação entre essas observações sobre a linguagem e nosso problema sobre a arte e as humanidades é evidente. Isso porque o aspecto estrutural de nossa cultura artística nada mais é que uma linguagem, uma parte especial da linguagem que agora compartilhamos. As possibilidades da arte, de encontrar valor estético em um certo tipo de representação ou de objetos, dependem de um vocabulário comum de tradição e convenção. Essa parte de nossa linguagem poderia ter sido muito mais pobre. Suponha que ninguém nunca houvesse encontrado valor na criação narrativa, isto é, numa história. Nossa linguagem não teria tido os recursos complexos de que dispõe para distinguir um romance de uma mentira. Ninguém poderia, repentinamente, apenas por inspiração criativa, escrever um romance. Não haveria recursos disponíveis para que reconhecesse valor numa narrativa falsa, para que os outros recebessem o que ele lhes oferecia desse modo. Pode-se dizer o mesmo, evidentemente, sobre a pintura, a escultura, a música e a pintura. E, a propósito, sobre a história, a filosofia e as humanidades. 

Embora não possamos imaginar nossa cultura perdendo inteiramente algo do vocabulário básico da arte -não podemos nos imaginar perdendo o poder de distinguir entre ficção e mentira -, podemos imaginar facilmente uma mudança adversa menos dramática. Por exemplo, temos agora o equipamento conceitual para descobrir valor na continuidade histórica e cultural. Podemos considerar estimulantes, e consideramos várias formas de citação extraídas da história de nossa cultura; encontramos valor na idéia de que a arte contemporânea retrabalha temas ou estilos de outras épocas ou é rica em alusões a elas, de que o passado está conosco, retrabalhado, no presente. Mas essa idéia complexa depende tanto de uma prática compartilhada quanto a idéia da ficção narrativa. Ela só pode ser sustentada se essa prática .persistir de forma viva, apenas se o passado for mantido vivo entre nós, na cultura maior que irradia do museu e da universidade em círculos concêntricos que abarcam a experiência de uma comunidade muito maior. A própria possibilidade de encontrar valor estético na continuidade depende de continuarmos a ter sucesso e interesse pela continuidade, e isso, por sua vez, pode muito bem exigir um rico estoque de coleções ilustrativas e comparativas que só podem ser mantidas, ou mantidas da melhor maneira, em museus e exploradas em universidades e outras academias. Se é certo que a comunidade como um todo, e não apenas os que usam essas instituições diretamente, compartilha e emprega as possibilidades estruturais da continuidade e da referência, reabilita-se o argumento do bem público a favor do patrocínio estatal de tais instituições. 

A linguagem da cultura pode empobrecer-se de uma segunda maneira, não pela perda de dimensões particulares de valor, como a continuidade, mas por tomar-se menos inovadora, deixando de desenvolver ou elaborar novas dimensões. Nossa própria cultura tem tido momentos de originalidade específica, quando um uso da linguagem ou um tipo de apresentação é repentinamente reivindicado pela arte, como valioso na dimensão estética, e a reivindicação é bem sucedida. Nossa capacidade de inovar baseia-se na tradição de duas maneiras, ou em dois níveis. Devemos ter uma tradição de inovação e formas específicas de arte, suficientemente abertas e receptivas à reinterpretação, para que a continuidade possa ser preservada por meio da inovação, para .que as pessoas possam perceber o que é novo como ligado ao que elas já consideram como um modo de arte, suficientemente ligado para ser aceito como enquadrando-se no mesmo modo geral da experiência. Essas tradições podem definhar e tomar-se um acordo acadêmico ou convencionalista quando as fronteiras do que se pode considerar como arte tornam-se muitos estritas e a arte degenera no que é meramente familiar, bonitinho ou, pior ainda, útil para algum fim não estético. O estado da arte em algumas tiranias é um lembrete deprimente do que é possível em termos de degeneração. 

Temos muito menos dificuldade para imaginar mudanças que podem ser consideradas mais como corrupção que extinção de algum ramo principal da cultura. Nossa pergunta era: pode haver, em princípio, alguma objeção à aceitação do postulado e do programa que descrevi -que as pessoas estão em melhor situação quando as oportunidades que sua cultura oferece são mais complexas e diversas, e que deveríamos agir como curadores para com o futuro da complexidade de nossa cultura? Vimos, mas vale a pena repetir, que a abordagem econômica e os valores democráticos que essa abordagem representa não oferecem nenhuma objeção. Usar fundos estatais dessa maneira não nega ao público futuro o que ele quer. Assinalei duas objeções persistentes à abordagem sublime do patrocínio estatal às artes: paternalismo e elitismo. Se a finalidade do subsídio estatal é mais proteger a estrutura que ofe eventos estéticos específicos, a acusação de paternalismo é atenuada. Também o é a acusação de elitismo, pois a estrutura afeta a vida de quase todos e de maneiras tão fundamentais e imprevisíveis que carecemos do equipamento conceitual para medir quem se beneficia mais das várias possibilidades e idéias que elas geram. 

Certa vez, bem no início deste debate, as perspectivas pareciam negras para o patrocínio estatal das artes. Agora, repentinamente, parecem muito róseas. Podemos mesmo encerrar o debate simplesmente anunciando que a finalidade do patrocínio estatal é proteger a estrutura de nossa cultura intelectual? Não, é claro que não. Devemos conquistar, não apenas reivindicar, a descrição da estrutura e então mostrar que tipo e nível de patrocínio essa descrição justifica nas circunstâncias. Mudamos os termos do debate, mas não o vencemos antecipadamente. 

Quanto patrocínio estatal pode ser justificado dessa maneira? Um ponto precisa ser assinalado imediatamente. O debate, na melhor das hipóteses, justifica que as autoridades públicas coloquem a proteção da cultura entre seus objetivos; não justifica que façam dele seu objetivo principal ou mais urgente. Eles ainda devem fixar prioridades no que se refere a quanto gastar nas artes e nas humanidades em confronto com demandas rivais que incluirão, para alguns, defesa militar e, para outros, justiça social. Está bem além de meu tema considerar como essas prioridades devem ser ordenadas. Mas a escolha entre a arte e o .restante não é a escolha entre o luxo e a necessidade, a grandiosidade e o dever. Herdamos uma estrutura cultural e temos certo dever, por simples justiça, de deixar essa estrutura pelo menos tão rica quanto a encontramos. Minha argumentação, porém, pretende demonstrar que a arte tem os requisitos necessários para merecer o patrocínio estatal, não oferecer sustentação e proteção a esse patrocínio. 

Mas a arte tem os requisitos necessários apenas com certa premissa: que o patrocínio estatal tenha como finalidade antes proteger a estrutura que promover qualquer conteúdo específico para essa estrutura em qualquer época específica. Assim, a diretriz do subsídio estatal deve ser este objetivo: atentar para a diversidade e a qualidade inovadora da cultura como um todo, não para aquilo que as autoridades públicas consideram ser a excelência em ocasiões particulares dessa cultura. O resto é estratégia e tática: máximas e práticas criadas para serem rompidas. Em geral, o auxílio deve ser oferecido na forma de subsídios indiscriminados, tais como isenções de impostos para doações a instituições culturais em vez de subsídios específicos a instituições particulares, salvo se a doação privada demonstrar que prejudica mais que favorece a diversidade e a inovação. Quando houver discriminações, elas devem favorecer formas de arte que são muito dispendiosas para ser sustentadas por transações de mercado, inteiramente privadas. Se estas incluem (como penso) coleções de pintura abrangentes e caras ou estudos. abrangentes que o mercado não sustentaria, como boa parte dos programas das grandes universidades, não pode constituir objeção o fato de que apenas um número relativamente pequeno de pessoas já privilegiadas de várias maneiras irá beneficiar-se direta e imediatamente. Não quero dizer que devemos ser insensíveis ao apelo de programas com outros objetivos, sobretudo aqueles que tentam assegurar uma audiência mais ampla para as artes e a erudição. Essa ambição continua a ser importante e urgente. Pode ser defendida de várias maneiras, inclusive salientando-se que isso também ajuda a proteger a frágil estrutura de nossa cultura.


1 Esse ensaio foi apresentado numa conferência sobre o patrocínio público das artes, no Metropolitan Museum of Art, Nova York, em abril de 1984, patrocinada pelo Metropolitan Museum e pela Columbia University.