"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

quinta-feira, 22 de março de 2018

Os bancos centrais não terão tempo para recarregar a artilharia antes que a próxima crise chegue



No mercado e na economia, tanto no nível do número de intervenções, quanto no nível psicológico, os bancos centrais exercem uma poderosa influência. Uma influência que supostamente serve ao seu propósito de reorientar a economia quando esta se afasta do caminho estabelecido, com o objetivo final de salvaguardar os interesses sócio-econômicos de todos os cidadãos.
Mas esse papel regulador tradicional em seu esplendor máximo pode estar correndo por entre os dedos dos bancos centrais, como a areia do relógio inclemente do deus Cronos. De fato, a próxima crise está se aproximando à medida que avançamos no atual ciclo econômico, e desta vez parece que os Bancos Centrais não vão ter tempo para recarregar sua artilharia para combatê-la.
Essa artilharia que faz batidas para o céu toda vez que os bombardeiros de cada crise se aproximam
 


A Los Bancos Centrales No Les Va A Dar Tiempo De Recargar La Artilleria Antes De Que Llegue La Proxima Crisis 4

Na verdade, todos os intervenientes no mercado sabem que sempre que se ouve o zumbido monótono de aproximação do B-52 da próxima crise, os bancos centrais já terão carregado a sua artilharia para bater o céu com seus obuses. Não que os agentes socioeconômicos do mercado saibam exatamente o que é, mas, é que eles devem ter em mente à frente de seus próximos movimentos no mercado e investimentos.

O efeito que os bancos centrais obtêm é o dobro. Em primeiro lugar, é óbvio que, com os seus regulamentos ou intervenções monetárias ou de outra forma, pode agitar o mercado na direção que mirar. Um banco central sempre tem recursos de caixa de grande peso no mercado global, e seus meros movimentos  poderosamente influenciam dependendo da direção que eles tomam.

Mas devemos também saber, em segundo lugar, que os bancos centrais também jogam com um segundo fator ainda mais poderoso, se possível, do que o primeiro: o efeito psicológico. intervenientes no mercado literalmente temem (e não admira) que se move pelos bancos centrais pegá-los mudado ao longo.

E apenas este fato psicológico já faz isso sem ter que começar a gastar um euro, o gado líder de mercado auto docilmente para onde o pastor quer. Na verdade, a mais clara demonstração deste ponto é o jogo de gato e rato que há sempre seguindo as palavras intencionalmente declarações públicas ambíguas de bancos centrais. Neste caso, a política é a de usar a incerteza para os agentes socioeconómicos são auto-regulados.

Claro, isso não funciona sempre e às vezes você tem que recorrer a artilharia pesada. Um bom exemplo de como, por vezes, as declarações não são suficientes, é a famosa referência de Greenspan de "exuberância irracional dos mercados" que precederam a bolha.com, e que não impediram o estouro da bolha siga inchando milhares saiam ( mas milhões) de vítimas.

Para contra-atacar com artilharia deve ser carregado antes de ter podido

Os bancos centrais não vão dar tempo para recarregar ARTILHARIA antes que ele atinja a próxima crise 5
Mas ainda assim o caso de bancos centrais, e por mais que possa parecer que o seu dinheiro e outros recursos são virtualmente infinitas, a verdade é que eles não são (ou melhor, nunca deve tornar-se tão). Artilharia não se limita, portanto, a importância de fortalecê-la com o fator psicológico, mas também há tempo para recarregar.

Uma das munições principal com que uma conta bancária central, é a política monetária, especificamente as taxas de juros. Com estas taxas de juro central Enforces bancárias e muita influência sobre a economia, e com base neles faz empréstimos e mercado de crédito são articuladas. Mas essa influência se estende a tudo o que é indexado estas taxas de juro, o que na prática se estende a sua gama de praticamente todos os indicadores econômicos.

Mas as armas monetárias não são livres, seja para um banco central. E a menos que podemos dizer que estão disponíveis para uso a qualquer momento. Para isso, devemos manter as baterias antiaéreas corretamente, e prossiga para ir cobrando-lhes que eles chegam obuses suprimentos.

Isso se traduz na prática que, durante os tempos de prosperidade econômica, é necessário aumentar gradualmente as taxas de juros não só para exercer um controlo apertado da inflação (e também promovem criação de emprego, no caso do FED) mas, em seguida, fazer o download com força no B-52 como o horizonte aparecer, correndo baixos taxas de juro efectivas para reavivar a economia.

O verdadeiro calcanhar de Aquiles da recuperação atual

E é precisamente neste último ponto onde o calcanhar de Aquiles da recuperação atual do objeto central de análise hoje existe. Este ponto é complicado sobre as políticas ultra-expansivas, ambas injeções monetárias como taxas de jurosultra-baixas (ou mesmo negativas), prefaciando tem tempo para um período muito mais longo do que em crises anteriores.

Como você pode ler este breve panorama de quartzo, esta publicação defende abertamente que o Fed não terá o tempo necessário para "recarregar" a taxa de juros canhão. Nós não podemos estar mais de acordo com esta declaração e, na verdade na redes sociais e também afirmaram-nos de vez em quando esta preocupação. E como o Fed, o mesmo também se aplica ao BCE, BoE, BoJ ... e quase todos os membros deste clube de elite que tem regada economias milhões de liquidez.


As conclusões podem perfeitamente atraí-las para vocês mesmos. E elas são muito semelhantes às da analogia de críticas cujos suprimentos de munição não chegam por vias estratégicas de fornecimento: para o B-52 da próxima crise vai lançar todos os seus obuses de carga letais em nossas indefesas e desprotegidas cabeças

Traduzido em linguagem econômica, isso significa que a próxima crise irá se descarregar em nossas economias em toda a sua plenitude e com grande rudeza. Porque recarregar baterias antiaéreas agora com pressa pode se tornar ainda pior.

O dilema dos bancos centrais não é fácil, mas seu trabalho nunca foi simples. Eu não sei se havia outra solução para a equação da recente Grande Recessão, mas a verdade é essa, a maneira que conseguiram foi uma transferência virtual de potência (relativa) econômica da Grande Recessão para a próxima crise. Se esta foi a decisão certa, não é algo que possamos julgar você ou eu agora, mas será algo que acabará julgando a História Econômica (e fará isso mais cedo).

0 comentários:

Postar um comentário