"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Dois minutos para a meia-noite

Resultado de imagem para relógio do juizo final dois minutois para a meia noite

por Juan Tokatlian 

As relações internacionais envolvem diferentes lógicas, dinâmicas e práticas. Um dos processos mais relevantes envolvendo nações com atributos de poder significativos, sejam globais ou regionais, é o da socialização. Neorrealistas, neoliberais e construtivistas - embora com premissas distintas e mecanismos diferentes - enfatizam a importância da socialização. Em geral, há um entendimento compartilhado de que esse processo envolve interação, incorporação, identificação, internalização e inclusão. Assim, há uma convergência e adaptação que condicionam e moldam o comportamento dos atores. Certos parâmetros-chave e modos de ação são disseminados e imitados pelos Estados. Os mais poderosos, assim como os aspirantes a isso, tendem a desenvolver atitudes, condutas e políticas semelhantes.

Um exemplo ilustrativo é a doutrina da guerra preventiva. Os Estados Unidos incorporaram-no decisivamente após os atos terroristas de 9 de setembro de 2001. Washington reivindicou para si a atribuição ao uso antecipado de seu poder militar contra um país, mesmo que não haja evidência e/ou iminência de ser atacado. No entanto, a guerra preventiva não faz parte do monopólio doutrinário de Washington. Até agora a Coreia do Norte, Índia, Irã, Israel e Rússia, entre outros, contemplam a invocação e o uso de grerras preventivas como parte integral de suas estratégias de defesa. Consequentemente, o processo de socialização internacional provavelmente funcionará entre os principais estados e potências regionais.

Algo análogo já está acontecendo, e pode ocorrer ainda mais, com o leitmotiv que levou Donald Trump à presidência dos EUA: "America First". A propensão a imitar o slogan e a performance do Trumpian é muito alta. De fato, o protecionismo, o patriotismo e o unilateralismo, em vez do compromisso, o cosmopolitismo e o multilateralismo estão crescendo, encorajados pelo sucesso do resultado eleitoral de Trump e seu primeiro ano em termos de economia e até de diplomacia. Tanto a direita quanto a esquerda, em todo o mundo e sob regime democrático ou autoritário, estão analisando o fenômeno Trump, além de sua personalidade e principalmente dos tweets sem sentido.

Antes de "America First", de Trump, nos familiarizamos com "Russia First", de Putin, depois de sua mais recente reeleição. Mesmo que a ascensão de Pequim tenha sido bastante pacífica até agora, os vestígios de “China First” estão brilhando no horizonte. Na turbulenta geopolítica do Oriente Médio, há evidências de um conflito delicado e grave entre “Israel Primeiro”, “Irã Primeiro”, “Turquia Primeiro” e “Arábia Saudita Primeiro”. A sombria União Européia exibe alguns sinais singulares: o ideal de uma "Grã-Bretanha em primeiro lugar" desencadeou o Brexit e o eloqüente desequilíbrio entre o norte e o sul da Europa expressa tacitamente a tentação da "Alemanha em primeiro lugar". O ressurgimento das tensões no sudeste da Ásia e a corrida armamentista na área parecem estimular um “Japão primeiro”. Uma combinação de crescente nacionalismo e percepção de humilhação em partes do Sul global pode induzir mais nações a buscar seu próprio status de “Primeiro”.

Isso leva a refletir sobre possíveis cenários futuros. Uma leitura que entrelaça a ciência política, a sociologia internacional, a economia, a história e a psicologia social é necessária para evitar a trivialidade e a rapidez daqueles que se arriscam e insistem que estamos em um estágio de transição e que, consequentemente, o futuro certamente é promissor, pacífico e rentável. As transições do mundo - a mudança global de poder, influência e prestígio - são de longo prazo, propensas a conflitos e muito complexas e podem funcionar em duas direções muito diferentes: elas podem ser progressivas e, portanto, várias condições existentes são melhoradas ou pode ser regressivo e, portanto, muitos dos acima se deterioram.

Primeiros sem iguais

Na minha opinião, a justaposição e exacerbação de todas as ambições de ser a todo o custo têm inquietantes semelhanças com os anos vinte e trinta: o recuo da globalização, grandes desigualdades sociais, aumento de (re) armamento, ausência de instituições internacionais efetivas, diplomacia provocativa, movimentação nacional excessiva, liderança medíocre, racismo intensificado, entre outros.

Várias questões devem ser levadas em consideração. Estamos testemunhando uma nova mudança de poder global: desta vez a transição não está entre as potências ocidentais, mas do Ocidente para o Oriente. Enquanto a China está subindo gradualmente, tanto os Estados Unidos quanto a Europa estão resistindo à sua relativa perda de poder, influência e prestígio. O multilateralismo e as instituições robustas são cruciais para moderar e coordenar a reestruturação da política e economia mundiais; no entanto, as organizações multilaterais e as regras liberais estão enfraquecendo nos níveis internacional e regional. A ONU, a OMC, o G-20, a União Europeia, o FMI, a OEA, entre outras, estão passando por sérios déficits de credibilidade. Um grande avanço em direção à intervenção humanitária e à construção da paz em torno do princípio da Responsabilidade de Proteger tem sofrido grandes retrocessos na última década. O uso ilegal da força é decorrente de uma ordem pós-legal que prejudica gravemente o direito internacional. O agravamento de uma crise múltipla e altamente interligada no Oriente Médio, juntamente com o fracasso de várias intervenções militares externas, o desaparecimento da primavera árabe e o crescimento da violência sectária entre os muçulmanos geraram uma situação de caos permanente entre sunitas e xiitas. O um na área. A ideia - especialmente em Washington - de uma gestão duradoura desse caos é, na realidade, uma ilusão. Está se tornando parte da linguagem rotineira falar sobre uma potencial troca nuclear entre a Rússia e o Ocidente devido às tensões exacerbantes entre as partes. Enquanto isso, o nacionalismo está de volta entre as potências em declínio e emergentes: o cosmopolitismo está na defensiva. Por último, mas não menos importante, a democracia é desafiada tanto no Norte quanto no Sul: plutocratas, autocratas, déspotas e homens fortes de diferentes tipos estão corroendo democracias incipientes, formais, novas e estabelecidas.

Seria então crucial ter um diagnóstico melhorado da atual situação mundial e compreender melhor a operação desenfreada de “America First” e de tantos outros “First”. Não é de surpreender que o renomado Boletim dos Cientistas Atômicos tenha estabelecido seu famoso "Relógio do Juízo Final" de dois minutos para a meia-noite ... pela primeira vez desde o fim da Guerra Fria.


Juan Tokatlian
Juan Tokatlian é professor de Relações Internacionais na Universidade Torcuato Di Tella, em Buenos Aires, Argentina.

0 comentários:

Postar um comentário