"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

domingo, 15 de abril de 2018

EUA vs China: da guerra comercial à guerra cambial

EEUU vs China: De la guerra comercial a la guerra de divisas


Depois dos primeiros movimentos dos Estados Unidos e da China para promover uma guerra comercial, agora a China estaria estudando o impacto potencial que poderia causar uma depreciação gradual de sua moeda, o yuan, que muitos entenderiam como o primeiro passo de uma guerra cambial.

Ironicamente, enquanto Trump atacou a China na campanha eleitoral por manter sua moeda artificialmente fraca, o yuan ganhou cerca de 9% em relação ao dólar desde que assumiu o poder e permaneceu estável nas últimas semanas, apesar da escalada da inflação e das tensões comerciais entre as duas economias.

O que a China está propondo é usar sua moeda como uma ferramenta em futuras negociações comerciais com os Estados Unidos, enquanto também examina o que aconteceria se a China realizasse a desvalorização do yuan para compensar o impacto de qualquer acordo comercial que trave suas exportações.

Portanto, isso não significa que a China embarque em uma desvalorização, mas, por enquanto, está estudando essa possibilidade, que dependerá, em grande parte, do futuro do protecionismo norte-americano.

Quais as consequências da desvalorização do yuan?

Todos os países foram tentados a desvalorizar a moeda para ajudar a amortecer suas economias de tempos em tempos. Dito isto, as desvalorizações da China podem representar um problema para a economia global. Dado que a China é o maior exportador mundial e sua segunda maior economia, qualquer mudança feita por uma entidade tão grande nas perspectivas macroeconômicas tende a ter notáveis ​​repercussões.

Com o barateamento dos produtos chineses, é possível que o rendimento comercial de muitas economias pequenas e médias impulsionadas pelas exportações chinesas seja reduzido. E se esses países estão endividados e fortemente dependentes das exportações, suas economias podem sofrer um impacto severo.

Por exemplo, Vietnã, Bangladesh e Indonésia dependem muito de suas exportações de calçados e têxteis, para que possam estar em sérios apuros se as desvalorizações da China tornarem seus produtos mais baratos no mercado global.

Também se deve mencionar que é provável que um yuan mais fraco provoque um êxodo em massa de fundos da China para lembrar que ocorreu entre 2014 e 2017, quando a moeda enfraquecida por 13% 6,05-6,94 frente o dólar. Esta é a última coisa que Pequim quer ver agora, já que fez do controle de risco financeiro sua principal prioridade.

Usd

Embora, como já dissemos, o iuan tenha se fortalecido mais de 9% em relação ao dólar desde dezembro de 2017 e as reservas cambiais resistiram desde então à queda, a pressão da fuga de capitais ainda está presente se ocorrer um erro de desvalorização.

Também devemos ter em mente que muitas empresas chinesas têm parte de seus dólares denominados em dívidas, então, se vimos uma desvalorização do yuan, eles devem aumentar seus esforços para pagar a dívida e também, seria um duro golpe para os esforços. O governo chinês vem progredindo para um sistema de taxas de câmbio mais voltado para o mercado livre.

Calibrando o poder da China

Uma guerra comercial, pode levar a uma guerra cambial e a China tem um ás na manga para impedir os pés da política tarifária dos Estados Unidos... possui 20% de sua dívida pública. O valor total desses valores é de cerca de 1,2 trilhão de dólares.

Debt

Em suma, a China está emprestando dinheiro aos Estados Unidos para comprar seus produtos e ajudar no progresso econômico da economia chinesa. Isso, por sua vez, está aumentando o déficit comercial entre os Estados Unidos e a China,

Se um grande detentor da dívida decidisse reduzir suas compras, a demanda por títulos do Tesouro poderia cair e os investidores poderiam exigir retornos mais altos para seus investimentos em títulos do Tesouro dos EUA. Ou seja, para o Tesouro americano seria mais caro refinanciar os vencimentos das dívidas.

Se a China decidir usar essa arma de destruição econômica, ela poderá não apenas afetar os Estados Unidos, mas levar a outra crise financeira global. Os preços dos títulos nos Estados Unidos e em todo o mundo despencariam devido a esse resgate. Os custos de juros para as empresas aumentariam e impactariam suas margens de lucro, o que teria impacto nos mercados acionários.

A China tem compromissos que devem ser cumpridos para consolidar sua abertura

O Presidente da China, Xi Jinping, tinha mantido o compromisso do governo para reformar a economia da China em uma direção mais orientada ao livre mercado desde que tomou posse pela primeira vez há mais de quatro anos atrás. Isso fez com que o Banco Popular da China afirmasse que a desvalorização era o resultado das medidas tomadas para permitir que o mercado fosse mais instrumental na determinação do valor do yuan mais credível.

O anúncio de desvalorização foi acompanhada por declarações oficiais do Banco Popular que, como resultado desta "depreciação única, a" taxa de paridade central do yuan fica mais estreitamente alinhada com as taxas de câmbio local do dia anterior". O objetivo era dar aos mercados um papel maior na determinação da taxa de câmbio do renminbi, com o objetivo de permitir uma reforma monetária mais profunda.

china

Naquela época, a medida também era consistente com as reformas "lentas mas estáveis" da China, destinadas a consolidá-la nos mercados financeiros. E, de fato, a desvalorização da moeda foi uma das muitas ferramentas de política monetária que ela empregou em 2015, incluindo cortes nas taxas de juros e uma regulação mais rígida do mercado financeiro.

Havia outra razão: a determinação da China em ser incluída na cesta de moedas de reserva dos Direitos Especiais de Saque (SDRs) do Fundo Monetário Internacional (FMI), que é um ativo de reserva internacional que os membros do FMI podem usar para comprar moeda nacional nos mercados de moeda, a fim de manter as taxas de câmbio.

O FMI reavalia a composição monetária de sua cesta de DES a cada cinco anos, a última vez em 2010. Naquela época, o yuan foi rejeitado com base em que não era "livremente utilizável". Mas a desvalorização, apoiada pela alegação de que foi feita em nome de reformas orientadas para o mercado, foi bem recebida pelo FMI e o yuan tornou-se parte do SDR no final do ano.

Dentro do cabaz, o renminbi chinês tem um peso de 10,92%, superior ao peso do iene japonês e da libra esterlina, em 8,33% e 8,09%, respectivamente. A taxa de juros dos empréstimos do FMI depende da taxa de juros SDR. Como as taxas de câmbio e as taxas de juros estão inter-relacionadas, o custo dos empréstimos do FMI para seus 188 países membros dependerá em parte das taxas de juros e taxas de câmbio da China.

Um comentário:

  1. Uma grande confusão econômica. O desajuste cambial implica que um país possa reduzir o preço em dólares desvalorizando a sua moeda. Qual é a lógica disso? De fato ocorrerá a inviabilização de muitas indústrias locais devido ao custo de produção superar o de importação. Os investidores fecharam fábricas indo para o mercado financeiro onde o volume de operações ultrapassa o PIB global. Como atribuir renda se a economia se contrae pela oferta de bens com preços menores?

    ResponderExcluir