"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Quem apóia quem na Síria: um guia rápido para entender a guerra sete anos depois

Quién apoya a quién en Siria: guía rápida para entender la guerra siete años después


A Síria tem sete anos imersos em uma guerra civil sem fim que sangrou o país, que causou a maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial e foi palco do conflito congelado, mas latente, entre as diferentes potências do Ocidente e do Oriente Médio. Este fim de semana, após os bombardeios dos Estados Unidos, do Reino Unido e da França às posições do regime de Bashar-Al Asad, tomou uma nova direção, sempre incerta.

Muita coisa aconteceu desde a revolução de 2011, irá resultar em uma repressão do governo sangrenta e, finalmente, um conflito civil armado, pode ser útil rever qual é o estado de coisas na Síria em 2018. O que interessa a cada um dos atores e o que tacitamente ou diretamente apoia os principais protagonistas da guerra: o governo de Al-Assad; o amálgama de grupos de oposição; as forças curdas; e os movimentos salafistas.

Encurralado pelo ISIS e expulsos de sua antiga capital, Al-Raqqa, a Síria é agora mais do que nunca um conflito em que muitos outros estão girando. E embora não haja confrontos diretos entre Arábia Saudita e Irã ou entre países da OTAN e a Rússia, no território devastada do país em si grandes jogos de apoio se desdobram através de cada um poder colocar suas cartas. É assim que os suportes são distribuídos na complexidade síria.

Estados Unidos → rebeldes e curdos

Lateralmente, os Estados Unidos tem apoiado as facções rebeldes desde o início da guerra. Geralmente através do armamento. Além das aspirações democráticas originais da revolução síria, agora extremamente turvas, Estados Unidos escolheu rebeldes que se opõem à Bashar al-Assad, homem-forte do país até 2011. Al-Asad estava perto do perfil de outros ditadores socialistas semelhantes longe da órbita americana.

Duas ações militares na Síria, na verdade, ter sido ataque químico meramente reativo de Al-Asad: em nenhum momento tiveram um sentido estratégico real para ajudar a oposição, um amálgama incompreensível de grupos democráticos, islâmicos e radicais. Seu apoio hoje já é marginal. Washington também enviou armas para os rebeldes curdos (especialmente durante sua ofensiva contra o ISIS). Seus laços são menos sólidos do que aqueles que ligam o Curdistão iraquiano.

França e Reino Unido → rebeldes

A posição da Europa tem sido, quase sempre nessas situações, definida pela política dos Estados Unidos. Ex-peso-pesado na região, a França teve um caráter mais agressivo tanto sob Hollande quanto agora durante a presidência de Macron, com bombardeios às posições do Estado Islâmico. No Reino Unido, a Síria continua sendo uma questão controversa. Em ambos os casos, as linhas de apoio seguem os ditames marcados por Washington.

Rússia → Bashar Al-Assad

Desde o início do conflito, a Rússia interpretou a Síria como uma maneira de resolver sua preeminência perdida no conselho global. Para Vladimir Putin, Bashar Al-Asad é uma peça não negociável cuja queda ele não está disposto a permitir. Daí o extraordinário envolvimento do Kremlin na guerra, seja através do bombardeio sistemático da oposição, seja oferecendo apoio logístico de Latakia, o principal porto da Síria para o Mediterrâneo.

Na Síria, a Rússia joga mais do que uma mera vitória geopolítica a curto prazo: sua capacidade de influenciar a política internacional está em jogo. E daí as ameaças de represálias após os bombardeios dos EUA.

Irã → Bashar Al-Assad

O Irã joga em seu próprio espaço, embora por diferentes razões. Não só operam fatores religiosos (Al-Asad é Alawite, um ramo litúrgica do Islã xiita, cujo reduto do arco internacional é o regime dos aiatolás), mas também estratégico: a Síria foi um dos poucos estados no Oriente Médio não confrontado abertamente O Irã, graças à sua natureza secular e à natural indiferença da Arábia Saudita. Seu apoio a Al-Assad busca assegurar um aliado e um foco de influência na região, tanto em nível político quanto estratégico (por meio de uma presença militar fixa na área).

Arábia Saudita → rebeldes

Especialmente se levarmos em conta que, para a Arábia Saudita, Al-Asad é uma peça a ser cobrada. Como a Rússia e os Estados Unidos, o Irã e a monarquia saudita usam a Síria como forma de contestar a influência no Oriente Médio: a derrota de um implica a vitória do outro. A Arábia Saudita financia ativamente vários grupos de oposição ligados ao islamismo mais radical (dinamitado ISIS). Para Riad, a queda hipotética de Al-Asad representa uma oportunidade para semear com influência o regime que emerge depois.

Israel → Israel

Até agora, o papel de Israel no conflito sírio havia sido limitado. Até agora. A crescente influência do Irã e do (embora frio) confronto aberto entre os dois países durante a última década levou a intervenções no campo (nas colinas de Golan, que controla) ter sido maior, o lançamento de mísseis contra aviões iranianos e escalada os confrontos pouco a pouco. Mais uma vez, a Síria pode servir como um proxy para o conflito latente entre Israel e Irã.

Como observado aqui, é um desenvolvimento preocupante: nem a Rússia nem as três potências ocidentais têm pouco incentivo para trazer mais hostilidades; Israel e Irã talvez sim.

Turquia → inimigos dos curdos

Antomasia verso solto pela Síria: membro da OTAN, a linha de apoio da Turquia, a priori, deve ser o mesmo que os EUA e seus aliados. É mais complexo: apesar de nominalmente Erdogan suportar a oposição síria, sua única preocupação real é os rebeldes curdos. Ele tomou campanhas militares ativas contra ambas as forças sírias na sua fronteira e no interior da terra da Síria, alcançando tomar cidades controladas pelos curdos como Afrin.

A Turquia apoiará qualquer um que enfrentar os curdos. Por isso, deixou de funcionar em breve com a Rússia, apesar da derrubada de um dos seus aviões por turcos há três anos. E é por isso que mantém um perfil muito diferente dentro do conflito: qualquer coisa, exceto o YPG. Embora a sua posição difícil tenha envolvido ele colidindo com os Estados Unidos mais de uma vez.

0 comentários:

Postar um comentário