"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Por que o setor de tecnologia pode ser o grande perdedor da guerra comercial entre Trump e China

Por qué el sector tecnológico puede ser el gran perdedor de la guerra comercial entre Trump y China


"As guerras se sabe como começam, mas não como terminam." Esta é uma daquelas frases do repertório da sabedoria popular que são mostradas repetidas vezes mais do que verdadeiras. E muitas vezes faz isso no golpe de um obus. Mas a frase não é apenas aplicável a guerras convencionais, também podemos dizer o mesmo sobre uma guerra comercial moderna como aquela que o governo Trump declarou à China.

Esta guerra começou em um campo de batalha que limitou os Estados Unidos, e pode acabar se mudando para outros campos totalmente diferentes e cheios de lama. Na verdade, em parte isso já aconteceu, mas a lama mais viscosa que pode acabar combatendo a China e os EUA é se a guerra acabar ultrapassando o setor de tecnologia. E o dano causado seria para os dois lutadores que agora estão brincando na poça de lama, mas também pode afetar significativamente todas as economias do resto do planeta.

A guerra comercial em larga escala que poderia ocorrer

Por Que El Sector Tecnologico Puede Ser El Gran Perdedor De La Guerra Comercial Entre Trump Y China 2

Os Estados Unidos são a primeira economia do planeta. A China é a segunda. Se olharmos na equação de possíveis guerras comerciais entre dois países em larga escala, obviamente a maior guerra comercial que poderíamos testemunhar é precisamente entre as duas maiores economias do mundo. E isso aconteceu.

Alguns veem essa guerra comercial à distância, curiosos para ver o resultado e se o presidente Trump conseguirá o que quer, e outros o veem mesmo com a paixão de alguém que assiste a um espetáculo de entretenimento armado com uma boa porção de pipoca. Mas aqueles de nós que seguem este conflito desarmado entre as duas maiores superpotências do prisma mais econômico, não podem deixar de sentir uma profunda preocupação.

As razões do risco para as outras economias do planeta

Por Que El Sector Tecnologico Puede Ser El Gran Perdedor De La Guerra Comercial Entre Trump Y China 3
Para começar, o primeiro risco para os participantes das arquibancadas para essa luta comercial é que o presidente Trump não apenas tenha declarado a guerra comercial exclusivamente à China. Como em todas as trocas de artilharia, os obuses trocados entre os EUA e a China podem acabar impactando outros países. Embora seja verdade que a maioria das medidas e as novas tarifas de Trump destinam-se a prejudicar as importações do gigante asiático, não podemos esquecer que existem tarifas, como impostos sobre o aço, que também afetam outros países, inclusive a Europa.

Portanto, não acho que estamos seguros no castelo europeu, eu tenho medo que Trump tem capacidade suficiente (e vontade) para distribuir tarifas para todos. De fato, há um certo pânico no Velho Continente sobre a possibilidade certa de que uma guerra comercial entre a UE e os EUA também seja aberta, uma vez que o motor europeu que é a Alemanha se mostra muito exposto e depende muito dele. Em Berlim, eles estão desesperados para evitar a todo custo um conflito que prejudicaria seriamente seus interesses e sua economia.

O segundo risco que afetaria terceiros seria que a guerra comercial entre as duas superpotências se degeneraria em um conflito legal em massa em grande escala. Este ponto não é de todo descartável, e na verdade nós já o levamos em primeiro plano quando analisamos o possível impacto do Brexit para a Espanha. O risco é o mesmo para o caso que nos preocupa hoje, e para materializar em seu maior esplendor afetaria plenamente os tribunais que estão encarregados de condenar as disputas econômicas internacionais, com o cenário mais do que provável de um colapso.

Por isso (e por algum outro motivo) existe um medo que circula pelos mercados, que vê que o conflito comercial entre os EUA e a China é um risco que pode levar ao colapso do sistema de comércio mundial como um todo. A verdade é que estamos imersos em um retorno aos tempos da tarifa feliz cujo protecionismo econômico tão desastrosas consequências acabou trazendo com a Grande Depressão.

Esse colapso significaria que uma grande (se não total) incerteza legal ocorreria no nível global para todo o comércio mundial, uma vez que praticamente todos os julgamentos em relação ao comércio internacional seriam paralisados. Não só veríamos que a avalanche de disputas entre os EUA e a China é impossível de resolver, mas qualquer outra disputa entre, por exemplo, a UE e o Japão, não poderia ter cobertura legal, com tudo o que isso implica. O que foi dito, incerteza jurídica e potencial paralisia de boa parte do comércio internacional.

O terceiro risco é o conflito se degenerar em uma guerra comercial generalizada, mas especialmente em um determinado setor estratégico ...

Por Que El Sector Tecnologico Puede Ser El Gran Perdedor De La Guerra Comercial Entre Trump Y China 4

De fato, o impacto da guerra do aço para a Europa é um mal menor se começarmos a analisar um pouco o risco potencial ao qual um conflito como o que está sendo aberto pode nos levar. As possíveis frentes adicionais de batalha que podem ser abertas entre o gigante americano e o gigante vermelho são múltiplas, incluindo algumas o uso de "armas não convencionais". Com isso, o cenário final que pode acabar trazendo esses riscos é bastante imprevisível. E não, as conseqüências não são poucas nem são apenas danos colaterais. Muito pelo contrário: poderiam ser danos estruturais que afetam a construção da própria ONU (devido à globalização).

Mas há uma dessas possíveis frentes de novas batalhas que é especialmente perigosa para o resto do mundo e também para as duas grandes da economia mundial. É o setor tecnológico, cavalo de batalha comercial em um plano não belicoso por anos por sua natureza estratégica em face da socioeconomia do futuro, e que agora poderia se tornar um burro de batalha do conflito "pelos bravos". Efetivamente até agora os jogadores tentaram conquistar o mundo fazendo um buraco no cenário tecnológico disruptivo, e agora eles podem usar o setor de tecnologia como uma arma de guerra a mais.

O caso é que o setor de tecnologia tem sido um dos mais intensos (e até mesmo líderes) que abraçou a globalização, e através dos vasos de comunicação estabelecidos por este setor, as socioeconomias do planeta acabaram sendo profundamente imbricadas entre si. A China e os EUA não são uma exceção, e seus laços econômicos no mundo da tecnologia são muitos e muito estreitos. Os grandes tecnólogos americanos compram inúmeros componentes chineses, fabricam e montam seus produtos finais lá, vendem em seu mercado colossal, etc. Passar a guerra comercial para o nível tecnológico pode ser muito prejudicial para todos, mas especialmente para os EUA e a China.

Há muitas vozes nos Estados Unidos que mostram sua capacidade tecnológica e domínio empresarial nos domínios da Nasdaq. Eles estão absolutamente certos de que, se a guerra comercial com a China passar para o terreno tecnológico, serão apenas os chineses que serão muito afetados. Essa crença a priori é bem fundamentada, já que o equilíbrio tecnológico entre os dois poderes parece mostrar que existem muitas empresas de tecnologia americanas que têm sua produção realocada para a China. E não devemos esquecer que o presidente Trump já declarou abertamente ao mundo tecnológico a necessidade de repatriar empregos no setor para o território norte-americano.

E não se pode esquecer que alguns impostos recentemente impostos por Trump, nas primeiras incursões antiaéreas do início da guerra comercial com a China, caíram diretamente em produtos de tecnologias como robótica, eletrônica, computadores, telecomunicações e aeroespacial. Alguns dos primeiros ataques foram ataques balísticos de alcance intercontinental e com objetivos claramente tecnológicos. Mas eles não foram concebidos de livre arbítrio; em vez disso, pelo contrário, foram estrategicamente desenhados pela administração Trump com um algoritmo de computador para infligir o máximo dano possível às exportações chinesas, mas projetados ao mesmo tempo para tentar tornar o dano muito limitado para os consumidores americanos.

Mas tudo que brilha não é americano, e a China também é um grande líder em tecnologia

Por Que El Sector Tecnologico Puede Ser El Gran Perdedor De La Guerra Comercial Entre Trump Y China 5

Mas não importa quantos algoritmos eles projetem nos EUA, não importa o quanto a liderança dos EUA tenha em tecnologia, muito GAFA (Google, Apple, Facebook, Amazon) que é "Made in the USA", o fato é que a globalização envolveu um emaranhado indecifrável das relações econômicas, incluindo principalmente o setor tecnológico. A realidade é que medir o impacto total de qualquer ataque comercial até as conseqüências finais certamente se tornou impossível. As relações socioeconômicas entre os EUA e a China (e o resto do mundo) tornaram-se tão complexas que o campo de batalha tecnológico é tão imprevisível quanto o tabuleiro oculto de um clássico jogo de caça-minas.

Ao contrário do que algumas pessoas pensam, e em parte contrário ao elo anterior da CNBC, o campo de batalha tecnológico no qual a China e os EUA podem lutar não se limita a um cenário com um líder tecnológico dos Estados Unidos, que limitado a terceirizar a produção e montagem de eletrônicos a baixo custo para uma China dependente. Nada está mais longe da realidade. A verdade é que a China e seus cidadãos estão muito avançados tecnologicamente e, em muitos planos, dão mesmo vários retornos aos países desenvolvidos.

Do link anterior à análise da PIMCO, alguns dados sobre o assunto que chamam a atenção mostram como, por exemplo, a China monopoliza o número esmagador de mais de 40% de todas as transações de comércio eletrônico em todo o mundo; Uma década atrás, seu pedaço deste bolo foi inferior a 1%. Também em 2016 a economia digital da gigante vermelha ficou com um peso específico de 30% do PIB nacional, alcançando cerca de 3,4 trilhões de dólares, com os quais a China se classifica como a segunda maior economia digital do mundo por importância apenas atrás dos Estados Unidos.

Outros indicadores tecnológicos significativos revelam como o valor total de todas as transações móveis na China é 11 vezes maior do que o dos EUA, como os cidadãos chineses totalizam 49 horas por mês de uso de smartphone em comparação com 45 para os americanos ou como 19% Os usuários de internet chineses são usuários exclusivamente móveis, em comparação com 5% do país norte-americano. Isso sem mencionar o posicionamento que eles estão adotando do país "ditapitalista" em tecnologias revolucionárias e futuras, como Inteligência Artificial ou Big Data, que só podem acabar dando-lhes ainda mais receitas de liderança tecnológica e ... enfim também socioeconômico. Tudo isso mostra como a China não é apenas um fornecedor de produtos tecnológicos, mas também um mercado de TI colossal, que altera significativamente as marés da guerra tecnológica na direção diametralmente oposta.

Você vê então como a batalha na arena tecnológica não é tão desequilibrada em favor dos EUA como a priori você poderia pensar. De fato, a realidade é que ela é razoavelmente equilibrada, e o dano pode ser enorme e mutuamente infligido entre os dois oponentes. No campo tecnológico, a China não pode viver (pelo menos sem danos insuportáveis) sem os Estados Unidos, mas temo que, como os Estados Unidos, não consiga viver sem a China. Isso sem mencionar o impacto que uma guerra tecnológica entre os dois países poderia implicar para o resto do mundo: imagine por um momento o que aconteceria globalmente se a Apple deixasse de ser capaz de colocar smartphones no mercado, ou pior, se a Amazon Web Services sofresse interrupção no provisionamento de servidores para seus serviços em nuvem onipresentes. Vamos, um técnico de Armageddon de pleno direito. E não considero o cenário de um conflito tecnológico tão improvável, é antes o oposto: na verdade, escaramuças já dispersas estão começando a ocorrer no setor, que a qualquer momento pode se transformar em um conflito tecnológico geral.

Por Que El Sector Tecnologico Puede Ser El Gran Perdedor De La Guerra Comercial Entre Trump Y China 6

Em um nível mais exclusivamente político, existem estratégias de Trump que (aparentemente) estão valendo a pena, como por exemplo com a Coréia do Norte, que atualmente vive o melhor momento nas relações com sua irmã Coréia do Sul e com a Estados Unidos há muitas décadas. Vamos ver o que acontece com o Irã. E vamos ver com a Rússia. E com a China com mais motivos para a análise de hoje.

Visto de uma perspectiva mais geral, no mundo turbulento de nossos dias, mais do que um conflito comercial limitado apenas aos EUA e à China, o panorama global parece uma guerra de guerrilha gritando "Todos contra um e um contra todos". Ou devemos quase dizer, de uma perspectiva ainda mais ampla, que a coisa já passou para "Todos contra todos" (ou talvez ... até mesmo para "Salvar quem pode").

Realmente levar a guerra comercial ao terreno tecnológico não interessa em boa lógica nenhuma das duas superpotências, mas uma vez entrados em uma violenta espiral de agressão-reação, quem disse que nas guerras sempre prevalece a lógica? Não seria a primeira vez que vemos alguém colocar em prática o de "morrer morto".

0 comentários:

Postar um comentário