"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

sábado, 12 de janeiro de 2019

Perspectivas para a economia da América Latina e Caribe em 2019

Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

A América Latina e Caribe (ALC) continua apresentando baixo crescimento econômico e deve enfrentar dificuldades ainda maiores em 2019


O relatório da CEPAL, “Balanço preliminar das economias da América Latina e do Caribe”, edição 2018, considera que a região enfrenta um cenário econômico global complexo, no qual se espera uma redução na dinâmica de crescimento, tanto nas economias desenvolvidas quanto nas emergentes, acompanhada de um aumento da volatilidade dos mercados financeiros internacionais. Soma-se a isso o enfraquecimento estrutural do comércio internacional, agravado pelas tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China.
Os dados trimestrais indicam que, no nível sub-regional, o desempenho se mantém diferenciado, conforme gráfico abaixo. Na América do Sul, o crescimento continua bem abaixo do desempenho do México e da América Central. Para o ano de 2018, o crescimento econômico da ALC é estimado em 1,2%, o que implica uma leve desaceleração ante 1,3% de 2017. O crescimento se reduziu na América do Sul (de 0,8% em 2017 para 0,6% em 2018) como na América Central, Cuba e Haiti (de 3,4% para 3,2%). Por outro lado, o México cresce a um ritmo ligeiramente superior, passando de 2,1% em 2017 para 2,2% em 2018. No Caribe a recuperação do impacto de desastres naturais de 2017 contribui para uma aceleração do crescimento (de 0,2% em 2017 para 1,9% em 2018).

taxa de crescimento da América Latina e Caribe

Na verdade o relatório da CEPAL vem confirmar a tendência de baixo crescimento da ALC, já mostrada pelos dados do FMI. O gráfico abaixo mostra que a ALC e o Brasil cresceram abaixo da média mundial nas últimas 4 décadas. E o mais grave é que a diferença, em relação à média mundial, nunca foi tão grande como na atual década. Isto quer dizer que a região está diminuindo o ritmo e se distanciando do que ocorre no resto do mundo.
Considerando a década 2010-19, o crescimento médio do mundo deve ficar em 3,85% ao ano, da ALC em 2,34% aa e do Brasil em 1,53% aa. Desta forma, a ALC deve crescer apenas 60,7% do que cresce o mundo e o Brasil cresce apenas 40%. Indubitavelmente, o desempenho do Brasil na atual década é tão ruim que puxa a média da ALC para baixo.

crescimento do PIB no mundo, América Latina e Caribe e Brasil

Isto fica claro no desempenho diferenciado da renda per capita (em termos constantes em poder de paridade de compra – ppp) nos diversos grupos de países. Nota-se que Brasil e ALC possuem renda per capita muito próximas, mas o Brasil que tinha uma renda per capita de US$ 11,2 mil acima dos US$ 10,7 mil da ALC, em 1980, ficou abaixo da média do continente desde 2014 e teve uma renda per capita de US$ 14,4 mil contra US$ 14,5 mil da ALC, em 2018.

crescimento da renda per capita América Latina e Caribe, Brasil e Ásia

Mas comparando com as economias avançadas, a ALC e o Brasil estão ficando cada vez mais distantes. Em 1980, as economias avançadas tinham uma renda per capita 2,2 vezes superior do que a renda da ALC e passou para 3 vezes em 2018. Já as economias emergentes da Ásia que tinham uma renda per capita de somente 12% da renda da ALC em 1980, passou para 76,3% em 2018.
Assim, fica claro que a ALC e o Brasil são economias submergentes e estão ficando para trás em relação ao desempenho médio do mundo. Para 2019, a estimativa do FMI é de uma renda per capita de US$ 14,7 mil para o Brasil, US$ 14,8 mil na ALC e de US$ 18,7 mil no mundo. Mas o que estava ruim tende a ficar pior, pois a perspectiva que a economia da ALC tenha um desempenho mais fraco em 2019 do que em 2018. Só com grandes transformações na região a ALC poderá romper com o ritmo de marcha lenta e passar a acompanhar o ritmo do resto do mundo, que também enfrentará dificuldades em 2019.

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

Referência:
CEPAL. Balance Preliminar de las Economías de América Latina y el Caribe, 2018


in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/01/2019

0 comentários:

Postar um comentário