"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Intervenção na Venezuela?

Resultado de imagem para venezuela

MANUEL CASTELLS

O confronto, interno e externo, na Venezuela atingiu limites dramáticos. A velocidade com que os Estados Unidos, a maioria dos países latino-americanos e instituições europeias e alguns dos principais países, incluindo a Espanha, se apressaram em reconhecer Guaidó como presidente legítimo exige reflexão e contenção.

E acima de tudo, explicação. Porque não é o único país, nem na América Latina nem no mundo, cujas instituições estão sob suspeita, a começar pela Guatemala, que recentemente expulsou a missão das Nações Unidas que vigiava a preservação dos direitos humanos. Ou continuando por Honduras, onde o terror das gangues sobre a população local levou milhares de famílias a um êxodo bíblico para a fronteira norte, onde esperavam as tropas americanas. Sem mencionar a Arábia Saudita, que, de acordo com informações jornalísticas confiáveis, pratica o assassinato seletivo de jornalistas críticos sem que ninguém desista de vender fragatas para servir aos seus propósitos explícitos de propagação fundamentalista islâmica, uma versão sunita.

A lista pode ser longa e detalhada, mas isso não é significativo. A questão é, por que a Venezuela? E quais são os planos de intervenção? E com quais consequências? A defesa dos direitos humanos  não se acredita nela  Trump, que deixa a Síria à mercê dos alauítas de Bashar al-Assad, ou o Afeganistão, o que sai de negociações entre talibãs e senhores da guerra. A resposta óbvia é "petróleo, estúpido", como foi na invasão do Iraque. Mas é uma resposta parcial. Ao contrário de Obama, Trump não intervém para defender os interesses dos Estados Unidos, mas os de seus amigos. E em sua base social, bem como nacionalista, racista e xenófoba são consórcios de energia antiecologistas, começando com as empresas Koch, que querem garantir o controle do cartel de energia sem ter que negociar com a Rússia, o Irão, a China ou a Venezuela.

Além disso, a Venezuela não é apenas petróleo, são grandes minas de ouro (na selva que faz fronteira com a Colômbia), depósitos de urânio e tório e, talvez, coltan, e contêm importantes reservas estratégicas. Uma vez libertado da pressão do Estado Islâmico, Trump agora se concentra no que sempre foi o quintal de sua casa: a América Latina. Não apenas em termos de apropriação de recursos, mas de dominação geopolítica. Um México que se tornou respondão, prudente, mas de forma independente, e uma Cuba que resiste e mantém boas relações com a União Europeia, e até mesmo a Nicarágua, Bolívia e Uruguai proclamam sua autonomia, a queda do Bolivarismo em seu coração venezuelano abriria a porta para a Grande América que retorna. E em meio a esses projetos neo-imperiais que confrontam um nacionalismo básico, milhões de venezuelanos estão presos, que não são conspiradores ou imperialistas, e que só querem comer e cujos direitos humanos são respeitados.

O ponto é que Maduro não está sozinho. A imagem projetada pela mídia do "presidente em seu labirinto" não é verdadeira. Há milhões mais, provavelmente menos do que aqueles que se opõem à continuação do regime, que permanecem fiéis, ideologicamente e por adesão política, baseados nas memórias dos governos corruptos de Carlos Andrés Pérez e outros democratas. E também porque eles têm acesso a certos tratamentos de favor.

De lá vêm os milhares de coletivos, muitos deles armados, nos bairros populares. Eles estão sendo integrados em forças armadas que, de acordo com todos os observadores, permanecem fieis ao bolivarismo, particularmente no topo da cadeia de comando, algo difícil de subverter o frio, outra questão é se houver uma invasão na qual eles veem quem tem a perder. Nessa capacidade de resistência, devemos incluir o G2, a inteligência cubana, provavelmente a mais sofisticada da América Latina, com moles plantados nos comandos militares. E no nível internacional, o apoio ativo da Rússia, China, Irã, Cuba, Nicarágua, Bolívia e a mediação do México e do Uruguai, assim como dos movimentos sociais em todo o continente, permitiriam ao regime de Maduro sobreviver em condições muito melhores do que Cuba fez isso. E esses países estão dispostos a traçar uma linha vermelha: não mais intervenções militares dos Estados Unidos (ou de outros países) na América Latina.

Eleições como solução? Sim, claro, mas havia eleições parlamentares vencidas pela oposição e eleições presidenciais que ganhou Maduro, provavelmente uma armadilha, mas a oposição boicotou, por isso seria assumido que você não pode fazer qualquer escolha com instituições Bolivarianas existentes . Mas isso não seria reconhecer o bloco dominante antes mesmo de começar a negociar. Portanto, a primeira questão é colocar tudo na mesa de negociações, sem presumir nada, como tentou Rodríguez Zapatero. Quanto mais negociação for encontrada, mais difícil será alcançar um verdadeiro diálogo. Francisco está disposto a mediar, mas apenas se ambas as partes quiserem e aceitarem os resultados. Por enquanto, Maduro está entrincheirado em uma legitimidade institucional herdada das primeiras sete eleições democráticas que levaram Chaves ao poder (não conto as últimas, provavelmente adulteradas). E Guaidó já se sente presidente pela graça de Trump e da União Européia. Seria um erro grave. Porque é assim que o conflito surgiu, as armas decidem. E as armas decidem em favor de Maduro, exceto por uma sangrenta intervenção militar da OEA (americana e colombiana) que desestabilizaria toda a região.

Aliás, na Venezuela se diz na Espanha que há prisioneiros políticos, mas na Catalunha só há presos políticos. Talvez devêssemos negociar a partir da realidade política, em vez de estigmatizar uma parte da cidadania aqui e ali. Uma negociação não pode começar da negação do outro.

0 comentários:

Postar um comentário