Exposição excessiva à poluição do ar aumenta em 34% o risco um AVC, diz estudo


O tom acinzentado do céu, especialmente em grandes cidades, é um dos maiores indícios da má qualidade do ar. A saúde responde em forma de olhos irritados, respiração pesada e um mal-estar indistinto. O acúmulo de partículas nocivas à saúde no ar, contudo, não causa apenas efeitos visíveis como esses. Reportagem de Gláucia Chaves, no Correio Braziliense.
Segundo dois estudos recentes — um [Ambient Air Pollution and the Risk of Acute Ischemic Stroke] feito pelo Beth Israel Deaconess Medical Center (afiliada da Universidade de Harvard) e outro [Exposure to Particulate Air Pollution and Cognitive Decline in Older Women] conduzido pelo Rush University Medical Center, ambos nos Estados Unidos —, quem se expõe excessivamente a ambientes poluídos corre 34% mais risco de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). O ar sujo também acelera a ocorrência de doenças ocasionadas pelo declínio das funções cognitivas, como o mal de Alzheimer. Os dois trabalhos foram publicados na edição de fevereiro do Journal of the American Medical Association (Jama).
Greg Wellenius, epidemologista e um dos principais pesquisadores envolvidos no estudo do Beth Israel Deaconess Medical Center, diz que a chance de uma pessoa ser hospitalizada por AVC é cerca de 35% maior em dias de poluição “moderada” — de 15 a 40 microgramas de partículas por metro cúbico —, quando comparado aos dias de poluição “boa” (veja infografia). O médico conta ao Correio que um dos principais motivos para que isso aconteça é a mudança que as partículas promovem “na função dos vasos sanguíneos, no sistema nervoso autônomo que controla a frequência cardíaca e a pressão arterial e nos maiores níveis de inflamação”.
O estudo foi feito com 1,7 mil pacientes com AVC e moradores de Boston, nos Estados Unidos. Ao longo de 10 anos, os pesquisadores analisaram as partículas mais finas, vindas de fontes como centrais elétricas, fábricas, caminhões, automóveis e da queima de madeira — e descobriram que o tamanho dessas impurezas do ar influencia diretamente no risco de derrame. “As partículas maiores ficam presas nas vias aéreas superiores, enquanto as menores podem penetrar mais profundamente no pulmão”, detalha Wellenius. Ele conta que, no trabalho, a equipe se concentrou no estudo das partículas finas, classificadas como material particulado 2,5 (PM, da sigla em inglês), uma vez que possuem 2,5 micrômetros ou menos de diâmetro. “Essas partículas geralmente atingem as vias aéreas inferiores”, completa.
Jennifer Weuve, professora assistente do Instituto de Envelhecimento Saudável do Rush University Medical Center, explica que a exposição crônica às partículas de poluição acelera a perda de habilidades fundamentais, como atenção, memória, percepção, linguagem e raciocínio. Um dos principais motivos para que isso aconteça envolve, inclusive, a descoberta feita pelos epidemologistas liderados por Greg Wellenius. “A exposição à poluição do ar aumenta os riscos de AVC e de doenças cardiovasculares”, enumera. “Os dois fatores estão relacionados aos casos de demências, pois muitas delas são precedidas por um longo período de declínio das funções cognitivas.”
Durante 14 anos, a equipe acompanhou 19.409 mulheres norte-americanas entre 70 e 81 anos. Jennifer conta que outra importante descoberta feita pelos pesquisadores foram evidências de que partículas muito pequenas podem entrar no cérebro e causar inflamações que também contribuem para acelerar o processo de perda de habilidades cognitivas. “Elas ocasionam alterações microscópicas típicas do Alzheimer, que é a causa mais comum de demência”, complementa. Se a exposição for a partículas maiores, com 2,5 a 10 micrômetros de diâmetro, o prejuízo cognitivo é ainda mais intenso.
Soluções
A associação entre ataques cardíacos e poluição é um tema que inquieta pesquisadores já há algum tempo. Krishnan Bhaskaran, epidemiologista da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, concluiu uma pesquisa em 2011 na qual avaliou a exposição de 79.288 pacientes que haviam sofrido ataque cardíaco a níveis de poluição atmosférica. A medição, feita de hora em hora, descobriu que o ar inadequado realmente acelera a probabilidade de o problema vir à tona. “Níveis mais elevados de poluentes estão associados a um maior risco de ataque cardíaco nas seis primeiras horas de exposição”, explica. Com o passar do tempo, o perigo diminuiu — mas, ainda assim, para as pessoas que provavelmente já iriam sofrer o infarto de qualquer maneira, o médico diz que “a poluição do ar antecipou o acontecimento em algumas horas ou dias”.

Ricardo Dias, membro da Sociedade Brasileira de Pneumologia (SBP) e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB), diz que a aglomeração das pessoas em grandes centros urbanos é um dos grandes problemas a serem contornados para minimizar essa exposição ao ar poluído. “O maior poluidor ambiental é o carro”, analisa. O médico acredita que só mesmo uma política em que o transporte individual não é encarado como a única opção é capaz de amenizar o impasse. “Esses poluentes competem com o oxigênio”, explica. “A curto prazo, as pessoas começam a ter infecções respiratórias e doenças alérgicas e, a longo prazo, surgem os quadros de bronquite, enfisema e até câncer de pulmão.”

Postar um comentário

0 Comentários