A desintegração da China rural


Em uma viagem no final do ano passado ao lar da minha infância em uma vila rural na China, descobri que meu irmão se escondia uma faca militar em seu cinto quando saíu de casa. Perguntei-lhe por que ele faz isso, e ele respondeu: "Não é tão seguro quanto antes por aqui"
A aldeia tranquila e idílica onde eu cresci, como muitas outras aldeias rurais da China foi rasgada pela quebra de normas sociais tradicionais, como resultado de décadas de políticas fracassadas e negligência do Estado. Muitos dos meus conterrâneos hoje preferem voltar aos velhos tempos.
A nostalgia como sentimento pode parecer estranho na China, que tem uma imagem da história recente do país marcado por lembranças das políticas desastrosas de Mao, nos anos após a revolução comunista de 1949 que causou a catástrofe econômica, a fome e a morte em massa. Mas minha geração que alcançou a maioridade após a Grande Fome e o fim da Revolução Cultural na década de 1970, evitou o pior dessas misérias. E de maneira tipicamente chinesa, meus ascendentes preferem não falar sobre os dias ruins.
Minha infância foi passada em um momento único para a China. Ainda nossas vidas eram a tradicional das aldeias, tendo deixado para trás os horrores de Mao, mas ainda longe da loucura capitalista. As famílias eram fortes, o crime inexistente e a paisagem natural. Nós não nos importávamos em  ser pobres - no terceiro e quarto anos da minha escola primária na década de 70, toda a escola faltava livros - porque não sabíamos o que precisávamos. Vivíamos em comunidades pacíficas, muito unidas.
Mas p tecido social tradicional chinês foi rasgado - e a desintegração é mais evidente nas áreas rurais, onde as famílias estão se desintegrando, o crime tem aumentado e o meio-ambiente está matando as pessoas. Muitos moradores decidiram que o estado tinha desaparecido de suas vidas privadas nas últimas décadas, agora clamam por intervenção do governo. Algo deve ser feito para reconstruir a vida agonizante da aldeia na China.
A partir do final dos anos 1970, as comunas foram divididos em agricultura familiar, o que levou a um aumento da produtividade e maior liberdade para os agricultores. Os camponeses de repente tinham o poder de decidir o que plantar, como fazer e como vender as suas colheitas e outros produtos. Muitos agricultores decidiram abandonar a terra para trabalhar nas fábricas em cidades que cresceram rapidamente ao longo da costa sudeste, trazendo dinheiro para casa, bem como um novo conhecimento do mundo exterior. Muitos trouxeram de volta muito necessário para construir as suas próprias habilidades de negócios. Esta idade de ouro foi comemorada como o triunfo da libertação econômica de Deng Xiaoping.
Este período de renascimento no campo terminou em meados e finais de 1990. O crescimento caótico do crédito bancário para explodir a impressão do Banco Central causou anos de inflação de dois dígitos que erodiram os ganhos rapidamente no campo e ajudou a expandir as lacunas entre as vilas e cidades. O salário médio mensal nas cidades aumentou desde algumas centenas de yuans duas décadas antes para 4.000 yuans (650 dólares) hoje, enquanto as receitas no campo caminharam para trás.
Mais importante, após a privatização da habitação pública pelo governo, os preços dos domicílios urbanos cresceram exponencialmente, cinco a seis vezes, em muitos casos, enquanto que o valor das casas aumentou ligeiramente em comparação. Muitos moradores rurais perderam para o boom imobiliário na China, o que contribui para a disparidade de riqueza entre cidades e o campo.
Os governos locais têm feito pouco para ajudar. À medida que mais e mais agricultores migraram para as fábricas nas cidades costeiras, diferentes níveis de governo locais se descuidaram e decaíram. Por fim, as fábricas foram construídas em cidades perto de aldeias rurais, poluindo lado e intoxicando rios e o ar. Especialistas estimam que a China tem mais de 450 aldeias cancerígenas, povos onde os casos de câncer excedem em muito as taxas médias. Os moradores pagaram um preço alto. Alguns moradores do meu povo morreram de enfermidades desconhecidas em seus 40s e 50s anos.
O estado da aldeia da casa  da minha família em Jingmen, província de Hubei, é comum na China. Seus caminhos não são mais transitáveis, porque eles não são mantidos por mais de uma década. Edifícios comunitários foram demolidos; a última vez que eu estava lá só vi telhas quebradas e pó em todos os lugares.
As famílias rurais estão sofrendo. A taxa de suicídio no país é três vezes maior do que nas cidades segundo os informes de 2011. Meu tio, que vivia em um barraco improvisado depois de seus filhos mais velhos o expulsassem de casa, se enforcou, há quatro anos e nunca conseguiu superar a morte de sua esposa, dois anos antes.
É comum que ambos os pais deixem seus filhos em casa na aldeia, enquanto trabalham em fábricas em outros lugares. Cerca de 60 milhões de crianças sofrem esse destino; mais são deixados aos cuidados de seus avós, mas mais de 3 por cento - milhões de crianças - vivem sozinhos. Crianças que ficam muitas vezes têm de lidar com a solidão (muitos não têm irmãos) e a impotência. Alguns relatos dizem que o abuso sexual das crianças aumenta.
Enquanto isso, um número crescente de crianças da zona rural abandonas a escola. Um estudo sugere que, pelo menos, 20 milhões de desistências nas zonas rurais, ou 1 em cada 10 jovens moradores. A escola primária, onde estudei na década de 1970 foi fechada há uma década devido ao número de estudantes em declínio. Como resultado, as crianças da aldeia tem que viajar mais de cinco quilômetros de estradas de terra todos os dias para ir à escola.
Em muitos casos, os homens vão trabalhar nas cidades, enquanto suas mulheres ficam com as crianças na aldeia. Só se veem alguns dias por ano. A distância, o estresse emocional e a frustração desestruturas as famílias.
De acordo com a revista semanal de Aprendizagem, a taxa de divórcio rural na China cresceu quatro vezes entre 1979 e 2009. Lianhe Zaobao, um jornal, em Cingapura, e inúmeras publicações do governo relataram que, em muitas partes da China rural reina a anarquia, com aumento das taxas de crime e fraude eleitoral.
Esforços de Pequim para descentralizar a governação do país durante as últimas décadas têm desempenhado um papel importante nesta decadência social. As eleições de chefes de aldeia são muitas vezes manipuladas e a corrupção é desenfreada. A retirada do Estado deixou um perigoso vácuo de poder, e muitos moradores foram abandonados à própria sorte. Há muitos rumores de grupos mafiosos no poder na sombra.
O crime, raro na era comunista, está a aumentar. As estatísticas são difíceis de encontrar: a polícia não publica. No campo, apenas os crimes mais extremos são investigados, mas até mesmo alguns casos horríveis são ignorados. Vários anos atrás, meu primo foi espancado quase até a morte por um aldeão e sua família em uma disputa sobre um caso extraconjugal. Minha irmã informou dita atrocidade à polícia, mas nunca investigou o caso.
Nos velhos tempos, os funcionários da aldeia e municípios tinham o poder e os recursos para mediar disputas, incluindo a violência doméstica. A polícia patrulhava mesmo as aldeias mais remotas. A polícia de hoje parece reservada para cidades e chefes de aldeia não têm os recursos para intervir em questões sociais. A abolição de uma "agricultura fiscal", cerca de dez anos atrás, tem contribuído para as restrições orçamentárias dos governos locais.
Enquanto o governo continua obcecado com as taxas de crescimento econômico, a desigualdade no país e um ambiente degradado - especialmente nas aldeias - são muito maiores desafios. Digam o que digam os liberais radicais sobre as conseqüências indesejáveis do estado, muitos chineses rurais, particularmente os pobres, como os meus parentes e conterrâneos, querem mais intervenção do governo. Os agricultores estão formando grupos de peticionários em vários lugares, exigindo que o governo intervenha em disputas de terra em relação à poluição e fraude eleitoral.
A miséria na zona rural chinesa é grave, mas tem uma solução. O governo e as pessoas devem sair das sombras e dar prioridade à reconstrução da vida da aldeia. O estado tem os recursos financeiros e conhecimentos para o fazer. Só precisa querer.
Joe Zhang, foi um dos diretores do Banco Popular de China, e autor de Party Man, Company Man: Is China’s State Capitalism Doomed?

Postar um comentário

0 Comentários