"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

sábado, 20 de julho de 2013

Entender a violência com os protestos

Todos já devem estar cansados de ouvirem na grande mídia desde que se iniciaram os protestos em Julho pelo Brasil sobre os protestos serem "pacíficos e ordeiros" e agora que a Classe média diminui sua presença e os protestos se concentram nas organizações sociais a mídia passa a usar os danos causados para criarem a imagem negativa dos atos.

Mas essa mesma mídia construiu e propaga diariamente a política do medo em cima da temática da violência social devastadora na sociedade brasileira, ela engana quanto a esse assunto direcionando para esse drama. O drama e o sensacionalismo controlam as pessoas diante da TV e não o contrário. 

"Nos últimos quatro anos disponíveis foram contabilizados – 2008 a 2011 – um total de 206.005 vítimas de homicídios, número bem superior aos 12 maiores  conflitos armados acontecidos no mundo entre 2004 e 2007. Mais ainda, esse  número de homicídios resulta quase idêntico ao total de mortes diretas nos 62  conflitos armados desse período, que foi de 208.349" (Mapa da Violência).

A sociedade se põe contra a violência, claro muitas vezes desconhecendo o real foco do problema mas é plenamente possível que se aprenda nas ruas, em uma sociedade tão violenta a quebra de vidraças de bancos, lojas etc é menos drástica do que a perda humana nos dois ângulos da violência homicida e que é um grave problema social fruto das desigualdades.

O Rio Grande do Norte, por feliz coincidência  na vanguarda desses movimentos na capital: Natal, passou entre 2001 e 2011 passou da 24ª posição no ranking dos estados com maior número de homicídios para a 10ª colocação, no Rio Grande do Norte o noticiário policial é uma praga, é o produto mais consumido da "imprensa" local, totalmente centrado na política do medo, soluciona tudo com mais polícia, mas severidade nas penas, ora a Inglaterra diminuiu a violência reduzindo o número do contingente policial. E o que é pior emissoras como a TV Tropical, afiliada da Rede Record no RN e a Inter TV Cabugi, afiliada à Rede Globo pertencem a políticos que exercem cargos eletivos o que é proibido na Constituição: Isso não é vandalismo?

Esse status quo não resolve os problemas sociais por que isso é assunto para as ruas, inclusive como lembra Rosa Luxemburg o povo nas ruas "banha constantemente os organismos representativos, penetra-os, orienta-os". O Brasil com suas instituições carcomidas, distantes da sociedade precisam ser penetradas pelas massas nas ruas

0 comentários:

Postar um comentário