"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

domingo, 8 de setembro de 2013

Manuel Castells: Bombardear a Síria

A decisão está tomada e o dispositivo militar a posto no Mediterrâneo e na Turquia. será um ataque com mísseis à distância guiados por satélites que monitorarão as mudanças de posição das forças de Assad. Se apoiará em aviões ingleses e franceses desde a Turquia e o Chipre e B-52 desde os Estados Unidos. Embora  não poder destruir a máquina militar do ditador, o objetivo é atrapalhar a logística de bombardeio : inutilizar aeroportos, destruir as baterias de  foguetes e ade rtilharia e anular as comunicações. Eles não podem atacar as armas químicas armazenadas, porque elas estão no meio de áreas povoadas. Na verdade, em algumas hipóteses prevê a possibilidade de que o exército sírio faça uso de algumas dessas armas detonanda no meio população acusando os americanos. É possível que o enfraquecimento da capacidade de combate seja explorado pela oposição armada de Assad. Mas não trará impacto decisivo sobre o terreno, porque as forças de elite são guardas pretoriano controladas pelo irmão de Assad (a quarta divisão mecanizada); porque a milícia do Hezbollah libanês, aliada de Assad  por delegação do Irã, é muito efetiva, e porque a Rússia mantém um fluxo de armas para o regime sírio. Então, por que esse bombardeio , com alto custo político envolvido para Obama?

Curiosamente, desta vez é uma questão de princípio na geopolítica mundial. O uso de armas químicas contra a população civil (das quais há evidências confiáveis da resistência  Síria ) constitui uma escalada qualitativa na barbárie deste mundo. Apesar  de que todas as armas matam e as bombas convencionais poderem ser ainda mais letais em número de vítimas, o horror da guerra química é algo que tem definido o seu logomarca na consciência universal desde a Primeira Guerra Mundial. Deixar impune uma matança por arma química cria um precedente que pode ser aberto por meio do uso de armas biológicas ou nucleares. Pelo menos isso é o que Obama pensa. Então, ele traçou a linha vermelha que a Síria não devia atravessar  e agora é forçado a agir ou corre risco de perder toda a credibilidade. Em que pese em seus escrúpulos  intervir militarmente quando prevê o cumprimento de seu objetivo principal : por fim as guerra  em que o seu país está preso desde a  loucura do Iraque e do Afeganistão. Acontece que as mentiras e cinismo que caracterizou a administração Bush no Iraque fez o mundo duvidar agora que as coisas são como Obama diz . A diferença está que, enquanto Bush queria guerra, Obama está indo contra a sua política de apaziguamento internacional , sabendo que isso vai levar a um confronto com a Rússia e pode frustrar as negociações em curso com o Irã , possíveis após a eleição de Rohani . Obama queria intervir na Líbia e no final ele fez de  modo muito limitado pela pressão interna de Hillary Clinton, Susan Rice e Samantha Power e desde que o Reino Unido e a França levaram o peso dos bombardeios. Algo que não vai acontecer na Síria, embora não haja participação de tanto poder militar porque é Assad muito superior e requer a capacidade tecnológica dos EUA para uma grande operação punitiva.

Mas o custo político da operação será elevado para os EUA O mundo está cansado de bombardeios com drones, espionagem maciça. Ressurge a imagem do Império todo poderoso que se atribui  todos os direitos por sua superioridade tecnológica e militar. Neste contexto, até mesmo uma ação que poderia ter uma certa quantidade de motivo para conter a selvageria de um tirano sanguinário que matou cerca de 100.000 compatriotas para permanecer no poder ver questionada sua legitimidade. Mesmo nos EUA a maioria do público é contra . Em parte por pacifismo, em parte também pela indiferença a um mundo já à deriva de que já não querem  se sentir responsáveis. A ONU não pode aprovar a intervenção, porque a Rússia protege Assad. Não em vão tem a Síria a única base naval fora do território russo. E a opinião pública europeia também é contra, por mais que Hollande queira  ressuscitar a velha proteção  francesa sobre a Síria  e o Líbano. Assim, Obama é submetido à votação do Congresso ( que vai ganhar ) e que tenha viajado para o G-20 para explicar e obter algum apoio internacional. Mas o ataque vai ocorrer e será mais devastador do que se pensa, de acordo com meus informantes, apesar de não decidir a guerra no chão, exceto se induzir deserções em massa.

E a Síria, em tudo isso? Lembre-se do processo dramático. Em 2011 houve um movimento social contra a ditadura , no contexto da Primavera Árabe. Foi democrático e não religioso, emergiu de indignação resultante da tortura de adolescentes que haviam pintado contra o regime , e por seis meses foi expressa em manifestações pacíficas que foram repetidamente massacradas, com dez mil pessoas mortas. Em seguida, alguns grupos pegaram em armas. E havia abutres precipitados da geopolítica. A Arábia Saudita viu uma oportunidade de ganhar terreno em sua guerra santa sunita contra o Irã xiit . Apoiado pelos Emirates, o Qatar e a Jordânia. Porque a Síria é de maioria sunita, mas tem uma minoria alauíta (ramol do xiismo) ocupando todo o poder, apesar de ser apenas 12% da população, porque eles são mais nas forças armadas. E há uma minoria cristã, importante no mundo dos negócios, que teme um avanço sunita  islâmico. Então Assad resiste, porque parte da população apoia-o desesperadamente com medo de represálias da maioria sunita. E porque o Irã , Rússia e China ( por conexão iraniana ) estão com ele. O que começou como um grande movimento democrático torna-se uma terrível guerra civil alimentada pelas grandes potências. Por isso  Assad ressuscita a guerra química  para evitar a derrota , expandindo a crise. E por isso os EUA, mesmo desacreditados em sua ação, terá que agir, entretanto, a Europa revela novamente sua impotência .

Manuel Castells é Professor de Sociologia da UOC em Barcelona.
La Vanguardia , 7 de setembro de 2013

0 comentários:

Postar um comentário