"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

terça-feira, 15 de julho de 2014

Manuel Castells – Deus sobe, a Igreja cai na América Latina

O principal fator do declive do catolicismo na América Latina há sido que a Igreja se identificara com as élites políticas e econômicas.
papa francisco Manuel Castells   Dios sube, la Iglesia baja en Latinoamérica
O sentimento religioso é uma dimensão essencial da experiência humana. Seu conteúdo emocional sobreviveu aos horrores e manipulações cometidos em seu nome. Porque a nossa vida é marcada pelo sofrimento e decepção e precisa de consolo e refúgio que vá além da família, porque esta nem sempre funciona. E além da vida para superar a angústia da nossa única certeza: temos data de expiração. 

É nessa necessidade de conforto nesta vida e projetamos em outra mais justa onde anidam as crenças religiosas, na diversidade na qual Deus se manifesta. 

Assim. contrastando com uma percepção distorcida pelo secularismo europeu, a proporção de pessoas religiosas aumentou de 83% da população mundial em 1980 para 89% em 2010. 

No entanto, nem todas as religiões estão igualmente envolvidas nesta espiritualidade crescente. Há uma exceção: a Igreja Católica. A porcentagem de católicos no religioso caiu de 22% em 1980 para 17% em 2010 e sua participação na população mundial de 19% para 15%. 

A religião com mais fiéis é a muçulmana, e também a que mais cresce, aumentando  4% entre 1980 e 2010, enquanto os católicos desceram 2,1%. O Hinduísmo também aumentou, de 2,5%, e "outros cristãos", especialmente pentecostais,  1,1%, enquanto os budistas e judeus são estáveis​​. 

É significativo que a categoria que mais decresce é a de  não-religiosos, com queda de 4,2% em três décadas. Esta diminuição dos incrédulos é particularmente acentuada na Europa, com a qual a crença eurocêntrica no laicismo é um dado obsoleto extrapolado pelos intelectuais aspirantes a tornarem-se sacerdotes racionalistas  das massas intelectuais supersticiosas. Mas há um fenômeno inverso na América do Norte, o único lugar onde o "outro cristão" (protestante) diminuiu 10%, o mesmo percentual de aumento dos não-religiosos. 

América do Norte experimentou uma ascensão do secularismo quando ele começa a diminuir na Europa. Mas recuam os católicos nos Estados Unidos. Da mesma forma, há um aumento de 5% em não-religiosos na América Latina. 

O declínio do catolicismo não é devido à demografia, porque a América Latina, a principal região católica, mantém o crescimento da população, mas registrou uma queda de 15% de católicos, enquanto "outros cristãos"  aumentaram em 14%. O movimento evangélico dos católicos é particularmente forte no Brasil, o maior país católico, enquanto que no Chile, Argentina e México o laicismo é outro fator de declínio da influência da Igreja Católica, especialmente entre os jovens. 

Em Espanha não há declínio significativo na filiação católica porque há pouca concorrência para a Igreja Católica, mas aqui a crise manifesta-se por um declínio significativo na prática religiosa: 15%, a mais alta do mundo, também superior ao do Brasil, onde o prática religiosa (que não seja de adesão) caiu em 10%. 

A única região em que a Igreja aumenta sua influência, embora apenas 3%, é a África. Talvez pela permanência de um espírito missionário e instituições distantes em um ambiente geralmente hostil. 

A que se deve o declínio do catolicismo, particularmente na América Latina, reserva histórica da Igreja? Estudos apontam vários fatores que contribuem. A incapacidade da Igreja para reconhecer os direitos das mulheres dentro dela, mantendo o veto ao sacerdócio e mostrando-se intransigente no direito da mulher sobre seu corpo. 

A posição totalmente insustentável em relação à sexualidade, que ainda está ligada à reprodução, em flagrante contradição com a prática da juventude que assim vivem permanentemente em pecado. O véu que sempre foi executado sobre pedofilia na Igreja, mesmo em seus altos escalões. Indo para consentir com o abuso sexual por anos do pederasta padre Maciel, fundador e patriarca dos Legionários de Cristo. A resistência da Igreja, até recentemente, a reconhecer a freqüência de pedofilia dentro dela causou um descontentamento enorme em países como os Estados Unidos. 

Mas o fator mais prejudicial para a Igreja tem sido a sua identificação na América Latina, mas também em Espanha e Itália, com as elites econômicas e políticas. 

Seu profundo envolvimento com as instituições do poder a tem distanciado dos problemas do cotidiano dos pobres, principalmente na América Latina, que vêem a Igreja como a Igreja dos ricos e poderosos, apesar dos inúmeros exemplos de heroísmo individual dos sacerdotes, freiras e leigos nas favelas e entre os marginalizados, como exemplificado pela Comunidade de Santo Egídio. 

Esse vácuo do catolicismo entre os pobres foi preenchido em parte por cultos evangélicos, embora muitos, muitas vezes explorem seus paroquianos, retirando-lhes o  pouco que têm em troca de um contrato de salvação garantida. 

As atribulações da Igreja Católica não deveriam deixar indiferentes aos que não se sentem parte dela. Porque em uma situação de crise e de redes de vulnerabilidade necessária de solidariedade e de esperança para manter a fé na vida e em outras. 

E, em nossa cultura, a crise de confiança na Igreja é fator de desamparo agravante da crise. 

Daí a importância do esforço evangelizador Papa Francisco convocando os bispos para estarem com as pessoas, dando um exemplo de modéstia e graça em sua vida, limpando as finanças do Vaticano de conexões com a máfia, denunciando o abuso sexual e pedindo perdão. 

Se o seu ministério  fracassa perderemos, depois e haver perdido a confiança nas instituições políticas, um outro elemento essencial da convivência humana. Apesar de sempre ser Deus, não depende de burocracias.
Artículo de Manuel Castells en La vanguardia.

0 comentários:

Postar um comentário