"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Dívida mundial chega a 200 trilhões de dólares. O mundo se aproxima da quebra?


Por Marco Antonio Moreno - El Blog Salmón



Global Debt 2014 

O mundo está hoje inundado de dívida do que antes da eclosão da crise financeira, em agosto de 2007 e o perigo latente de instabilidade vai durar por muito tempo. De acordo com o mais recente relatório da consultoria Global McKinsey, a dívida global, em relação ao PIB é agora muito mais volumosa do que era há sete anos. Isso confirma que as políticas implementadas pela troika falharam em toda a linha. A austeridade, os cortes no orçamento e os resgates do sistema financeiro têm apenas disparado a dívida para níveis insustentáveis. Nos 22 países industrializados e 25 grandes economias emergentes que investiga o relatório, a dívida aumentou em $ 57 trilhões de dólares, passando de 142 trilhões no final de 2007, para 199 trilhões em meados de 2014.
O endividamento nas mãos de cidadãos, empresas e governos subiu para 286% do PIB global, em comparação com 269% em 2007. Isso significa que a dívida, longe de se reduzir como esperado por aqueles que promoveram as políticas de cortes de austeridade e do orçamento, aumentou. Ao invés de reduzir a dívida, as principais economias estão agora muito mais endividadas do que antes da crise e isso cria novas ameaças à estabilidade financeira, uma vez que poderia minar o crescimento global e trazer o mundo para a falência. A dívida desempenha um papel crucial nos ciclos de altos e baixos e uma dívida muito alta em condições de estagnação econômica aumenta as flutuações e as vulnerabilidades da economia.

China entre os mais endividados
 
Os países onde a dívida subiu mais rapidamente são a Irlanda, onde ela cresceu 172% em relação ao PIB entre 2007 e 2014, seguido por Cingapura (129%), Grécia (103%) e Portugal (100%). Na Espanha, onde antes da crise a dívida pública situava-se em cerca de 34%, aumentou para 92 por cento. Mas é na China onde a dívida quadruplicou entre 2007 e 2014 para atingir os 282 por cento do PIB, principalmente devido ao grande volume de dívida financeira e o desenvolvimento explosivo da banca paralelo.

A dívida da China passou de US $ 7 trilhões em 2007 (U $ 7.000.000.000.000) para 28 trilhões de dólares em meados do ano passado, impulsionado pelo setor imobiliário e pela banca paralelo. O peso da dívida chinesa em relação ao PIB é agora maior do que os Estados Unidos ou a Alemanha e até agora o governo chinês tem habilmente conseguido um abrandamento do crescimento econômico para clicar e parar a bolha imobiliária. Se a China será capaz de evitar uma correção mais acentuada é uma das principais questões que pairam sobre a economia global.

O caso do Japão também é preocupante. O país mais endividado do mundo tem uma relação dívida/PIB de 400 por cento. Desde 2007, a dívida aumentou 64 pontos percentuais, confirmando que seus problemas são anteriores à eclosão da mais recente crise. Seus custos de endividamento permanecem surpreendentemente baixos, o que se reflete na deflação de preços e forte demanda doméstica por títulos do governo. A terceira economia mundial também é uma grande questão uma vez que a enorme dívida diminuiu sua força.

O relatório McKinsey observa que há pouca evidência de que a trajetória crescente da dívida vai mudar no curto prazo, isso pode abrir novas vulnerabilidades no sistema financeiro. Altos níveis de dívida podem tornar mais difícil para os bancos centrais "normalizar" a política monetária, sem interromper a economia real. O Federal Reserve dos Estados Unidos este ano planeja elevar as taxas de juros pela primeira vez desde 2006, porque os elevados níveis de endividamento são um sinal de problemas estruturais graves. O atraso deste momento tem incubado novas bolhas, mas o inevitável aumento nas taxas desencadeará novos medos.

0 comentários:

Postar um comentário