Bons moralistas e maus cidadãos

"Prefeito não tem pai"

Esta frase foi proclamada por Graciliano Ramos, o escritor de Vidas Secas e São Bernardo além de um dos maores escritores de nossa literatura, foi o maior exemplo de gestão pública improba e impessoal. Disse que prefeito não tem pai depois que resolveu retirar os animais das ruas de Palmeira dos índios nas Alagoas e foram presos os porcos de sua pai que fora à Prefeitura tirar satisfações.

Prefeito não tem pai, mãe, irmãos parentes etc, devia estar escrito à entrada dos gabinetes de qualquer gestor público. É, mais apesar de sermos bons moralistas preferimos as trapaças, convivemos com ela e depois de serem reveladas dizemos que falta punição. Prendam todos! é assim que reagimos com a trapaça, fascismo, precisamos sim de olharmos para nossa própria percepção sobre nós mesmos e não vermos santos perfeitos.

Quem conhece o exemplo de Graciliano! Quem resiste a não favorecer um "amigo" quando temos a posição pública em nossas mãos?

Além disso tudo, votamos em "santos", e não culpo nem tanto a consideração particular daquele que se passa como um e sim dos seguidores. É comum oligarcas no Brasil se candidatarem com um slogan, "Caçador de marajás", quem não lembra,ora, o santo já sugere um personalista prestador de favores.

Ridículos são os conservadorismos, "Bandido bom é bandido morto", "todos que usam drogas são vagabundos", "os que mendigam são vagabundos". E os que dizem que falta ética nos outros e não para no sinal vermelho?

Postar um comentário

0 Comentários