O Oligarquismo que mata o RN

Dinarte Mariz foi aquilo que podemos chamar de coronel completo, fazendeiro da região do Seridó do Rio Grande do Norte e "líder" político local; conseguiu chegar ao cargo de governador do estado e consequentemente senador biônico pela ARENA. Dinarte é dos coronéis do Seridó que desbancam do poder a oligarquia Maranhão. É é aí que surge a divisão entre verdes (bacuraus) e vermelhos (bicudos) mais robusta; Aluísio Alves rompe com o grupo de Dinarte, o primeiro passa a representar os verdes. Nessa época incrementa-se o eleitorado.

O herdeiro da influência de Dinarte foi Tarcísio Maia, "líder" dos Maias, que entre 1975 e 1986, mantiveram no poder três governadores, Tarcísio, Lavoisier e José Agripino Maia. No Seridó esse grupo passou a contar com o demagógico Vivaldo Costa, "médico", que se roga sucessor de Dinarte, e o pior, como se suceder um coronel fosse algo bom.

O Clã dos Alves foi fazendo um patriciado familiar de profissionais políticos, Aluísio, Garibaldi "Pai", Agnelo Alves, Henrique Eduardo Alves (Candidato a governador pelo PMDB este  ano),Garibaldi Alves Filho, Walter Alves (Filho de Garibaldi) etc, etc...Falar de oligarquias do RN dá nó na cabeça.

Ma, retornando para Dinarte, há verdadeiros "causos" acerca de sua conduta: como o do sujeito que vai conduzindo um caminhão carregado de melancias quando é barrado por guardas de trânsito sem carteira de habilitação, para se livrar de problemas com a justiça o sujeito diz que ia para a Fazenda de Dinarte e é imediatamente "liberado". Em outro, uma mulher vai até Dinarte à procura de emprego, ele oferece uma vaga como professora, a mesma diz que sequer sabe ler, então Dinarte diz "aposenta".

Esses "causos" explicam a conduta dos oligarcas e da "consciência" brasileira para com os chefes do executivo, eles têm que ser "messiânicos"; o legislativo é meramente para "arrumar coisas", pedir esmolas; o executivo é somente o que se pode ter como governo.

Esse oligarquismo perdura no RN porque a população, grande percentual de analfabetismo ou analfabetismo funcional, talvez mais de 80% não consegue distinguir. Este ano houve a volta ao ponto original, já cansadas os maias (representando Dinarte) e os Alves se reuniram como havia sido no início, agora sobre o rótulo da união pelo Rio Grande do Norte, inclusive, a chapa adversária com Robinson Faria e José Dias é aparentada dos membros da chapa encabeçada por Henrique, são duas chapas, mas na verdade é uma só.

Outro dia eu ia caminhando nas ruas de Caicó visualizei uma criança voltando para casa pois não tinha aula, os professores iniciavam greve, uma senhora falou: "essas pragas que têm salário e fazem greve e imagine eu que não tenho"; que situação, falou o que podia falar, como aceitar quem não tem salário nenhum que quem o tem faça greve? Por outro lado, essas pessoas não conseguem fortalecer socialmente a escola, esta se torna quarto de despejo, como seus problemas girando no tempo.

Postar um comentário

0 Comentários