O decrescimento que vem

"Se as tendências atuais de crescimento da população mundial, industrialização, poluição, produção de alimentos e esgotamento dos recursos continuar, este planeta alcançará os limites de seu crescimento ao longo dos próximos cem anos. O resultado mais provável seria um declínio súbito e incontrolável na população e na capacidade industrial."

Donella Meadows e outros, 1972 

Quase meio século depois da publicação de Os Limites do Crescimento de Donella e Dennis Meadows, especialistas como Íñigo Capellán-Pérez e Margarita Mediavilla continuam a confirmar com novos estudos não só a validade dessa previsão, mas também advertindo que poderia estar mais perto do que nunca para cumpri-la. Previsões vão desde as mais pessimistas, segundo a qual uma queda acentuada nas sociedades industriais começará antes do final desta década, até mesmo os mais otimistas no realista,  que colocam uma queda mais gradual e escalonada a partir de 2030 ~. No entanto, mesmo a descida mais gradual que se possa imaginar não vai ser tão lenta como a escalada. É o que Ugo Bardi e Gail Tverberg respectivamente chamam  de "efeito Seneca" e os "ciclos seculares".

shape of typical secular cycle

No caso de esgotamento dos recursos fósseis, já é um segredo aberto que estamos nos aproximando em alta velocidade do pico da produção da principal fonte de energia e riqueza conhecida que é o petróleo, também chamado peak oil, combustível que sustenta quase toda a infra-estrutura que conhecemos hoje e através do qual se sucederam, progressivamente, outros picos: o pico do gás, urânio, carvão, metal, etc Escusado será dizer que sempre haverá combustível em termos geológicos, mas o que importa é que sua extração é cada vez mais cara em termos econômicos. O ritmo de queda vai depender da reação de um sistema financeiro que já estaria mostrando alguns sinais alarmantes de uma crise futura: a dívida global a níveis recordes, os salários e os preços do petróleo, etc

tverberg estimate of future energy production

De qualquer forma, os autores Antonio Turiel e Gail Tverberg concordam que energias fósseis e nucleares de extração 'barata' em breve vão se tornar escasso e que as energias renováveis ​​não serão suficientes para satisfazer até um quarto da demanda energética atual. Uma redução feita de maneira assemblear pelos habitantes de cada município seria hoje a alternativa mais desejável, embora dificilmente a mais provável. Com os dados em mãos,  não acho que estou colocando um falso dilema, se eu disser ou fazê-lo para o bem, agora na horizontal, ou o que nós temos que fazer do jeito mais difícil, depois e verticalmente.


É possível evitar a queda com nova energia e/ou tecnologias? Certamente que não. No entanto, ainda permanece no imaginário coletivo um mal-entendido sobre o passado que deve ser observado, que argumenta que novas fontes de energia foram substituindo às antigas como estas foram se esgotando e, por essa razão, agora esperemos que o mesmo vai acontecer com os combustíveis fósseis, mas nada está mais longe da realidade. Primeiro porque não é isso que aconteceu, e segundo porque, mesmo se fosse verdade, o fato de que o petróleo e o gás natural têm alongado mais de um século a festa de crescimento iniciado pelo carvão não se segue que existem combustíveis alternativos de energia e rentabilidade semelhante.

Da mesma forma que o aumento do consumo de carne no Paleolítico não substituiu vegetais, mas proporcionou maior valor biológico da proteína para a nossa dieta, petróleo e gás não veio para substituir a indústria do carvão morrendo, mas complementar, aumentando, assim, o metabolismo da energia total reivindicado por algumas sociedades dependentes de crescimento. A prova de que o carvão não tinha atingido o seu auge no século XIX é que a produção tem crescido nas últimas décadas a um ritmo nunca visto. Além disso, o carvão também substituiu a madeira, assim como a  nuclear ou renovável substitui o petróleo. No melhor dos casos eles se complementam por alguns anos até que atinja o seu apogeu e arrastá-o.

Em outras palavras, todos esses recursos vêm operando de forma encoberta e quando combustíveis fósseis atingem e excedem o pico da produção mundial, o que nunca aconteceu antes com qualquer outra fonte, não só não aparecerá nada parecido, para substituir mas sim afetará inevitavelmente outras energias, já que todas, antigas e modernas, têm se beneficiado de seu extraordinário aporte material e energético, assim como aconteceria se as fontes de energia de outros biocombustíveis, como a água (pico de água) ou solo arável (pico do solo) começassem a declinar.

Pela primeira vez na história da humanidade se quer fazer uma transição a partir de fontes renováveis ​​partindo-se de um declínio que iria alimentar essa transição. É um techno-otimismo que ignora a história; típica de talvez o maior viés cognitivo e mito cultural que hoje restringem as mudanças reais que temos de nos adaptar.

Está a política preparada para a redução? Não, e não apenas a política conservadora, mas a progressista. Nem mesmo  socialismo- o real, o teórico e o dos práticos que levam a praticas- defende a diminuição. Aparentemente, as duas principais correntes políticas do Ocidente, o liberalismo e o socialismo de Estado, ainda acreditam no crescimento econômico e expansão territorial como a melhor solução para os nossos problemas, assim como fazem as pragas quando os meios e circunstâncias são favoráveis. Inclusive outros, socialismos denominados acrescentistas, ecopolítica, estacionários ou ecossocialistas, a meio caminho entre o crescimento pelo crescimento e a redução pela redução, continuam, apesar de suas boas intenções inventivos e enquadrados dentro do statu quo, uma vez que, consciente ou inconscientemente reforçam a existência da maioria das estruturas sociais e instituições que apoiaram o socialismo e o liberalismo, eles nos trouxeram aqui, como o Estado, a burocracia, o parlamento, a lei, a propriedade, o mercado, tanto a moeda única privada e, agora, o "social" - o trabalho assalariado, o economicismo, a cidade, as forças armadas e de segurança, a escola, a prisão, o patriarcado, o progresso tecnológico os meios de comunicação de massa, indústria, hyper, a divisão do trabalho em compartimentos estanques, estratificação social, centralismo e hierarquia. Instituições sem as quais teria sido possível ultrapassar os limites biofísicos do planeta e que, portanto, é provável que continue superando-os até  ficarmos sem, nunca melhor dito, gasolina.

Se inclusive o presidente amigo da Pachamama, o indígena Evo Morales, sucumbiu ao canto da sereia não só de gás e petróleo, mas também da energia nuclear, o que podemos esperar aqui na Espanha dos socialistas Pablo Iglesias (pode), Pedro Sanchez (PSOE), Alberto Garzón (IU) e Florent Marcellesi (EQUO), os políticos ainda mais "civilizados" do que suas contrapartes do sul? O mesmo é verdadeiro de José Mujica, autor do importante discurso ambiental na ONU e considerado por muitos como um dos poucos presidentes que são admiráveis​​, embora, de acordo com o website Sustentável Uruguai: para um país sustentável e produtivo, o seu governo optou claramente por crescimento, promovendo a indústria florestal, megamineradora, as plantas de regaseificação, biocombustíveis e no campo de "renovável" (veja a resenha de Amorós), todos sem descurar as boas relações com óleo com declarações dos Recursos Nacionais aquáticos, revelando como este: "Nós não queremos petróleo e crescimento a qualquer custo, mas com o desenvolvimento sustentável, a justiça social ..." e assim por diante.

No entanto, que pode estar pensando em como dividir a propriedade em nosso mundo moderno, ambos apoiantes e opositores do socialismo concordam com o pré-requisito para resolver tal problema. Este pré-requisito é a produção. (...) Produza para vender, ou produza para distribuir o próprio processo de produção não só é contestado por ambos os lados, mas reverenciado, e não é exagero quando se diz que, aos olhos da maioria, tem hoje algo sagrado.


Tal como os políticos e os economistas ocidentais - incluindo os da economia ecológica - apresentam os conceitos de 'crescimento sustentável', 'crescimento seletivo' e 'crescimento zero' é um paradoxo, uma contradição em si. Continuar no caminho do crescimento qualquer que seja sua reformulação burguesa -Crescimento indiscriminado ou seletivo, o PIB verde ou PIB, com base em bens materiais ou bens relacionais, norte e sul ou sul-somente não é desejável e em breve não será mais possível. E o que é pior, maior será a pior tentativa a descida. Felizmente, porém desoídamente, muitas vozes perto do anarquismo eco Há muito que se propõe que a única maneira razoável para a frente não é a criação de mais postos de trabalho em "setores estratégicos" ou ser mais competitivo com o exterior, mas autogestionadamente distribuir o trabalho lá, fazer sem esses comércios considerar insustentável a médio e longo prazo, estou a pensar em grande parte dos sectores secundário e terciário, promover o êxodo urbano, pergunta e, se possível, deixar a maioria das instituições existentes e redistribuir a riqueza, gostemos ou não , é obrigado a diminuir. Em última análise, 99% achavam esquerda vemos na televisão, ler on-line ou ouviu no rádio não vai-e nunca por suas próprias limitações teóricas intrínsecas- à raiz do problema, ou seja, o limites físicos do nosso meio ambiente e estruturas sociais e hábitos mentais que nos precipitam contra eles.

conclusão:

Dizia o sociólogo Peter L. Berger que "as instituições fornecem procedimentos de ação por meio dos quais o comportamento humano é moldado e forçados a marchar através de canais considerados desejáveis pela sociedade. E este truque é feito para que esses canais sejam exibidos ao indivíduo como o a única possível". Embora não haja nenhuma razão para acreditar que desta vez vai ser diferente, a gente se pergunta se algum dia seremos capaz de ressocializar-nos coletivamente, reiniciar o jogo, para obter conscientemente fora dessas faixas que já estavam lá quando nascemos e não escolhemos. O humanista tende a acreditar que é possível, então a fé que "a humanidade" ainda há tempo para tomar consciência, para evitar o pior, como se as espécies e as sociedades têm os mesmos atributos e capacidade de resposta do que os indivíduos. Em contraste, a conversa determinista tende a preferir a mitigação de pequena escala, os freios de mão pequena, uma vez que nenhum comportamento exemplar nunca parou o progresso do mundo. A diminuição virá para o romano ou estrada, e tudo o que está em nossas mãos é decidir de que lado queremos estar.
Para mais informações:

Se você quiser se aprofundar, uma forma divertida e interessante é ver qualquer um desses filmes: O que é um caminho a percorrer: a vida no final do Império (2007), Blind Spot (2008), No Tomorrow (2012), Stop! Rolando Change (2013), Diminuir: o mito da abundância simplicidade voluntária (2014). Se você está procurando uma abordagem rápida para o problema, eu recomendo o 2012 Se em vez disso você está procurando uma abordagem mais holística e não com pressa, tente a 2007, se o que você está mais interessado em soluções, difícil, em qualquer caso em seguida, dar uma olhada em 2013.


Bibliografía:

Imágenes: Gráfico 1 y Gráfico 2
Amorós, Miguel. 2013. “Capital viento: ¿por qué las centrales eólicas?”, Metiendo Ruido, 24 de septiembre [en línea]. 
Bardi, Ugo. 2013. “The punctuated collapse of the Roman Empire”, en su blog Resource Crisis, 15 de julio. 
Berger, Peter L. 1963. Invitation to sociology: a humanistic perspective, Anchor Books, New York, pág. 87. 
Canetti, Elias. 1960. Masa y poder, Alianza Editorial, Madrid, 1983, pág. 187. 
Capellán-Pérez, Íñigo y otros. 2014. “Agotamiento de los combustibles fósiles y escenarios socio-económicos: un enfoque integrado”, Energy, septiembre [PDF en línea]. 
De Castro Carranza, Carlos. 2014. “¿Soluciones tecnológicas? El caso de las renovables y la permacultura”, en el blog Grupo de Energía y Dinámica de Sistemas, Universidad de Valladolid, 12 de octubre. 
Meadows, Donella y otros. 1972. Los límites del crecimiento, Fondo de Cultura Económica, México, págs. 24-25.
Turiel, Antonio. 2014. “Post de resumen: los límites de las renovables”, en su blog The Oil Crash, 28 de agosto. 
Tverberg, Gail. 2014. “Ten reasons intermittent renewables (wind and solar PV) are a problem”, en su blog Our Finite World: exploring how oil limits affect the economy, 21 de enero. 
“Converging energy crises – and how our current situation differs from the past”, Our Finite World: exploring how oil limits affect the economy, 29 de mayo. 
“WSJ gets in wrong on «Why peak oil predictions haven’t come true»”, Our Finite World: exploring how oil limits affect the economy, 6 de octubre. 
Uruguay Sustentable. 2014. “Uruguay invirtió 7000 millones de dólares en energía para el desarrollo”, 25 de junio [en línea]. 
“DINARA solicitó a empresas de exploración petrolera información científica sobre plataforma marina”, 28 de agosto [en línea].

Postar um comentário

0 Comentários