O por que o crescimento exorbitante das desigualdades

Artigo publicado por Vicenç Navarro na coluna “Pensamiento Crítico” no diário PÚBLICO da Espanha, 21 de outubro de 2014.

Este artigo mostra os resultados de um estudo recente nos EUA, que refletem muito bem a situação tão escandalosa que determina o enorme crescimento das desigualdades.


Se você ler a imprensa de negócios e a imprensa popular, ver vários artigos que tentam explicar o grande aumento das desigualdades de renda e riqueza, atribuindo-o a uma variedade de causas, desde as alterações demográficas às mudanças tecnológicas ou à fuga dos postos de trabalho para outros países. A questão da desigualdade tornou-se um tema central, definido pelo presidente Obama como o mais preocupante do século XXI nos EUA. Portanto, há todos os tipos de explicações para todos os gostos. 

Entre aqueles com maior visibilidade, estão os que atribuem o alto crescimento das desigualdades de renda ao crescente diferencial de educação na força de trabalho, atribuindo esse crescimento às diferenças de produtividade entre os que estão se tornando mais educados (com maiores salários) e aqueles que estão menos, (que têm salários mais baixos). Esta explicação parece razoável: quanto mais educação, maior a produtividade do trabalhador e salários mais altos ou empregado. As diferenças salariais estariam, portanto, causadas por essa diferença na produtividade do trabalhador. 

Agora, o problema com essa explicação é que os dados não confirmam ou, dito de outra forma, os dados mostram que esta explicação esclarece apenas uma parte muito pequena (na verdade minúscula) do crescimento das desigualdades. A tese da produtividade do trabalho (com foco no nível salarial adequado para cada nível de produtividade) não explica o enorme crescimento das desigualdades. Os dados estão lá para quem quiser. O último relatório sobre a produtividade e os salários nos Estados Unidos, escrito pelo prestigiado Instituto de Política Econômica (EPI), em Washington, contesta a teoria de que a crescente desigualdade é devido à difusão do conhecimento e da produtividade. Ele conclui, portanto, que todas as políticas públicas que pretendem reduzir o crescimento das desigualdades, aumentando a formação de trabalhadores menos qualificados vão ser dramaticamente insuficientes para resolver as enormes desigualdades. Qual é então a origem deste crescimento? 

As causas políticas do crescimento das desigualdades

Para responder a esta pergunta temos de sair da área do conhecimento econômico e se mover na área de conhecimento político (o que é conhecido no mundo Anglo-saxão, contexto político). Como disse meu professor Gunnar Myrdal, "por trás de todos os fenômenos econômicos há uma realidade política". Vamos ver os dados. 

O EPI mostra como, a partir 1970-2013, a produtividade nos Estados Unidos cresceu 64,9%, enquanto o salário médio da maioria dos trabalhadores nos EUA (80% da força de trabalho no setor privado) cresceu apenas 8 %, oito vezes menos do que o crescimento da produtividade. O resultado é que a grande maioria da riqueza criada pelo trabalhador como resultado da notável crescimento da produtividade, não afetou sua compensação salarial. Onde estava, então? 

Um dos gráficos publicados pela EPI, mostra claro e transparente para onde foi. De 1978-2011 a renda do trabalho diminuiu de 53% para 44% do PIB, enquanto os rendimentos de capital subiu muito acentuadamente. Em outras palavras, a maior parte da riqueza produzida pelo trabalhador foi para enriquecer os proprietários das empresas. Não há outra maneira de lê-lo. Na verdade, o problema é ainda maior do que aparece no gráfico, porque a renda do trabalho também incluem os salários dos grandes empresários e banqueiros, os salários são astronômicos (3.000 vezes o salário) e não têm qualquer relação à produtividade. Quando os salários desses personagens são removidos do capítulo "os rendimentos auferidos", vê-se que a redução dos salários de 80% da força de trabalho é ainda maior. O EPI também mostra que a diferença entre os salários de graduados universitários e graduados do ensino médio era muito, muito menor do que a diferença entre os que estão no topo de pagamento (o Bill Gates do país) e graduados universitários. 

O debilitamento do mundo do trabalho

O que tem acontecido é que as políticas públicas neoliberais iniciadas pelo presidente Reagan muito têm favorecido os mais poderosos grupos sociais em detrimento de todos os outros. Este foi o objetivo da política pública de enfraquecer o mundo do trabalho à custa de enriquecer o mundo do capital. Leia o relatório do EPI e você vai ver. Algo semelhante aconteceu na Europa Ocidental e, mais especialmente durante os anos de crise. É o que costumava ser chamado de "luta de classes" e agora não se usa mais por ser considerado  (por parte da sabedoria tradicional) um termo ultrapassado, assumindo, ainda, que não há classes sociais. Os dados, no entanto, falam por si. Há classes sociais. O que acontece é que foram redefinidas. Hoje, a luta é entre uma minoria que controla e gerencia o capital e todos os outros. 

A solução para as crescentes desigualdades envolve fazer o contrário do que tem sido feito. Ou seja, o fortalecimento do trabalho em detrimento do capital mundial. Para aqueles que imediatamente dizem que este terá um impacto negativo sobre o crescimento econômico  se os teria de aconselhá-lo a ver os dados. As taxas de crescimento foram muito maiores quando os rendimentos do trabalho eram mais elevados e aas rendas do capital mais baixas. O período 1945-1980 foi de crescimento ao 1980-2012. Tão claro.

Postar um comentário

0 Comentários