Uma política de civilização - por Edgar Morin

O autor desenvolve neste artigo a ideia de uma política de civilização que não reduza o pensamento e a ação da política, mas que busque votar a dar-lhe sentido e torne-se uma ferramenta complexa que responda a problemas considerados hoje como privados ou existenciais ou parceladamente analisados frente à realidade.

OS MALES DA CIVILIZAÇÃO

A evolução da nossa história revelou males de civilização ali onde esperávamos conquistas. Também, problemas que são julgados periféricos devem tornar-se centrais, problemas considerados existenciais ou privados devem tornar-se políticos, problemas não econômicos  devem encontrar uma solução econômica. Estes são os problemas que deram origem ao reverso da individualização, o reverso da automação, o reverso do desenvolvimento, o contrário do bem-estar.

A individualização cujas virtudes não se trata de forma alguma de subestimar, tem por revés a degradação das solidariedades antigas e atomização dos indivíduos. Aliás, o Estado assume mais e mais solidariedade, mas de maneira anônima, impessoal e tardiamente. Ele virou-se, nas palavras de Octavio Paz um "Ogro Filantrópico". Pelo caminho, a casca da família nuclear tende a cair de maneira protetora, mas há também crise devido à fragilidade do casamento e a errância de amores. Assim se acumulam e são agravados as solidões em todas as classes da sociedade, mais horríveis ali onde há pobreza.

O reverso da automação está cada vez mais invadindo amplos setores da vida cotidiana pela lógica da máquina artificial que introduziu sua organização mecânica especializada, cronometrado e substituindo pela relação anônima  a comunicação pessoa-a-pessoa. Ela tende a tornar a vida social  uma gigantesca máquina automática.

O inverso de monetização é a crescente necessidade de sistemas de dinheiro apenas para sobreviver, e a diminuição do serviço gratuito, o dom, que é a amizade e a fraternidade.

O reverso do desenvolvimento, é a carreira do crescimento pagando o preço por depredações sobre a qualidade de vida, além do sacrifício de tudo o que não é devido à competitividade. Mais profundamente, o desenvolvimento emergiu e favoreceu a formação de enormes máquinas técnicas e burocráticas que de um lado dominam e esmagam todos os problemas de mão singulares, concretos e de outro produzem irresponsabilidades.

O caso do sangue contaminado, é um caso em que as deficiências, a devastação de uma organização técnico-científico-burocrática, onde o sangue é transformado em uma mercadoria sujeita ao foco da rentabilidade.

Com o bem-estar, se desenvolve o mal-estar. A maioria das doenças tem uma dupla entrada, uma entrada somática e uma entrada psíquica. Não se esqueça da terceiro entrada, social e civilizacional. Além disso, os dramas da adolescência nos subúrbios não são um mal local e periférico, mas a expressão mais difusa no local e periférica de um general mal. O que é chamado de mal e problemas nos subúrbios da cidade são traduções de simplificações em termos topográficos dos problemas de uma civilização que se tornou quase que exclusivamente urbana e suburbana.

A taxa de crescimento do PIB, são incapazes de explicar os processos de degradação da nossa civilização. O problema não é mais do que o desenvolvimento sustentável. É a civilização sustentável.

Anonimização, atomização, "mercaderização" degradação moral, mal-estar, progredindo de forma interdependente. A perda de responsabilidade (dentro da máquina tecno-burocrático compartimentada e hiperespecializada) e perda de solidariedade (devido à atomização dos indivíduos e da obsessão com o dinheiro) levam à degradação moral, uma vez que não há sentido moral sem sentido de responsabilidade e sem sentido de solidariedade.

AS RESISTÊNCIAS

Evocamos aqui tendências dominantes. Mas nada disso foi realizado, porque contratendências surgiram e se desenvolveram. É isso que temos de tentar coletar, integrar e convergir para uma política de civilização.


Além disso, os indivíduos resistem à fragmentação e ao anonimato pela multiplicidade de amores,, o entretenimento das amizades, ou grupos de amigos. Eles resistem à urbanização generalizada adotando comportamentos neo-rurais, fins de semana e feriados, voltam à comida rústica, a companhia de cães e gatos. Mas essas resistências são frágeis: os amores quebram, os grupos se dispersam, a sexualidade liberada é atingida pela Aids, e os neo-neonaturismos e ruralismos do momentos são apenas instantes de remissão.



Uma nova resistência nasce da tomada de consciência ecológica, o desemprego generalizado e a desertificação das cidades: microtecidos da sociedade civil tentam reagir por si mesmos e abrir perspectivas de uma economia obviamente herética aos olhos dos economistas, a economia da qualidade de vida e do convívio. Mas essas iniciativas são locais e dispersas. Não há que sistematizá-las mas sim sistemizar-las, ou seja religá-las, coordenar para formar um todo. Tem-se que fazer emergir a política da civilização. Enquanto a solidariedade, o convívio, a ecologia, são projetados separadamente, a política de civilização concebe e propõe um conjunto de ações conjuntas. Solidarizar, responsabiliza, moralizar são interdependentes em cada solidariedade potencial que é revelada em circunstâncias excepcionais, e há uma minoria de instinto altruísta permanente. Então não é para decretar solidariedade, mas sim de liberar o poder da boa vontade e incentivar ações solidárias.

Casas de solidariedade poderiam ser difundidas em cidades e bairros: elas comportariam um centro de acolhimento para necessidades morais de urgência, com um corpo de voluntários e profissionais permanentemente disponíveis para todas as outras necessidades que dependem de serviços sociais (polícia, instituições para idosos, etc.). Dentro dessa lógica, poderíamos ter oficiais de solidariedade em delegacias de polícia, em cada administração, em todos os locais estratégicos.

Ao mesmo tempo, poderíamos incentivar uma economia solidária para prolongar, em novas formas, a economia mutualista. Iniciativas que dependem, e/ou aumentar, solidariedades locais. Além disso, a formação de cooperativas ou associações, serviços sociais sem fins lucrativos garantiria proximidade.

Puderíamos ver a transformação do serviço  militar em serviço de assistência-solidariedade às desgraças exteriores (Europa e África).

Solidariedade-religação-responsabilidade são os componentes de um comportamento moral. Como toda ética, exige fé, a fé em conjunto mãe da Fraternidade e da comunidade que alimenta a ética da responsabilidade. A França tem um legado de fé cívica republicana patriótica; ela tem um legado de universalismo que pode alimentar a fé Europeia e a mais larga fé de pertença a uma comunidade de destino humano.

São diferentes expressões de fé que devem ser despertadas e regeneradas para alimentar formas de abertura e tolerância. Temos de trabalhar pela moralidade e pelo comportamento.

Convivencializar, solidarizar, regenerar são interdependentes. O convívio que tem sido negligenciado desde que Illich mostrou sua necessidade e cuja política ambiental é um componente reconhecido, deve ser alargado, aprofundado para alargar e aprofundar a resistência espontânea da sociedade civil em prol da qualidade de vida. Isto implica brincadeiras e solidariedade de pessoa para pessoa, partilha e participação nas alegrias, prazeres e dores dos outros, próximo, vizinho, visitante.

A homogeneização, a padronização, tendem a destruir as diversidades culturais e o enraizamento. Há uma angústia difusa, mas real, de perda da terra. Temos de encontrar a terra, e não apenas a terra de França, agora ameaçadas pela desertificação, mas também o planeta Terra que temos de salvaguardar a diversidade humana que vive e as muitas depredações que a ameaçam. A regeneração que sugerimos combina com a regeneração francesa, a regeneração Europeia, a regeneração terrestre. A regeneração francesa permite a autoafirmação da França em sua singularidade; seu princípio universalista aberto permite uma vontade de afirmação europeia em que a Europa é uma resposta vital para os desafios da era global, ela próprio um exemplo universal de parceria global para enfrentar a crise. Patriotismo francês e europeísmo não deve ser oposição, mas vinculados. A Europa de pátrias e as pátrias metaprovinciais devem proteger a identidade de suas regiões.

Convivencializar, solidarizar, regenerar, podem encontrar uma expressão territorial e econômica. Territorialmente, se trata de repovoar o deserto humano, a desertificação não é apenas rural; é urbana, no sentido de que o processo de desumanização é abundante na cidade. Mas, e este é novamente outra forma de resistência, o êxodo urbano começa a substituir o êxodo rural. Podemos ver a transformação de áreas urbanas em cidades e regeneração das aldeias em povos.

Economicamente, a ecologia tornou-se vital e rentável. A qualidade de vida deve tornar-se vital e rentável. Podemos agora contemplar e incentivar negócios e postos de trabalho, reduzindo o deserto "desconvivencializado", o deserto rural, reunindo e desenvolvimento ideias provenientes de iniciativas ainda dispersas e insuficientemente amplificadas. Nosso sistema educacional destrói as habilidades intelectuais que são vitais, destrói a possibilidade de projetar sua própria sociedade, suas próprias vidas, seus próprios problemas. A reforma do pensamento unidimensional e fragmentado que produz este sistema permitiria  e evitar muitos erros. Isso estimularia a revitalização da responsabilidade que sempre foi degradada dentro da compartimentalização e especificação de mundo tecno-burocrático. A política de civilização deve levar à reforma do pensamento. Ou seja, a reforma da educação seria destinada a aprender a contextualizar e globalizar a informação e o conhecimento. A reforma do pensamento é um objetivo primordial da política de civilização.

O EXEMPLO FRANCÊS
Fizemos aqui a mensagem de uma política de civilização no contexto francês, mas também europeu, que também se aplica ao mundo. A exceção francesa deve ser mantida justamente parar propor um exemplo francês. O exemplo pode vir de França, por ser esta nação rica de tradições de "bem-viver" e sofret mais do que outros países europeus "mal-viver".

Este é o objetivo da política de civilização, cuja manifestação é o bem-viver e não o bem-estar que, reduzido às suas condições materiais, perturba.

É uma tarefa de longo prazo, de importância histórica. Ela deve ser desenvolvida nesta década e continuar para além dela. Esta política de resistência à nova barbárie transporta o princípio de uma esperança concreta e permite a reconstrução de um futuro. Ela chama ao mesmo tempo para conquistar isso, a regeneração e reconstrução do passado do futuro.

A política de civilização não reduz o pensamento e a ação da política. Ele restaura o significado. Precisamos integrar a política à política da civilização.

Notas
1 Traducido y publicado por la revista "Complejidad", Año 1, Nro. 1, Sep/Nov., 1995 y cedido especialmente para el Número Especial II de Perspectivas Sistémicas ("Complejidad y Drogadependencia") - Abril 1998.
Este artículo fue publicado por primera vez en Transversales Science Culture Nº 32.

El profesor Morin es, Presidente del Consejo Científico de la consulta y debate sobre la reforma de la educación en el Ministerio de la Educación Nacional y de la Tecnología de Francia. 

Presidente de la Asociación para el Pensamiento Complejo (APC). 
Director emérito de Investigación del Centro Nacional de Investigaciones Científicas de Francia. Director del Instituto Internacional para el pensamiento complejo (IIPC). Vicerrectorado de Investigación y Desarrollo de la Universidad del Salvador. Argentina.
Ha publicado recientemente La Violencia del Mundo con el profesor Jean Baudrillard, Ed. Libros del Zorzal.

Postar um comentário

0 Comentários