Hayek contra Keynes: o debate do século

Alejandro Nadal


No o início da década de 1930 a economia mundial mergulhou na maior crise de sua história. A grande obra de John Maynard Keynes sobre a instabilidade das economias capitalistas estava em gestação. A trajetória intelectual que seguiria este economista se veria atravessada por uma controvérsia que muitos descreveram como o debate do século. A relevância desta controvérsia no contexto atual não pode ser ignorada. 

As linhas divisórias que hoje cruzam pensamento econômico devem muito a este debate. Por exemplo, a análise do papel do Estado e da política na gestão econômica depende essencialmente desta polêmica.

Em essência, a paisagem do campo de batalha foi claramente definida desde as primeiras escaramuças entre Hayek e Keynes. Por um lado, encontramos a crença na existência de forças estabilizadoras nos mercados. Por outro lado, nos deparamos com um esforço analítico focado na instabilidade inerente das economias capitalistas. Mas estamos nos adiantando. Vamos por partes.

Em 1928, um jovem economista austríaco de nome Friedrich Hayek foi convidado para dar três palestras na famosa London School of Economics (LSE). Seus anfitriões ficaram muito satisfeitos. Uma das estrelas em ascensão do LSE, Lionel Robbins, convidou Hayek para passar uma temporada na LSE: seu plano era torná-lo o atacante central para atacar as teses que estavam começando a emergir do grupo perto de Keynes, na Universidade de Cambridge. 

Keynes tinha saltado para a fama em 1919 por seu pequeno grande livro As consequências econômicas da paz, no qual ele apresentou uma dura crítica ao revanchista Tratado de Versalhes. Keynes mostrou que a Alemanha não suportaria as reparações de guerra impostas pelos vencedores e que a instabilidade política seria um dos resultados. No atual contexto da imposição de medidas de austeridade fiscal em países da Europa, o livro de Keynes continua a ser um forte apelo para a reflexão. 

Em 1923 Keynes publicou seu Ensaio sobre a reforma da moeda, no qual argumentava que as mudanças na quantidade de moeda poderia induzir a expansão ou contração da atividade econômica, gerando incerteza sobre os preços futuros. A conclusão foi clara: uma política monetária ativa era necessária para estabilizar o nível geral de preços. Mas Hayek concluiu que a política monetária poderia disfarçar tendências inflacionárias e aqui começa a longa e importante controvérsia entre Keynes e Hayek. 

A polêmica intensificou-se em 1931, quando foram publicas dois dos livros mais importantes destes economistas: Preços e produção, de Hayek e o Tratado sobre a moeda, de Keynes. Aos poucos, foi se descrevendo o contraste entre as posições dos dois autores. Hayek argumentou que o aumento da poupança traria mais investimentos em ativos produtivos. Em vez disso, Keynes argumentou que um aumento da poupança poderia trazer fraudada uma desaceleração econômica, se ele não for acompanhada por expectativas favoráveis ​​para o investimento. 

Para Hayek, a análise de Keynes levava a uma das piores heresias: o desequilíbrio entre poupança e investimento não poderia ser corrigido pelas forças do mercado. Isso significava que não havia um mecanismo de correção capaz de corrigir eventuais disparidades em uma dimensão tão importante da economia. Para Hayek o pior era que esta conclusão poderia ser generalizada para o conjunto economia: Não haveria nenhum mecanismo endógeno capaz de manter o equilíbrio entre a oferta e a procura. 

O conteúdo teórico da discussão tornou-se cada vez mais complexo e, no decorrer dos anos, somente um pequeno grupo de especialistas poderia seguir de perto os argumentos de cada grupo. Em 1932, outro economista do círculo próximo a Keynes, Piero Sraffa, lançou uma dura crítica da obra de Hayek. O ataque focado sobre o papel desempenhado pela assim chamada taxa de juros natural na obra do austríaco. A crítica de Sraffa seria decisiva: Hayek nunca escreveu um livro sobre teoria econômica e também abriu um debate com a Teoria Geral de Keynes. Desde 1937, quando terminou a controvérsia com Sraffa, Hayek se dedicou a um gênero que lhe caia muito bem, o do elogio ideológico. O livro que o consagrou, O Caminho da Servidão, é uma obra de opinião em que tudo o que cheira a intervenção do governo é considerado um embrião do socialismo totalitário ou fascismo. Mas Keynes disse que o fascismo não era o resultado da interferência governamental excessiva na economia, mas do desemprego e da instabilidade do capitalismo. 

Hayek tinha a vantagem de ter sobrevivido por várias décadas a Keynes. Assim, pôde atacar um adversário que não podia responder-lhe. Durante sua longa vida, Hayek manteve sua fé nas virtudes do livre mercado e na sua capacidade de auto-regulação. Mas a fé e a ciência não são bons companheiros.

Postar um comentário

0 Comentários