A eleição dos Estados Unidos: Terminou, por fim, ou não?

por Immanuel Wallerstein

Quase todo mundo está surpreso com a vitória de Trump. Diz-se que mesmo Trump foi surpreendido. E, claro, agora todo mundo está explicando como isso aconteceu, embora as explicações sejam diferentes. E todo mundo está falando sobre as profundas clivagens que a eleição criou (ou refletiu?) No corpo político norte-americano.

Eu não estou indo para adicionar mais uma tal análise à longa lista. Eu já estou cansado de lê-las. Apenas quero concentrar-me em duas questões: Quais são as consequências desta vitória da Trump (1) para os Estados Unidos, e (2) para o poder dos EUA no resto do mundo.

Internamente, os resultados, não importa como se mede-os, move os Estados Unidos de forma significativa para a direita. Não importa que Trump realmente perdeu no voto popular nacional. E não importa que, se um mero 70.000 votos em três estados (algo sob 0,09% do elenco total de votos) havia faltado a Trump, Hillary Clinton teria vencido.

O que importa é que os republicanos ganharam o que é chamado o trio - o controle da Presidência, ambas as casas do Congresso e o Supremo Tribunal. E, embora os democratas possam reconquistar o Senado e até mesmo a Presidência em quatro ou oito anos, os republicanos vão segurar a maioria da Suprema Corte por muito mais tempo.

Para ter certeza, os republicanos estão divididos sobre algumas questões importantes. Isto é evidente apenas uma semana depois das eleições. Trump já começou a mostrar o seu lado pragmático e, portanto, as suas prioridades: mais empregos, redução de impostos (mas certos tipos) e salvar partes do Affordable Care Act (Obamacare), que são muito populares. O establishment republicano (um Estabelecimento muito mais à direita) tem outras prioridades: destruir o Medicaid e Medicare, inclusive, diferentes tipos de reforma tributária, e rolar para trás o liberalismo social (como o direito ao aborto e casamento gay).

Continua a ser visto se Trump pode ganhar contra Paul Ryan (que é a figura chave na direita baseado no Congresso), ou Paul Ryan pode empurrar para trás Trump. A figura-chave nessa luta parece ser o Vice-Presidente Mike Pence, que posicionou-se notavelmente como o verdadeiro número dois no escritório presidencial (como tinha Dick Cheney).

Pence conhece o Congresso bem, é ideologicamente próximo de Paul Ryan, mas politicamente leal a Trump. Foi ele que escolheu Reince Priebus como Chefe de Gabinete para Trump, preferindo-o a Steve Bannon. Priebus significa unir os republicanos, enquanto Bannon está para atacar os republicanos que estão a menos de 100% leais a uma mensagem de ultra-direita. Enquanto Bannon tem um prêmio de consolação como um conselheiro dentro, é duvidoso que ele vai ter qualquer poder real.

No entanto, esta luta intra-Republicana parece, ele ainda é o caso de que a política dos EUA são agora significativamente mais para a direita. Talvez o Partido Democrata vai reorganizar como um movimento mais de esquerda, mais populista, e ser capaz de contestar os republicanos em eleições futuras. Que continua a ser demasiado para ser visto. Mas a vitória eleitoral de Trump é uma realidade e uma conquista.

Passemos agora da arena interna em que Trump ganhou e tem poder real para a arena externa (o resto do mundo) em que ele não tem praticamente nenhum. Ele usou o slogan da campanha "Fazer a América grande de novo." O que ele disse e outra vez foi que, se fosse presidente, ele iria garantir que outros países respeitassem (isto é, obedecer) os Estados Unidos. Com efeito, ele aludiu a um passado em que os Estados Unidos era "grande" e disse que iria recuperar desse passado.

O problema é muito simples. Nem ele nem qualquer outro presidente - seja Hillary Clinton ou Barack Obama ou para essa matéria Ronald Reagan - pode fazer muito sobre o declínio avançado do poder hegemônico de outrora. Sim, os Estados Unidos, uma vez governou o galinheiro, mais ou menos entre 1945 e por volta de 1970. Mas, desde então, tem vindo a diminuir na sua capacidade de obter outros países a seguir seu exemplo e fazer o que os Estados Unidos queriam.

O declínio é estrutural e não algo dentro do poder de um presidente americano. É claro, os Estados Unidos continua a ser uma força militar incrivelmente poderosa. Se ele abusa desse poder militar, ele pode fazer muito dano ao mundo. Obama foi muito sensível a esse dano potencial, que é responsável por todas as suas hesitações. E Trump foi acusado durante a campanha eleitoral de não entender isso e, portanto, ser um portador perigoso de poder militar dos EUA.

Mas ao fazer dano é bem possível, fazendo o que o governo dos EUA pode definir tão bom parece quase além do poder dos Estados Unidos. Ninguém, e eu quero dizer ninguém, seguirá hoje a liderança dos Estados Unidos se ele acha que seus interesses estão sendo ignorados. Isto é verdade não só da China, Rússia, Irã, e, claro, a Coreia do Norte. É verdade também do Japão e Coreia do Sul, Índia e Paquistão, Arábia Saudita e Turquia, França e Alemanha, a Polônia e os Estados Bálticos, e os nossos aliados especiais antigos como Israel, Grã-Bretanha e Canadá.

Estou bastante certo de que Trump ainda não percebeu isso. Ele contará sobre as vitórias fáceis, como acabar com pactos comerciais. Ele vai usar isso para provar a sabedoria de sua postura agressiva. Mas deixá-lo tentar fazer algo sobre a Síria - qualquer coisa - e ele logo estará desiludido de seu poder. Ele é muito improvável a recuar na nova relação com Cuba. E ele pode vir a perceber que ele não deveria desfazer o acordo com o Irã. Quanto à China, os chineses parecem pensar que eles podem fazer melhores arranjos com Trump do que teria sido capaz de fazer com Clinton.

Assim, a mais de direita dos Estados Unidos em um sistema-mundo mais caótico, com o protecionismo o tema principal da maioria dos países e um aperto econômico sobre a maioria da população do mundo. E é sobre isso? De maneira nenhuma, nem nos Estados Unidos nem no sistema-mundo. É uma luta contínua sobre a direção em que o futuro do sistema-mundo (ou sistemas) deve e vai ser a posição.

Postar um comentário

0 Comentários