Donald Trump será um nacionalista ou um imperialista?



donald-trumps-nationalism
Parece que o nacionalismo, em suas várias formas, está em ascensão. Também parece que o establishment político, ou o que poderia ser chamado de ascendência liberal, não está muito feliz com o fenômeno. A resposta da velha guarda globalista liberal foi, na maior parte, estridente e irracional, animada por uma descida reacionária no reducionismo dos estereótipos e dos nomes. Assim, quem votou por Donald Trump ou por Brexit é um xenófobo, um fascista, um racista, um fanático ou qualquer número de outros rótulos que podem ser cuspidos venenosamente na ventilação do baço.Psicólogos amadores notarão que esse tipo de chamada de nome de joelho, e descida para a linguagem do menor denominador comum e do estereótipo, não é tão diferente da maneira como os xenófobos, os fascistas, os racistas e os fanáticos se comportam. Há, portanto, mais do que um pouco de ironia na maneira em que tal lama e esfregaço substituem o discurso racional.
É, no entanto, no espírito do discurso racional que devemos proceder, independentemente do fascismo antifascista dos inimigos da razão.
Vamos começar com uma definição básica de nacionalismo como uma crença na soberania política das nações. Seu antônimo é o internacionalismo, a crença na ausência ou minimização da soberania política das nações. Para além desta definição básica e fundamental, que nunca devemos perder de vista, existem diferentes manifestações de nacionalismo, uma vez que existem diferentes manifestações de internacionalismo.
Tomemos o nacionalismo irlandês, por exemplo. Pareceria ter pouco ou nada em comum com o nacionalismo britânico. De fato, é, no seu núcleo, antagônico ao nacionalismo britânico. Não é este o problema com o nacionalismo? Não conduz a tensões entre as nações? Não é a resposta a tais tensões a sua erradicação por meio de alguma forma de internacionalismo que enfraquece ou destrói a causa ou fonte de inimizade entre nações? Se não existissem nações, diz o argumento, não haveria inimizade entre elas. Isso é verdade, com certeza, mas é como dizer que, se não houvesse vizinhos, não haveria inimizade entre eles. As nações são como vizinhas; Como os pobres, eles estão sempre conosco. Só podemos destruí-los colocando algo muito pior em seu lugar. Se alguém acreditasse seriamente que um governo de Um Mundo seria melhor em termos de liberdade política do que os governos relativamente menores de nações soberanas, eles não sabem nada da natureza do poder político. Tampouco iria erradicar as tensões entre as nações, que poderiam então ser chamadas simplesmente de "regiões". Diante de um Império globalista, veríamos o surgimento do "regionalismo" exigindo a liberdade política do Grande Irmão. E isso é, de fato, exatamente o que estamos vendo hoje. A ascensão do nacionalismo não é outra coisa senão uma rebelião saudável contra o Império globalista.
Mas e quanto ao problema das nações que odeiam as nações? E quanto aos britânicos e aos irlandeses? Estas são boas perguntas, mas estão enraizadas em uma má compreensão da relação política entre as nações. A maioria de nós não consegue entender que a tensão entre as nações não é causada pelo nacionalismo, mas pelo internacionalismo. Assim, o problema entre os britânicos e os irlandeses não está enraizado no nacionalismo, mas no imperialismo, este último é apenas um sinônimo de internacionalismo. Quando uma nação impõe sua vontade a outra nação, ela age como uma potência imperial, não como uma potência nacional. Sendo assim, um verdadeiro nacionalista nunca pode ser um imperialista porque um imperialista é um internacionalista. Um Inglês nacionalista, como distinto de um imperialista britânica, não busca impor o poder inglês na  Escócia, na Irlanda ou no País de Gales. Pelo contrário, na medida em que ele é um nacionalista, ele respeita o nacionalismo de seus vizinhos e gostaria de receber uma Escócia e País de Gales independentes, como ele congratula-se com uma Irlanda independente.Neste sentido, quem se vangloria de que o sol nunca se pôs no Império Britânico não é um nacionalista britânico, mas um imperialista britânico. No mesmo sentido, pode-se ver que os nazistas não eram nacionalistas alemães, mas sim imperialistas alemães, como a invasão alemã da Polônia ilustrava muito severamente.
Tendo discutido o que é o nacionalismo e, o que é igualmente importante, o que não é, talvez possamos julgar melhor se Donald Trump é realmente um nacionalista. Se ele procura libertar a economia norte-americana das invasões do imperialismo econômico globalista, como prometeu, irá atuar como nacionalista. Se ele vem em socorro de uma pequena nação soberana, a pedido daquela nação, quando é vítima do imperialismo de outra nação, pode-se dizer que ele age de acordo com os princípios nacionalistas; Se, no entanto, ele exerce o poder político americano em pequenas nações soberanas em seu detrimento, a fim de perseguir os interesses dos Estados Unidos, ele estará agindo como imperialista ou internacionalista. Assim, por exemplo, a invasão da Polônia pela Alemanha em 1939 foi um ato de imperialismo, ao passo que a declaração de guerra da Grã-Bretanha contra a Alemanha para defender a Polônia não era; A invasão do Kuwait pelo Iraque em 1990 foi um ato de imperialismo, ao passo que a declaração de guerra dos EUA contra o Iraque para libertar o Kuwait não foi. Por outro lado, a invasão do Iraque pelos EUA, em 2003, com armas de destruição em massa, sob o argumento dúbio de que o Iraque possuía tais armas, foi um ato de imperialismo.
Com esses critérios em mente, podemos começar a julgar se a presidência de Donald Trump será nacionalista ou imperialista. Se ele lutar com o Império globalista e defender o fraco contra o forte, ele será um nacionalista (e um herói); Se empregar sua força contra os fracos pelo que afirma ser interesses americanos, será um imperialista (e um vilão). Em prol da justiça e da paz, todos podemos esperar que ele se torne um nacionalista e não um internacionalista, imperialista e globalista.

Postar um comentário

1 Comentários

  1. O grande legado de Donald Trump foi/é as reacções aos seus discursos:
    - passou a ser mais facilmente visível que OS JORNALISTAS DO SISTEMA SÃO GENTE QUE NÃO PRESTA - são uns nazis armados em humanitários.
    .
    Um exemplo: A alta finança, capital global, está apostada em terraplanar as Identidades, dividir/dissolver as Nações para reinar... como Donald Trump andou a falar em fronteiras (logo, subentende-se, é possível uma Identidade defender-se/sobreviver)... os jornalistas mercenários chegaram ao ponto de andar a evocar a imigração para a América... quer dizer, ao mesmo tempo que os jornalistas mercenários andam por aí a acusar povos de deixarem 'pegada ecológica' no planeta, em simultâneo, eles revelam um COMPLETO DESPREZO pelo holocausto massivo cometido sobre povos nativos na América do Norte, na América do Sul, na Austrália, que (apesar de serem economicamente pouco rentáveis) tiveram o «desplante» de quererem ter o SEU espaço no planeta, de querem sobreviver pacatamente no planeta, e de quererem prosperar ao seu ritmo.
    -» Tal como a alta finança, capital global, os jornalistas do sistemas SÃO NAZIS: eles são intolerantes para com os povos autóctones - economicamente pouco rentáveis - que procuram sobreviver pacatamente no planeta.
    [nota: nazi não é ser alto e louro, blá, blá, blá... mas sim, a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros]
    .
    .
    .
    .
    P.S.
    DEMOGRAFIA E SEPARATISMO-50-50: Todos Diferentes, Todos Iguais... ou seja, todas as Identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta -» inclusive as de rendimento demográfico mais baixo, inclusive as economicamente menos rentáveis.
    -» Os 'globalization-lovers', UE-lovers e afins, que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa.
    ---» blog http://separatismo--50--50.blogspot.com/.
    .
    .
    P.S.2.
    É necessário um activismo global
    -» Imagine-se manifestações (pró-Direito à Sobrevivência) na Europa, na América do Norte (Índios nativos), na América do Sul (Índios da Amazónia), na Ásia (Tibetanos), na Austrália (Aborígenes), ETC... manifestações essas envolvendo, lado a lado, participantes dos diversos continentes do planeta (indivíduos autóctones interessados na sobrevivência da sua Identidade) ... tais manifestações teriam um impacto global muito forte.


    ResponderExcluir