O mundo na era do Trump: o que podemos esperar?

por Immanuel Wallerstein


A previsão de curto prazo é a mais traiçoeira das atividades. Eu normalmente tento nunca fazer. Pelo contrário, eu analiso o que está acontecendo em termos de longue durée de sua história e as prováveis consequências no meio-tempo. Decidi, no entanto, fazer previsões de curto prazo desta vez por uma simples razão. Parece-me que todos em todos os lugares estão focados para o momento sobre o que vai acontecer agora no curto prazo. Parece não haver outro assunto de interesse. A ansiedade está no seu máximo, e precisamos lidar com ela.

Deixe-me começar dizendo que eu penso que 95% das políticas que Donald Trump irá prosseguir em seu primeiro ano ou em tempo similar no governo será absolutamente terrível, pior do que nós antecipamos. Isso pode ser visto já nas nomeações para o escalão principal que ele anunciou. Ao mesmo tempo, ele provavelmente vai se deparar com grandes problemas.

Este resultado contraditório é a consequência do seu estilo político. Se olharmos para trás como ele ganhou a presidência dos Estados Unidos, ele fez isso contra todas as probabilidades com uma determinada técnica retórica deliberada. Por um lado, ele constantemente fez declarações que responderam a grandes temores de cidadãos americanos usando linguagem codificada que os destinatários interpretaram como suporte para políticas que eles pensavam aliviar suas dores múltiplas. Ele fazia isso com mais freqüência, seja por meio de brincadeiras breves ou em comícios públicos rigorosamente controlados.

Ao mesmo tempo, ele era sempre vago sobre as políticas precisas que iria seguir. Suas declarações eram quase sempre seguidas de interpretações por grandes seguidores, e muitas vezes essas eram interpretações divergentes, até opostas. Com efeito, ele tomou o crédito pelas declarações fortes e deixou o descrédito para as políticas precisas para os outros. Foi uma técnica magnificamente eficaz. Ele conseguiu onde ele está e parece claro que ele pretende continuar esta técnica uma vez no cargo.

Houve um segundo elemento em seu estilo político. Ele tolerava a interpretação de qualquer pessoa, desde que constituísse um endosso à sua liderança. Se ele sentiu qualquer hesitação sobre endossá-lo pessoalmente, ele foi rápido para vingar-se atacando publicamente o infrator. Ele exigiu absoluta fidelidade, e insistiu que fosse exibido. Aceitava remorso arrependido, mas não ambiguidade sobre sua pessoa.

Parece que ele acredita que a mesma técnica o servirá bem no resto do mundo: retórica forte, interpretações ambíguas por sua variada panóplia de seguidores importantes e, no final, políticas reais bastante imprevisíveis.

Ele parece pensar que existem apenas dois países além dos Estados Unidos que importam no mundo hoje - Rússia e China. Como Robert Gates e Henry Kissinger apontaram, ele está usando a técnica Nixon em sentido inverso. Nixon fez um acordo com a China para enfraquecer a Rússia. Trump está fazendo um acordo com a Rússia para enfraquecer a China. Esta política pareceu funcionar para Nixon. Será que vai funcionar para Trump? Eu não penso assim, porque o mundo de 2017 é completamente diferente do mundo de 1973.

Então, vamos olhar para quais são as dificuldades para Trump. Em casa, sua maior dificuldade é, sem dúvida, com os republicanos no Congresso, especialmente aqueles na Câmara dos Deputados. Suas agendas não são a mesma de Donald Trump. Por exemplo, eles querem destruir o Medicare. Na verdade, eles querem revogar toda a legislação social do século passado. Trump sabe que isso poderia trazer uma revolta de sua base eleitoral atual, que querem o bem-estar social ao mesmo tempo em que querem um governo profundamente protecionista e uma retórica xenófoba.

Trump está contando com a intimidação do Congresso e tornando-o afim à sua linha. Talvez ele possa. Mas então as contradições entre sua agenda pró-ricos e sua manutenção parcial do estado de bem-estar se tornará flagrante. Ou o Congresso prevalecerá sobre Trump. E ele vai achar isso intolerável. O que ele faria a respeito disso é o palpite de qualquer um. Ele não se conhece a si mesmo, já que não enfrenta esse tipo de situação difícil até que precise.

A mesma coisa é verdade na geopolítica do sistema-mundo. Nem a Rússia nem a China estão prontas a recuar o mínimo das suas políticas atuais. Por que deveriam? Essas políticas têm funcionado para eles. A Rússia é mais uma vez uma grande potência no Oriente Médio e em todo o mundo ex-soviético. A China está lenta mas seguramente afirmando uma posição dominante no Nordeste e no Sudeste Asiático e aumentando seu papel no resto do mundo.

Sem dúvida, tanto a Rússia como a China enfrentam dificuldades de vez em quando e ambas estão prontas para fazer concessões oportunas a outros, mas não mais do que isso. Então Trump vai descobrir que ele não é o cão alfa internacionalmente a quem todo mundo deve dar reverência. E depois?

O que ele pode fazer uma vez que suas ameaças são ignoradas é outra vez uma incógnita. O que todo mundo teme é que ele aja precipitadamente com os instrumentos militares à sua disposição. Ele vai? Ou ele será contido por seu grupo interno imediato? Ninguém pode ter certeza. Todos nós podemos apenas esperar.

Assim está. Na minha opinião, não é um quadro bonito, mas não um desesperado. Se de alguma forma alcançarmos no ano que vem uma estabilidade provisória dentro dos Estados Unidos e dentro do sistema mundial como um todo, então o meio-termo assume analiticamente. E lá a história, embora ainda sombria, tem pelo menos melhores perspectivas para aqueles de nós que querem um mundo melhor do que o que temos atualmente.

Postar um comentário

0 Comentários