Fazer os robôs pagar impostos

Por Vincenzo Visco*



Vincenzo ViscoHistoricamente, os sistemas tributários evoluem seguindo a evolução das bases tributáveis ​​(reais e potenciais). Assim, os tributos passaram dos produtos da agricultura e da criação de ovinos para a tributação da terra, do imobiliário, do comércio (impostos), os impostos especiais de consumo, impostos sobre o valor dos bens, tributação dos rendimentos e lucros, impostos pessoais, impostos progressivos, impostos gerais sobre o consumo, etc. Em suma, as autoridades fiscais acompanham o desenvolvimento econômico e a formação de riqueza.

A proposta de "tax robots", recentemente assumida por Bill Gates, não é, portanto, extravagante porque, se a base tributável representada pelo trabalho humano for reduzida, é inevitável que a imposição seja dirigida, mais cedo ou mais tarde, para outras fontes, mesmo que no início isso possa parecer não convencional ou mesmo controverso.

Mas o que significa realmente "taxar robôs"? Na verdade, o debate começou há mais de 20 anos, quando, diante de uma carga fiscal excessiva sobre o trabalho, alguns economistas propuseram reduzir as contribuições para a segurança social e substituí-las em parte por "impostos verdes" (a chamada teoria do "dividendo duplo"). O objetivo fiscal específico era uma externalidade negativa: emissões de CO2.

Outros economistas, por outro lado, propuseram a redução das contribuições para a segurança social, substituindo a base "salarial" por uma base de valor agregado, com a intenção declarada de "taxar os robôs". E esta parece ser, de fato, a solução correcta e racional para o problema de uma base fiscal em declínio.

Ao longo dos últimos 30 anos, de fato, a parcela da renda do trabalho em relação ao rendimento nacional caiu, nos grandes países, em mais de dez pontos percentuais, com um aumento equivalente de renda além do trabalho (lucros corporativos, juros, aluguéis financeiros , Etc.). Por conseguinte, seria inteiramente lógico deslocar a tributação do trabalho para outros rendimentos, mantendo assim as receitas constantes e, por conseguinte, tentando, por exemplo, substituir as contribuições sociais com base nos salários com uma taxa sobre todo o valor acrescentado do rendimento nacional. Esta é a maneira mais fácil e mais simples de garantir que até mesmo os robôs paguem a parte correspondente dos impostos. Além disso, isso reduziria substancialmente o custo do trabalho. Por exemplo, em Itália, as contribuições para a segurança social representam 33% dos salários brutos. Se a mesma imposição fosse cobrada sobre o valor acrescentado total, uma taxa de aproximadamente 16% seria suficiente.

Isso criaria um fundo de bem-estar geral à custa de robôs e para o benefício de todos. Os outros impostos seriam proporcionais aos rendimentos residuais e, neste contexto, a tributação das empresas poderia ser progressiva. 

Mais difícil e menos racional seria imaginar um sistema no qual os robôs sejam individualmente identificados e atingidos. Na verdade, a questão não é sobre a tributação da tecnologia, mas sobre como tornar a tributação mais justa, racional e equilibrada. Tal implicaria, contudo, uma reorganização e uma repensação da concepção e do funcionamento dos atuais sistemas de segurança social. 

Em essência, se os "robôs" são usados ​​por empresas que aumentam sua participação nos lucros em relação ao PIB total, é claro (certo?) Que, no futuro, esses lucros crescentes se tornarão uma base taxável favorita.

As novas fontes de produção de riqueza são hoje a Internet (e não por acaso, por vezes, um "bit tax" é proposto) e a automação, mas eles são ignorados ou mesmo isentos pelas leis fiscais existentes. Pense apenas na perseguição de regras que introduzem em vários países "caixas de patentes" que, essencialmente, está a favorecer as empresas mais inovadoras e rentáveis, ou a corrida controversa para o fundo sobre a tributação das empresas.

Por enquanto, parece que o mundo está indo na direção oposta à indicada por Bill Gates. Enquanto isso, as desigualdades aumentam, a pobreza está crescendo e a classe média está desaparecendo. O mundo tende a polarizar entre um punhado de pessoas super-ricas ou ricas e massas em constante expansão sem direitos e sem recursos. O conflito social relacionado, mais cedo ou mais tarde, explodirá e terá de ser resolvido, não apenas a nível fiscal, mas também através da reorganização econômica, da redução das horas de trabalho, etc. Quanto tempo demora?


*Vincenzo Visco é professor emérito de Finanças Públicas, Universidade de Roma La Sapenza. Ele também é um deputado na Itália e ex-ministro das Finanças e do Tesouro.

Postar um comentário

0 Comentários