Entendendo a revolução digital e o que significa

Por Henning Meyer

HenningroundA revolução digital, usada aqui como uma abreviatura para mudanças tecnológicas mais amplas, é um dos tópicos mais bem sucedidos de hoje na política, economia e negócios. Isso faz com que os políticos se preocupem com as políticas preparatórias a serem seguidas, os economistas consideram os aumentos de produtividade e os sindicatos pensam no futuro do trabalho. Estamos, sem dúvida, confrontados com interrupções em larga escala em muitas áreas que exigem ajustes.
A maioria das pessoas, no entanto, está lutando para obter um controle firme sobre o assunto. Eles perguntam: o que isso significa para mim e as organizações das quais eu sou parte? O que significa mudanças tecnológicas para o meu trabalho? Que tipo de políticas poderiam ser perseguidas para enfrentar esses novos desafios?
Para se analisar a exposição à revolução digital e às potenciais soluções de políticas, precisa começar a dividi-las em dimensões gerenciáveis. Três áreas, em particular, merecem atenção especial: quais são as forças que moldam a aplicação de novas tecnologias? O que a revolução digital significa para o futuro do trabalho? E que tipo de políticas poderiam ajudar a resolver esses problemas?
Os Cinco filtros Da Revolução Digital
Comecemos pela primeira dimensão. Há uma falácia comum, muitas vezes as pessoas assumem que tudo o que é tecnologicamente possível também afetará diretamente a vida cotidiana no curto prazo e com toda a força. Este não é o caso se você pensar cuidadosamente sobre isso.
Existe uma falta geral de análise estruturada das formas como o progresso tecnológico se traduz em vida real. Esta é uma lacuna importante, pois leva a uma visão distorcida dos desenvolvimentos em tempo real. Aqui, tentamos estruturar esse processo e identificar cinco filtros que, de fato, têm impacto da tecnologia moderada.
Primeiro, um filtro ético. Este filtro restringe a pesquisa em si, pois estabelece um quadro de permissão para o que pode ser feito. Isso não afeta muito a tecnologia digital, mas outras áreas como a biotecnologia. A implicação aqui é que nem tudo o que é possível será realmente realizado devido a considerações éticas. A discussão sobre os limites éticos da pesquisa de células embrionárias e células estaminais, bem como engenharia genética mais ampla, são áreas que exemplificam os limites éticos das novas tecnologias. Depende do processo político para determinar a delineação exata desses limites éticos e diferentes países constroem diferentes ambientes regulatórios como resultado.
Em segundo lugar, um filtro social. A resistência social contra a mudança tecnológica não é nova e é provável que seja mais intensa em áreas onde existe uma ameaça perceptível para o emprego das pessoas. Desde os luditas na Inglaterra do século 19 até protestos mais recentes, esse filtro social leva a uma implementação atrasada ou a diferentes formas de regulação. A resistência contra Uber é um desses exemplos atuais. É um caso muito interessante que mostra como a resistência social pode levar a diferentes ambientes regulatórios. No início do ano passado, o autor visitou as principais cidades dos EUA, Reino Unido e Alemanha e levou Ubers. A descoberta: se você chama um Uber em Miami, você recebe um motorista privado; Se você ligar para um Uber em Londres, você obtém um motorista com licença privada e se você ligar para um Uber em Berlim, você só pode obter um táxi totalmente licenciado a um preço medido regular - embora isso tenha mudado recentemente e você também pode obter outros tipos de carro. Mas, em essência, os conflitos sociais e as formas em que são resolvidos têm um impacto claro na aplicação da tecnologia.
Em terceiro lugar, um filtro de governança corporativa. Você pode encontrar muita pesquisa e análise sobre o funcionamento de diferentes modelos de governança corporativa. Este trabalho muitas vezes contrasta o modelo anglo-americano focado no valor do acionista com modelos europeus mais focados em um grupo mais amplo de partes interessadas. O primeiro tende a priorizar os objetivos financeiros de curto prazo, enquanto o último geralmente tem uma visão de médio a longo prazo, incorporando um conjunto mais amplo de interesses na tomada de decisões. A co-determinação através de conselhos de supervisão e conselhos de empresa na Alemanha são exemplos de diferentes procedimentos de tomada de decisão que provavelmente levarão a diferentes resultados na aplicação da tecnologia. Se a mudança tecnológica da escala, provavelmente veremos no futuro próximo, as empresas não são difíceis de ver como esses modelos de tomada de decisão provavelmente produzirão resultados finais diferentes devido aos diferentes enfoques e à variedade de interesses que se refletem o processo.
Em quarto lugar, um filtro legal também modera o que é possível e o que é aplicado no mundo real. Basta considerar carros auto-dirigidos. Do ponto de vista puramente técnico, a maioria dos problemas foi resolvida. Estamos agora mesmo a ver ensaios semi-bem-sucedidos de carros de auto-condução construídos pelo Google e outros em estradas públicas. Mas é improvável que testemunhemos auto-condução de automóveis assumindo a maior parte do nosso tráfego em breve, não menos importante porque não há um quadro legal no local que esclareça questões essenciais, como a responsabilidade. E se a tecnologia afeta uma área que não havia visto qualquer regulamento, um novo quadro legal também poderia determinar a maneira pela qual a tecnologia nova pode ser usada. Os esforços recentes para regular o uso de drones privados é um exemplo para isso.
Por último, mas não menos importante, um filtro de produtividade. Este filtro significa, em princípio, que a aplicação de novas tecnologias não tem um efeito dramático sobre a produtividade porque o gargalo de produtividade está em outro lugar ou a diminuição dos retornos marginais significa que há pouca melhoria real em produtos ou serviços. O economista do MIT, David Autor, citou dois exemplos interessantes para mostrar esse efeito.

Gargalos Humanos (E Outros)

A maioria das pessoas usa alguma forma de software de processamento de texto. Em consonância com a Lei de Moore, vimos um crescimento exponencial contínuo no poder de processamento, embora os desenvolvimentos mais recentes possam sugerir que a regra em décadas irá, finalmente, tornar-se obsoleta. Mas esse vasto crescimento do poder de processamento não foi acompanhado por sua escrita tornando-se igualmente mais rápida. Isso mostra que o obstáculo à produtividade aumenta no processamento de texto não é a velocidade do seu computador, mas a sua própria capacidade de escrever. Seu computador pode se tornar mais rápido ainda, mas você não poderá escrever muito mais ou muito melhor. Você é o gargalo, e não a máquina.
O segundo efeito é quando, principalmente por causa da queda de preços, você constrói o poder de processamento em dispositivos que só têm uso limitado e, portanto, você pode identificar claramente o que os economistas chamam de retornos marginais decrescentes. Para ilustrar este caso, Autor forneceu o exemplo de uma máquina de lavar roupa que agora tem mais poder de processamento que o programa Apollo moon. O que isso realmente significa na realidade? A conclusão é simples: seja qual for o poder de processamento do programa Apollo, conseguiu levar as pessoas para a lua. Sua máquina de lavar roupa, no entanto, será, independentemente de quanto poder de processamento possuir, apenas continue a limpar sua roupa suja. Você pode usar um smartphone para controlá-lo e economizar energia e água, mas a máquina de lavar e o que ele faz não é fundamentalmente transformado. Não vai à lua em breve.
O quadro analítico fornecido por esses cinco filtros leva a uma conclusão importante: a revolução digital certamente oferece grandes oportunidades, mas é crucial compreender em detalhes as forças que determinam as maneiras pelas quais as possibilidades tecnológicas realmente nos afetarão. Uma nova tecnologia realmente tem um efeito importante na produtividade? Haverá conflito social no processo de adoção? E que tipo de quadro regulamentar irá reger a nova tecnologia? É crucial entender esses cinco filtros e o que eles significam para suas circunstâncias específicas.

Qual É O Futuro Do Trabalho?

Seguindo isso, a próxima questão é como essas mudanças moderadas realmente afetam os mercados de trabalho. Há, naturalmente, muitas maneiras pelas quais as novas tecnologias mudam as formas em que vivemos, mas a discussão mais aguda está focada em saber se estamos próximos de perdas de empregos em grande escala. Há um debate vívido entre os especialistas e o público em geral se estamos enfrentando a robotização da maioria dos trabalhos e a resposta honesta a esta questão é: simplesmente não sabemos. Tudo depende do tipo de premissas subjacentes à sua modelagem e da forma como você vê diferentes fatores interagir.
Em tal situação, é aconselhável mapear todas as forças potenciais para que haja uma estrutura que você possa usar para o monitoramento e desenvolvimento de políticas. Os três grandes impactos nos mercados de trabalho são: substituição, aumento e criação.
Seja qual for o impacto total da revolução digital, não há dúvida de que tornará obsoletos alguns trabalhos. Na área de substituição, existem duas sub-tendências que precisam ser consideradas. Primeiro, o caso claro em que um trabalho existente é simplesmente substituído por um computador ou um robô e, em segundo lugar, onde a reorganização e terceirização das tarefas específicas de um trabalho leva a perda de um emprego. A última área também é chamada de "economia gig". Na economia gig, as tarefas específicas ainda são realizadas por seres humanos, mas terceirizadas através de plataformas online. Com a conectividade global, não há mais necessidade de proximidade física para serviços, como tradução, ditado ou determinadas tarefas de design.
A segunda área de mudança é o aumento, que basicamente descreve como a relação entre trabalhadores humanos e tecnologia muda. Isso tem um impacto direto nos conjuntos de habilidades necessárias e na quantidade de mão-de-obra humana necessária. As compras de supermercados são um bom exemplo. Em muitos supermercados modernos, você não encontrará mais dez checkouts com dez pessoas sentadas atrás de tills para verificar produtos. Você é muito mais provável encontrar dez máquinas de auto-check-out com apenas um supervisor humano. Para o supervisor das máquinas de check-out, o conjunto de habilidades necessárias mudou fundamentalmente, pois ele ou ela precisa ser capaz de resolver problemas técnicos se eles ocorrerem. O impacto sobre o número de trabalhadores humanos requerido também é óbvio: em vez de dez pessoas, você só precisa de uma pessoa.
Em terceiro lugar, a revolução digital, claro, também criará novos empregos. Essa sempre foi uma característica das mudanças tecnológicas e os empregos, como o "gerente de mídia social", simplesmente não existem há alguns anos atrás. Mas, em termos de criação de emprego, você precisa fazer algumas perguntas espinhosas.Quão rápido serão criados novos empregos? Em que quantidade e qualidade serão criados? E onde eles serão criados? E o que isso significa para a mobilidade social?
Se você é um motorista de caminhão, por exemplo, e dentro de alguns anos seu trabalho se torna obsoleto à medida que os caminhões se tornam auto-dirigidos, isso significará que você será móvel para cima ou para baixo? Você vai se habilitar e se tornar um trabalhador altamente qualificado ou um caminho para o setor de serviços de baixa habilidade mais provável? O perigo é que tal transição leva a uma mobilidade social descendente e, em alguns países, como os EUA, você já vê evidências para o vazamento de empregos de classe média e a polarização do mercado de trabalho nos extremos alto e baixo do espectro. Este, por sua vez, é uma questão política crucial que nos leva à parte final da política da revolução digital.

A Política Da Revolução Digital

Ao seguir os debates políticos contemporâneos, você percebe rapidamente que está em voga falar sobre a economia digital. O termo "digital" de catch-all pode ter sido adicionado a vários conceitos políticos nos últimos anos, mas, além de tal, há muito pouco debate de substância sobre o que poderia ser uma resposta política abrangente à ameaça do desemprego tecnológico. Como mencionado acima, não sabemos se algumas das previsões mais sombrias sobre perdas de empregos em larga escala se materializam, mas sabemos que os governos precisam estar preparados se e quando ocorrem mudanças significativas no mercado de trabalho.
A idéia revivida de um Rendimento Único Universal (UBI) é a pedra angular da discussão política limitada em curso. A ideia é, é claro, não nova, mas teve inúmeras encarnações ao longo de muitas décadas e foi apresentada como uma solução para problemas bastante diferentes. O que nos interessa aqui é simplesmente se UBI poderia ser uma solução para desemprego tecnológico em grande escala ou deslocamentos temporários do mercado de trabalho que poderiam resultar de mudanças tecnológicas aceleradas. Ao examinar a questão em detalhes, fica claro que uma renda básica não resolveria muitos dos principais problemas. Além da óbvia questão de como financiar uma UBI que seria alta o suficiente para substituir a necessidade de trabalhar, existem várias outras razões para isso.
O primeiro é que o UBI efetivamente reduz o valor do trabalho para a mera renda.Ganhar a vida é, naturalmente, um elemento crítico associado ao trabalho, mas os aspectos sociais também são cruciais. O valor social que o trabalho fornece é uma fonte essencial de auto-estima e dá às pessoas uma estrutura para suas vidas e seu papel na sociedade.
Existe também o perigo de efeitos de cicatrização. Se as pessoas deixam o mercado de trabalho e vivem sobre o rendimento básico durante um período prolongado, suas chances de voltar a entrar nesse mercado tornam-se muito escassas. A mudança tecnológica acelerada é susceptível de tornar as habilidades existentes obsoletas cada vez mais rapidamente, por isso seria bastante fácil perder a capacidade de trabalhar e permanecer preso na renda básica quase que permanentemente.
Isso, por sua vez, levanta a questão da desigualdade. Pagar as pessoas uma renda básica não eliminaria o problema fundamental que, na economia digital, algumas pessoas provavelmente fariam extraordinariamente bem e muitas outras ficariam atrasadas. Um dos argumentos ouvidos é que, se as pessoas querem mais dinheiro do que a renda básica, eles podem apenas trabalhar alguns dias. Se o problema é o desemprego tecnológico, no entanto, esta opção é simplesmente removida, pois a perda de empregos em larga escala torna inviável.
A economia digital, portanto, produziria uma nova subclasse presa ao nível básico de renda e uma elite econômica que colheria os maiores benefícios; Essa elite também seria, em grande parte, livre de responsabilidade social para aqueles que deixaram para trás, pois as idéias para o financiamento de renda básica geralmente dependem de impostos fixos e da abolição das provisões de bem-estar público.
Uma versão universal da renda básica também representaria uma má alocação de recursos escassos. Quer seja pago diretamente ou fornecido como uma forma de crédito tributário, é muito improvável que todos os fundos que seriam pagos a pessoas que realmente não precisam dele podem ser reivindicados de volta através de sistemas fiscais reformados se você tomar a alocação de Sistemas fiscais existentes como referência. E por que um pagamento universal deve ser uma boa solução para um problema específico?
Finalmente, pode haver algumas questões espinhosas sobre quando os imigrantes se qualificariam para a renda básica e, no caso da Europa, como esse sistema seria compatível com as regras de liberdade de circulação e não discriminação da União Européia. Em muitos países, além disso, não seria fácil abolir os sistemas de pensões atuais - também um efeito de renda básica -, pois estes abrangem direitos legais rígidos.
Por todas estas razões, a renda básica não parece uma resposta política adequada à ameaça do desemprego tecnológico. O que poderia funcionar em vez disso? Uma agenda política baseada nas seguintes cinco pedras angulares poderia ser uma solução mais abrangente e adaptável.

Cinco Pedras Angulares Da Política

Primeiro, os sistemas educacionais precisam claramente se adaptar mais às novas realidades econômicas do que até agora. A educação deve ser menos sobre a memorização de informações e mais focada em transformar essa informação em conhecimento, além de ensinar habilidades criativas, analíticas e sociais. As habilidades técnicas podem tornar-se obsoletas muito rapidamente, mas a capacidade de ser criativo, adaptar e se envolver em aprendizagem contínua sempre permanecerá valiosa.
Em segundo lugar, se houver um desemprego tecnológico em larga escala, a reafetação do trabalho restante deve ser um primeiro passo. Pode não ser a semana de trabalho de 15 horas que John Maynard Keynes imaginou para seus netos, mas, quando possível, essa política teria sentido e seria uma primeira ferramenta de reequilíbrio.
Em terceiro lugar, os formuladores de políticas públicas devem estar pensando em esquemas de garantia de emprego que complementariam o mercado de trabalho normal. Garantir a atividade remunerada desta maneira seria iniciado quando os empregos tradicionais forem perdidos; Isso manteria as pessoas ativas e capazes de usar suas habilidades. Se os governos atuassem como "empregador de última instância", isso evitaria efeitos de cicatrização e poderia ativamente promover a habilidade de atualizar se aprender novas habilidades fosse um elemento central da atividade garantida.
Como tal, um esquema desativaria o pagamento de uma atividade de seu conteúdo, criando uma ferramenta de política pública adicional para incentivar atividades socialmente benéficas. Uma garantia de trabalho poderia, por exemplo, ser efetivamente usada para atualizar os setores de saúde e cuidados, onde, nas atuais tendências demográficas, mais um trabalho humano é necessário no futuro.Também poderia ser usado para financiar atividades esportivas e outras atividades culturais localmente e assim fortalecer a coesão social nas comunidades.
Esse sistema de garantia de emprego seria gerenciado através de uma variedade de diferentes intermediários e instituições de governança. Não se trata de introduzir uma economia planejada. A ideia baseia-se no pressuposto de que, mesmo que os empregos tradicionais desapareçam ou há momentos de desemprego de transição, nós, como seres humanos, não ficaremos sem ideias sobre o tipo de atividade socialmente benéfica em que poderíamos participar ativamente.
A quarta pedra angular aborda então como financiar esse esquema. Certamente, vale a pena repensar a tributação, incluindo como a base tributável pode ser ampliada, mas, no final, isso pode ser insuficiente, distorcido ou ambos. Se realmente acabamos em um mundo em que a maior parte do trabalho é feito por robôs, a questão fundamental é: quem é dono dos robôs?
Isso nos leva ao quinto e último ponto: democratizar a propriedade do capital. Se os robôs-proprietários são os vencedores neste bravo e novo mundo digital, o maior número de pessoas possível deve ter participações de propriedade. Isso pode funcionar em nível individual e macro. No nível da empresa, modelos como a "participação dos trabalhadores" poderiam disseminar a propriedade entre os funcionários, de modo que os trabalhadores individualmente se tornassem menos dependentes do salário.
No nível macro, os veículos financeiros de propósito especial poderiam ser criados para re-socializar os retornos de capital. Estes poderiam ser fundos de investimento soberanos que funcionariam ao longo das linhas de recursos universitários ou fundos soberanos e criassem novos fluxos de receita pública que poderiam então ser usados ​​para ajudar a financiar a garantia do trabalho.
A ideia central da renda básica baseia-se numa visão libertária da sociedade. A sua implementação individualizaria muitos aspectos de nossas vidas diárias que estão atualmente organizadas coletivamente. O mix de políticas proposto acima, por outro lado, não apenas proporcionaria uma proteção efetiva contra os potenciais desvios da revolução digital, mas, ao mesmo tempo, criaria ferramentas para fortalecer as comunidades e reduzir a desigualdade.
Este capítulo forneceu uma visão geral de três etapas consecutivas para lidar com mudanças tecnológicas. Precisamos avaliar qual é o impacto da tecnologia na vida real antes que possamos analisar os efeitos nos mercados de trabalho e o que os governos poderiam fazer se as perdas de empregos em larga escala se tornarem um problema.
A revolução digital terá efeitos bastante diferentes em diferentes economias, por isso é importante ter uma abordagem estruturada que possa ser usada para examinar todos os casos. O debate político acaba de começar e o autor explicou por que uma UBI seria uma resposta política equivocada e qual combinação de políticas alternativas poderia proporcionar uma melhor proteção. No entanto, o debate sobre como responder à revolução digital em termos de política permanecerá por algum tempo. É uma das discussões cruciais na década passada e os argumentos avançados neste capítulo são projetados para ser uma contribuição interessante.

Henning Meyer é editor-chefe de Social Europe e um associado de pesquisa do Grupo de Políticas Públicas da London School of Economics and Political Science. Ele também é diretor da consultoria New Global Strategy Ltd. e freqüentemente escreve editoriais de opinião para jornais internacionais como The Guardian, DIE ZEIT, The New York Times e El Pais.

Postar um comentário

0 Comentários