O longo caminho da transição energética

Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Devemos deixar o petróleo antes que ele nos deixe”
Faith Birol (Economista chefe da IEA)

Renewables Global Status Report (GSR)”, de 2018

A edição do relatório “Renewables Global Status Report (GSR)”, de 2018, da Renewable Energy Policy Network for the 21st Century (REN21) revela o quanto falta para o mundo percorrer na transição energética. A figura acima, com dados de 2016, mostra que os combustíveis fósseis ainda dominavam a matriz energética mundial e representavam 79,5% do consumo global. A energia nuclear representava 2,2% do total, ficando as renováveis com 18,2% (fontes modernas com 10,4% e fontes tradicionais com 7,8%). Entre as energias modernas, a eólica e a solar somam menos de 1,7%.
Assim, apesar das tendências positivas, o ritmo da transição energética não é suficiente para se atingir os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris, visando manter o aumento da temperatura global abaixo de 2 graus Celsius. Sem dúvida, é preciso acelerar a transição energética, com aumento das energias renováveis que aproveitam as grandes reservas de vento e sol.
De fato, a instalação de energias renováveis tem batido todos os recordes. Somente em painéis solares foram instalados quase 100 gigawatts (cerca de sete usinas de Itaipu) em 2017. Em turbinas eólicas o aumento foi de cerca de 55 GW. Em alguns países do mundo, as energias eólica e solar já são responsáveis por um terço à metade da eletricidade consumida. Entre 2012 e 2017, a capacidade instalada em renováveis mais do que dobrou globalmente.
Mas a despeito de todos os avanços, o petróleo, o carvão e o gás natural continuam dominando a matriz energética global e as renováveis (excluindo a lenha e o carvão vegetal) respondem por apenas 10,4% do consumo total de energia da humanidade. O crescimento em relação ao ano de 2016 foi se somente de 0,2%. As chamada “renováveis modernas” incluem as hidrelétricas, que são renováveis, mas causam represamento dos rios, interrupção da mobilidade dos peixes e grandes danos ambientais para as bacias hidrográficas.
O Brasil conta com grande participação das hidrelétricas, mas sofre com a crise hídrica, a falta de chuvas e o baixo investimento nas nascentes dos rios. Na energia eólica o país está entre os 10 maiores produtores. Mas na energia solar – que é a fonte que mais cresce no mundo – o Brasil está muito atrasado e desperdiça o seu potencial solar que poderia, sozinho, abastecer todo o país, acabando com a dependência aos combustíveis fósseis.
Referências:
REN21. 2017. Renewables 2018 Global Status Report (Paris: REN21 Secretariat).


in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/09/2018

Postar um comentário

0 Comentários