Uma agenda centrada no ser humano para o futuro do trabalho

Muita discussão sobre o futuro do trabalho sugere que ele pode ser apenas um mundo robótico distópico. Mas o relatório de uma comissão da OIT mostra como os humanos, e não os algoritmos, podem estar no comando.

Resultado de imagem para futuro do trabalho

por Thorben Albrecht 


Quando a Organização Internacional do Trabalho (OIT) foi fundada, 100 anos atrás, após a primeira guerra mundial, governos, empregadores e trabalhadores se reuniram, convencidos de que a paz e a estabilidade duradouras dependiam da justiça social. Isso ainda é verdade e, dadas as mudanças dramáticas que estamos vendo, deve nos encorajar a tomar medidas corajosas e oportunas. A constituição da OIT de 1919, reforçada pela Declaração de Filadélfia de 1944, continua sendo o contrato social global mais ambicioso da história. É hora de revitalizá-lo para enfrentar os desafios de hoje.

Neste contexto, a Comissão Global sobre o Futuro do Trabalho apresentou um relatório à OIT, oferecendo respostas às mudanças fundamentais e disruptivas na vida profissional que estão ocorrendo em todo o mundo. Estamos convencidos de que tais avanços tecnológicos, como inteligência artificial e robótica, criarão novos empregos. Mas aqueles que perdem seus empregos nessa transição precisam de apoio, se quisermos garantir que ninguém seja deixado para trás e evitar o crescimento da desigualdade.

Em nosso relatório, pedimos uma agenda centrada no ser humano para o futuro do trabalho. Esse é o Leitmotiv do nosso modelo de desenvolvimento para regular o uso da inteligência artificial. Assumimos uma abordagem de "humanos em comando", que garantiria que as decisões finais que afetam o trabalho sejam tomadas por seres humanos, e não por algoritmos.

Oportunidades e desafios

Tecnologia, incluindo inteligência artificial, robótica e sensores, envolve inúmeras oportunidades para melhorar o trabalho. A extração de conhecimento através da mineração de dados pode auxiliar as administrações do trabalho a identificar setores de alto risco e melhorar os sistemas de inspeção do trabalho. A tecnologia Blockchain poderia tornar mais fácil para as empresas e os parceiros sociais monitorar as condições de trabalho e o cumprimento da legislação trabalhista nas cadeias de fornecimento.

Mas a tecnologia digital também cria novos desafios para o trabalho decente. As plataformas de mão-de-obra digital fornecem novas fontes de receita a muitos trabalhadores em diferentes partes do mundo, mas a natureza dispersa do trabalho em jurisdições internacionais dificulta o estabelecimento dos direitos dos trabalhadores. O trabalho em plataformas às vezes é mal remunerado - mesmo abaixo dos salários mínimos vigentes - e não existem mecanismos oficiais para lidar com o tratamento injusto. Assim, introduzi na comissão a ideia de um sistema de governança internacional para plataformas de trabalho digital, que exigiria que as plataformas (e seus clientes) respeitassem certos direitos e proteções mínimos. (Eu irei detalhar como este regulamento poderia ser estabelecido em outro artigo sobre a Europa Social.)

Independentemente da forma de trabalho, estamos convencidos de que existem certos direitos que devem ser garantidos a todos os trabalhadores, independentemente de seu acordo contratual ou status de emprego. Assim, o nosso relatório apela para uma "garantia laboral universal", que incluiria direitos fundamentais dos trabalhadores e um conjunto de condições básicas de trabalho. A liberdade de associação e o direito efetivo à negociação coletiva devem ser garantidos para todas as formas de trabalho - assim como a ausência de trabalho forçado, trabalho infantil e discriminação. Para todos os trabalhadores, as condições de trabalho garantidas devem incluir um salário digno adequado, limites de horas de trabalho e locais de trabalho seguros e saudáveis.

Para colocar a Garantia Universal de Trabalho em prática, como um padrão mínimo, exigiria que os governos se inscrevessem nela e em associações de empregadores e sindicatos para aplicá-la. O diálogo social ainda é a melhor ferramenta para gerenciar mudanças e garantir um mundo de trabalho centrado no homem na transformação que estamos enfrentando. Mas, para conseguir isso, as organizações de parceiros sociais também precisam se desenvolver. As organizações de empregadores precisam se adaptar às novas necessidades e reforçar sua capacidade de atender a um conjunto cada vez mais diversificado de interesses comerciais. E as organizações de trabalhadores precisam adotar técnicas inovadoras de organização - incluindo o uso de tecnologia digital para organizar a mão de obra em diversos locais de trabalho e através das fronteiras.

Ponto focal

A própria OIT precisa fortalecer seu papel para revigorar o contrato social global. Tem de se tornar o ponto focal internacional para o desenvolvimento e análise comparativa das estratégias nacionais para o futuro do trabalho. Também recomendamos que a organização crie um grupo de monitoramento especializado para rastrear as tecnologias que afetam o mundo do trabalho e aconselhe sobre como os desafios políticos resultantes devem ser abordados. A OIT precisa avaliar seus padrões e garantir que estejam atualizados, relevantes e sujeitos a supervisão adequada.

Recomendamos ainda que a OIT promova a coordenação entre todas as organizações relevantes da ONU, o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional e a Organização Mundial do Comércio na elaboração e implementação da agenda centrada no ser humano, apresentada em nosso relatório - há elos fortes, complexos e cruciais entre comércio, finanças e políticas econômicas e sociais. O sucesso da agenda de crescimento e desenvolvimento centrada no ser humano que propomos depende muito da coerência entre essas áreas políticas.


O mundo do trabalho está mudando dramaticamente e enfrentamos sérios desafios. Mas se tomarmos medidas corajosas, poderemos fazer uma mudança para melhor.



Thorben Albrecht é o gerente federal do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD) desde 2018. De janeiro de 2014 a março de 2018, foi secretário de Estado no Ministério Federal do Trabalho e Assuntos Sociais. Entre seus projetos legislativos mais importantes estava a introdução de um salário mínimo legal na Alemanha e o lançamento do diálogo "Trabalho 4.0".


Postar um comentário

0 Comentários