Banco Mundial: fragilidade econômica afeta indicadores sociais na América Latina e Caribe

Segundo novo estudo, neste ano, expectativa de crescimento lento para região deverá continuar influenciando as taxas de pobreza e desemprego; 

O Banco Mundial divulgou nesta quinta-feira, em Washington, a previsão de crescimento de 2,2% para a economia brasileira em 2019. O percentual é maior que o 1,1% obtido em 2018, mas a instituição ainda define como lenta a recuperação econômica do país após a recessão de 2015.
A fragilidade econômica na Argentina, no Brasil e no México estão entre os motivos que explicam o crescimento lento na região, by Divulgação / Prefeitura de Santos














Os dados vêm do relatório semestral do economista-chefe para a América Latina e o Caribe, Carlos Végh. Segundo o documento, a região teve crescimento de 0,7%, o que foi menor que o esperado em 2018.
Para este ano, a previsão é de 0,9%. Entre os motivos que explicam esse desempenho está a fragilidade econômica na Argentina, no Brasil e no México. Além disso, a forte queda no preço do petróleo, do cobre e de outras matérias-primas importantes para a região no fim de 2018.

Pobreza e Dezemprego

Como mostram alguns números coletados nos últimos anos, tais fatores impactam os indicadores de pobreza e desemprego da região.
O Brasil tem um peso especial. Entre 2014 e 2017, por exemplo, foi um período de desaceleração e recessão e o país teve aumento de 3 pontos percentuais na pobreza monetária. Essa medida leva em conta a quantidade de pessoas vivendo com menos de US$ 5,50 por dia.
O resultado elevou ligeiramente as taxas de pobreza para a América Latina e o Caribe no período.
Quando o contexto econômico é difícil, as políticas de proteção social e redistribuição de renda se tornam ainda mais importantes. Por isso, o estudo recomenda expandi-las.
Essas políticas são comuns em países desenvolvidos, mas ainda pouco difundidas na América Latina e Caribe. Em 2018, por exemplo, de 15 países da região, apenas 6 tinham seguro-desemprego como parte do sistema de seguridade social.

Postar um comentário

0 Comentários