"A liberdade de imprensa é a permissão de qualquer aleijado bater-se com um professor de esgrima." (Luís da Câmara Cascudo)

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Cuba e os EUA: a cortina sobe

Leonardo Padura

O degelo entre estes dois países, abriu toda uma série de questões que nos leva inexoravelmente à pergunta sobre a necessidade de modernizar a ilha.

O processo de negociações iniciadas entre os governos de Cuba e o dos Estados Unidos para restabelecer as relações diplomáticas e consulares e de abrir pontes de colaboração em questões de interesse mútuo tem estado no olho de meio mundo durante o último mês. 

    

O anúncio feito pelo presidente dos Estados Unidos das primeiras medidas eficazes, seguido pelo diálogo realizado na capital da ilha por representantes dos dois governos durante a terceira semana de janeiro, começa a viagem de um caminho,que as  partes, têm insistido em avaliar longo e complexo, depois de mais de meio século de distância, de tensão e de identificação do outro como inimigo.

Ele não pode ser menos que alentador ver sentado em uma mesa as delegações do "Império" e da "ilha comunista", discutindo seus pontos de vista, mostrando-se inflexíveis em questões consideradas princípios para suas respectivas políticas, revelando que existem diferenças conceituais profundas, mas, acima de tudo, o diálogo civilizado, construtivamente nas palavras de ambos.

E não pode ser menos que desolador pensar que eles já passaram por esses 50 anos e muitas, muitas coisas no mundo e na vida dos cubanos, para que algo assim possa ser possível... 

Três gerações de cubanos vivem sob a pressão dessa profunda e dramática disputa política entre Cuba e os Estados Unidos. Disputa que tem manifestações através do todavia existente embargo decretado em 1962, de várias de agressões verbais e físicas e planos de desestabilização do sistema cubano, confrontos em fóruns internacionais e marginalização de Cuba de alguns deles, como a Cúpula do Américas, que tinha sido expressamente excluída por pressão de Washington.


E de repente, graças ao entendimento do presidente Obama de que essa política de meio século havia fracassado e à vontade repetidamente expressa pelo general Raul Castro que seu governo estava disposto a falar com o seu homólogo dos EUA, tudo, absolutamente todos os tópicos possível, incluindo a questão sempre contenciosa dos direitos humanos, derrubou parte da parede de confinamento solitário e baixou a tensão que tinha entronizado no Estreito da Flórida.

Mesmo que haja setores e pessoas que com suas razões  - ou sem razões - considerando quase uma traição a nova atitude de ambos os executivos, o fato é que a nova situação política, que anuncia um novo clima econômico, começou a gerar mudanças em Cuba, que vão crescer, e cuja existência era impensável no clima anterior de hostilidade.

Para começar, em Cuba, temos visto uma mudança na retórica e reações verbais. Ouvir a funcionários cubanos falar de forma equânime das diferenças e semelhanças com seus colegas norte-americanos é algo que não estávamos acostumados.


E menos ainda quando essas diferenças foram mencionadas não se fez um discurso político defensivo um acusando ao outro discurso político defensiva, por sensível que são os problemas abordados, como a política de imigração (Lei de Ajuste Cubano, ou a disposição de concessão de asilo a fazer profissionais cubanos médicos dispostos a abandonar as suas missões no estrangeiro) ou concepções de democracia e dos direitos humanos que sustentam cada convocado.

Respeito e, acima de tudo, uma serenidade que só agora descobriu que era possível em uma relação histórica que sempre se caracterizou pela hostilidade e resposta rápida e combativa.

Ouvir que a ilha caribenha receberá empresários e empresas americanas dedicadas ao trabalho de telecomunicações é para os cubanos como ouvir sobre o impossível.

Em um país onde, por restrições práticas se faz um uso político das novas tecnologias de comunicação e informação, com um acesso limitado e polêmico à Internet, o fato de abrir as portas e receber - e veremos com que resultados - empresas que podem atualizar a curto prazo um sistema fechado, como uma história de ficção científica.


Mas, se Cuba decide aceitar o desafio da nova situação sua primeira ação prática não pode ser em outro território do que na modernização da sua infra-estrutura envelhecida, que sofre de grandes problemas, não só na área de telecomunicações, mas também no transporte, frascos, construção de moradias, instalações aeroportuárias... muitos dos territórios sobre os quais irá afetar diretamente a chegada anunciada e presumida de centenas de milhares, talvez milhões de visitantes norte-americanos, que agora podem viajar para Cuba sob a extensão de licenças necessárias para este deslocamento.

Várias vezes fui perguntado se eu acredito que Cuba está pronta para receber um aumento significativo no número de visitantes que no ano passado chegou ao fim de três milhões, mas pode chegar a quatro, cinco, a curto prazo, se cumprir as previsões e os norte-americanos "invadirem" a ilha ... E a minha resposta - de mero observador - é não, não está pronta.
 SPUTNIK / ALEXEI NAUMOV

Basta como botão de mostra o fato de que hoje na cidade de Havana a capacidade hoteleira está em sua capacidade máxima. Ou sirva de exemplo gráfico ver o estado da oferta, qualidade e variedade de produtos vendidos em mercados coletores de divisas. Onde vai ficar, o que comer e beber os visitantes? Em quanto tempo e com que capital pode o país se preparar para um aumento repentino no número de turistas que querem alcançar suas cidades e praias?

Com a distensão soou o alarme para o sistema econômico cubano. Para os potenciais benefícios da nova relação social e comercial que é anunciado como possível é imposto criar estruturas mais ágeis e mecanismos econômicos mais eficientes, que se tornou o maior problema em um país e um sistema para o qual, nas palavras de seu presidente, a economia (eficiência da economia) continua a ser o principal problema em aberto.

Os primeiros passos, o que parecia ser o mais difícil, têm-se revelado até agora, o mais fácil, uma vez que dependia da vontade política. O que deve ocorrer no futuro são apresentados muito mais complexos e, sem dúvida, cheio de novos riscos e desafios. Porque  para torná-los reais não é suficiente as mudanças na retórica e de mentalidade, mas em muitas estruturas sociais e econômicas. Bem, isso só levantou a cortina. Agora está começando o trabalho.


Leonardo Padura, escritor e jornalista cubano, ganhou o National Book Award de 2012. Seus romances foram traduzidos para mais de 15 idiomas, e sua obra O homem que amava os cães , tem como personagens centrais Leon Trotski e seu assassino, militante stalinista Ramón Mercader catalão. Seu romance mais recente é hereges .

0 comentários:

Postar um comentário