Irã não teme ação militar do Ocidente, diz Ahmadinejad


O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, declarou neste domingo (11) que não teme uma ação militar do Ocidente. "A nação iraniana não tem medo de suas bombas, seus navios de guerra e seus aviões. Essas armas não valem nada", disse o presidente, segundo a agência Fars News.
Deslize Mostrar imagem
IRIB.IR

"Vocês dizem para o Irã que todas as opções estão sobre a mesa. Deixem-nas aí até que apodreçam. Os tempos de arrogância e colonialismo acabaram, e a era da sua irracionalidade passa também", afirmou Ahmadinejad.

Na terça-feira passada, as seis potências que conduzem negociações nucleares com o Irã aceitaram uma proposta de Teerã para retomar conversas sobre o programa atômico do país, que estavam paralisadas havia mais de um ano.

Israel tem pressionado os Estados Unidos por uma ação militar contra Teerã. Porém, na semana passada, o presidente Barack Obama disse acreditar que ainda havia uma "janela de oportunidade" diplomática com o país persa.

Ataque a Gaza

O Irã também condenou com veemência o que definiu como terrorismo de Estado de Israel contra os palestinos da Faixa de Gaza. E anunciou que aumentará o fornecimento de armas a países amigos da região.

O Ministério de Relações Exteriores iraniano deplorou mediante um comunicado os bombardeios da aviação sionista contra o enclave palestino, que causou ao menos 17 mortos e mais de 30 feridos em três dias consecutivos de agressão.

A chancelaria acusou aos líderes israelenses de assassinar o líder do movimento de resistência Jihad (guerra santa) Islâmica Zuhair Al-Qaissi e vários de seus colegas, e de cometer crimes de guerra e contra a humanidade.

"Essas matanças constituem uma flagrante violação do direito internacional e uma prática ordinária de Israel de assassinar milicianos palestinos. Os israelenses devem ser julgados por crimes de guerra e terrorismo de Estado contra os palestinos", assinalou o texto.

Agregou que, ainda que os crimes de guerra israelenses contra os palestinos não sejam uma prática nova, "os atuais bombardeios refletem a natureza terrorista do regime de Tel Aviv e sua ignorância com respeito ao direito internacional".

O governo iraniano instou seus colegas muçulmanos e a Organização da Cooperação Islâmica a condenar energicamente as ações repressivas israelenses.

Por outro lado, o vice-ministro da Defesa da República Islâmica, Madjid Bokaii, afirmou que Teerã planeja incrementar as exportações de armas a "Estados amigos vizinhos", segundo reportou a Fars News.

O fornecimento dessas equipes militares se especificará no novo ano persa, que no calendário iraniano é 1391 e começa no próximo dia 20 de março. Bokaii disse que durante conversa sustentada em fevereiro passado entre os ministros da Defesa do Líbano, Fayez Ghosn, e do Irã, Ahmad Vahidi, acordou-se fortalecer os laços defensivos entre ambos países islâmicos e estreitar os sólidos vínculos de amizade.

Portal Vermelho Com agências

Postar um comentário

0 Comentários