Relatores Especiais da ONU condenam execuções no Irã

Relatores das Nações Unidas Especiais * sobre o Irã (O Relator Especial sobre a situação dos direitos humanos na República Islâmica do Irã, Ahmed Shaheed, o Relator Especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias, Christof Heyns, e do Relator Especial sobre a tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes, Juan E. Méndez), condenaram a recente execução de quatro membros da minoria árabe Ahwazi na Prisão de Ahwaz Karoun na República Islâmica do Irã. Após um julgamento supostamente injusto, eles foram condenados à morte e executado em ou em torno de 19 junho de 2012. 

"Dada a falta de transparência nos processos judiciais, permanecem grandes preocupações sobre o devido processo e da equidade dos julgamentos em casos envolvendo a pena de morte no Irã", disse que os peritos independentes de direitos humanos, lembrando a execução de Abdul Rahman Heidarian, Abbas Heidarian, Taha Heidarian e Ali Sharif. Os quatro homens, três dos quais são irmãos, foram detidos em abril de 2011 durante um protesto em Khuzestan e condenado por moharebeh (inimizade contra Deus) e Fasad-fil Arz (corrupção na terra). 
  
"Sob a lei internacional, a pena de morte é a forma mais extrema de punição, que, se ele é usado em tudo, deve ser aplicada apenas aos crimes mais graves", disseram eles. "Os arguidos em casos de pena de morte também devem receber garantias de julgamentos justos estipulados no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, ratificado pelo Irão em 1975." 

"Qualquer sentença de morte realizada em violação das obrigações internacionais equivale a uma execução arbitrária", sublinharam os três Relatores Especiais da ONU. 
  
Os peritos em direitos notaram com preocupação o elevado número de execuções levadas a cabo em público, apesar de uma circular emitida em janeiro de 2008 pelo Chefe de Justiça iraniana que proibiu as execuções públicas. Pelo menos 25 execuções foram efectuadas em público este ano. 

"As execuções em público adicionar à natureza já cruel, desumano e degradante da pena de morte e só pode ter um efeito desumanizador sobre a vítima e um efeito de brutalização sobre aqueles que testemunhar a execução", os peritos independentes ressaltou. 

Os relatores especiais lamentaram que as autoridades continuem a aplicar a pena de morte com uma frequência alarmante, apesar de inúmeras chamadas para o Governo da República Islâmica do Irã para estabelecer uma moratória sobre as execuções. Pelo menos 140 execuções são conhecidos por terem sido realizada desde o início de 2012, com algumas fontes que indicam o número para ser tão elevada como 220. A maioria delas são para crimes relacionados com drogas, o que os especialistas não acreditam que constituem os "crimes mais graves" como exigido pelo direito internacional. 

Postar um comentário

0 Comentários