CPI do Cachoeira termina sem pedir indiciamentos



Após oito meses de trabalho, a CPI do Cachoeira foi encerrada sem apontar pessoas envolvidas no esquema de corrupção de Carlinhos Cachoeira. O relatório final do deputado Odair Cunha (PT-MG) foi derrotado ontem por 18 votos a 16.
No lugar do texto de Odair, o documento oficial da CPI serão as duas páginas do voto em separado do deputado Luiz Pitiman (PMDB-DF), aprovado por 21 votos a 7. A alternativa de Pitiman não pede a responsabilização de ninguém. Apenas determina o compartilhamento de todo o material da CPI com o Ministério Público e a Polícia Federal — inclusive sigilos bancários, fiscais, telefônicos e de dados.
Há algumas semanas, o relator, Odair Cunha, havia tentado aprovar seu texto retirando os pedidos de investigação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e de indiciamento de jornalistas. Ainda assim,
Na reunião da CPI, os deputados Onyx Lorenzoni, 
Domingos Sávio, Luiz Pitiman e Carlos Sampaio e o 
senador Cyro Miranda
Odair não conseguiu apoio da maioria da CPI.
O relator manteve acusações contra o governador de Goiás, Marconi Perillo, e o dono da construtora Delta, Fernando Cavendish. O relatório dele concluiu pela acusação de 41 pessoas. Todas, em sua visão, têm ou tiveram relação com o esquema ilegal de Cachoeira, suspeito de comandar uma quadrilha ligada à exploração de jogos ilegais, envolvendo grupos privados e autoridades públicas.
Antes da votação, o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) disse que o relator usou um peso e duas medidas ao responsabilizar só o governador Marconi Perillo, do PSDB, e se utilizou de uma “blindagem” para favorecer o governo federal:
— Não avançamos no ­essencial. A CPI termina onde deveria começar. Detectamos 18 empresas que receberam R$ 421 milhões de origem ilícita. Por que não houve essa investigação? A blindagem se estabeleceu para que o desgaste não atingisse o governo.
O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), mesmo com restrições ao texto de Odair, considerou melhor aprovar o relatório do que deixar a CPI sem uma conclusão oficial.
— Tenho minhas críticas, mas a CPI precisa apresentar um relatório. É insuficiente, mas, pelo menos, responsabiliza Cavendish, dono da Delta. Isso vai para o MPF, que pode ir além. Não é um relatório perfeito, mas será luz de lamparina na noite da impunidade existente no Brasil — afirmou ele, que criticou a presença ontem de parlamentares que nunca apareceram na comissão.
Jornal do Senado

Postar um comentário

0 Comentários