Movimentos social realizam Cúpula dos Povos no Chile - País sedia 1º encontro da Celac

Grupos de esquerda e sindicatos iniciaram nesta sexta-feia (25)  no Chile a Cúpula dos Povos, uma organização paralela ao encontro de chefes de Estado e Governo que inicia-se no domingo (27).

Nos dias 26 e 27 de janeiro Santiago do Chile será sede da primeira Cúpula da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac) com a União Europeia (UE), e a partir da tarde de 27 até 28 de janeiro será realizada a primeira reunião de cúpula da Celac.

Já o encontro entre os povos, que acontecerá até domingo na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Chile, abordará problemáticas referentes ao desenvolvimento sustentável, a preservação do meio ambiente, o respeito às comunidades indígenas e assuntos sociais como a saúde, educação e aspectos trabalhistas. A cúpula dos povos discutirá a justiça social e ambiental, a solidariedade e unidade entre as nações e os povos latino-americanos e europeus, a defesa dos bens comuns e o rechaço à mercantilização da vida e da natureza.

Na tarda da sexta-feira (25) a Cúpula dos Povos organizou uma marcha  macada pela declaração da apoio a Cuba, o país caribenho receberá a presidência temporária da Celac, que exercerá o mandato em 2013. Durante coletiva de imprensa, o vice-chanceler cubano Abelardo Moreno afirmou que o país promoverá a integração, a solidariedade e a paz regional ao assumir a presidência temporária do bloco.



A Celac foi criada em fevereiro de 2010 no México e oficializada em 2011 na Venezuela, constitui um mecanismo de organização política e integração que abriga os 33 países da América do Sul, América Central e Caribe.

Após o encontro em Caracas ficou estabelecido que os países membros da Celac deveriam potencializar o diálogo político e trabalhar conjuntamente para tomar medidas de proteção diante da crise econômica global, complementar os mecanismos regionais de integração e gerar programas de combate à fome, a pobreza,  proteção do meio ambiente e  cuidado do migrante.

Com Prensa Latina

Postar um comentário

0 Comentários