Vicenç Navarro - Marx ( e não somente Keynes) tinha razão

Uma das causas da crise financeira e econômica que tem recebido pouca atenção tem sido a evolução da distribuição de renda entre os derivados do capital e aqueles derivada do trabalho, no período pós Segunda Guerra Mundial .

O conflito capital-trabalho, a que Karl Marx dedicou uma atenção especial, até ao ponto de considerar isso como o segmento da história ("a história da humanidade é a história da luta de classes"), perdeu visibilidade na análise da crise atual, substituída por análises do comportamento de uma seção do mundo do capital, ou seja, o capital financeiro, sem dar importância suficiente para o conflito de capital (e não apenas seu componente financeiro) com o mundo do trabalho. Dados, continuam no entanto, enfatizando a importância da relação do trabalho na gênese das crises econõmicas e financeiras que estão ocorrendo no momento.

Durante o período entre o final da segunda guerra mundial e a década de 1970 (definida como a idade de ouro do capitalismo), o pacto Social entre o mundo do trabalho e o mundo do capital (no qual o primeiro aceitou o princípio da propriedade privada dos meios de produção em troca de aumentos salariais - condicionado ao aumento da produtividade - e o estabelecimento do estado de bem-estar) resultou um aumento muito significativo dos rendimentos a trabalho que atingiu seu nível mais alto na década dos anos 70.

A participação dos salários (em termos de remuneração por trabalhador)  na renda nacional alcançou o cifras  recordes até então. Nos países que mais tarde seria a UE-15 (grupo dos país mais economicamente desenvolvidos  da União Europeia), esse percentual era de 72,9%. Na Alemanha, a porcentagem foi 70,4%, na França 74,3%, na Itália 72,2%, Grã-Bretanha 74,3% e 72,4% Espanha. Do outro lado do Atlântico Norte, nos Estados Unidos, foi de 69,9% (Comissão Europeia, outono 2011, ECFIN, anexo estatístico, tabela 32).

Esta situação criou uma resposta por parte do mundo do capital, que inverteu a distribuição de renda. As políticas iniciadas pelo Presidente Reagan nos EUA e a senhora Thatcher na Grã-Bretanha foram destinadas a favorecer o rendimentos de capitais, enfraquecendo e diluindo o pacto Social.

A generalização destas políticas determinou uma redistribuição das rendas a favor da capital, às custas da renda do trabalho. Como resultado, a participação destes últimos diminuiu consideravelmente então em 2012 foi 65.2% do PIB da Alemanha, em França a 68,2%, 64,4% em Itália, 72,7% na Grã-Bretanha e 58,4% em Espanha, o menor percentual entre estes países e abaixo da UE-15, cuja média foi de 66,5%.

Esta diminuição da quota do PIB dos rendimentos do trabalho criou um enorme problema de escassez de demanda privada, origem da crise econômica. Esta escassez passou, sem embargo, despercebida,  devido a vários fatos, dos quais um era o impacto econômico da reunificação alemã em 1990 e o enorme crescimento do resultado de gasto público em políticas de integração da Alemanha de leste a oeste, que foram financiadas com um grande crescimento do déficit público alemão, que passou a ser excedentárias em 1989 (0,1% do PIB) para um défice de 3,4 por cento do PIB em 1996. Este crescimento da despesa pública tinha um efeito estimulante da economia alemã e, portanto, da economia europeia, dentro do qual o alemão teve e continua a ter um peso central.

O segundo fato que escondeu o impacto negativo que a diminuição na participação do rendimento do trabalho  teve na procura privada foi o enorme endividamento das famílias e empresas, que decorreu em paralelo com a diminuição da renda do trabalho. Este empréstimo foi facilitado pela criação do euro, que resultou na tendência de fundir os interesses bancários dos países da zona euro com a Alemanha.

A substituição do Marco alemão pelo euro conduziu à "alemanizacion" das taxas de juro. A Espanha foi um exemplo claro disto. O preço do dinheiro nunca foi tão baixo, facilitando assim a enorme dívida privada que teve lugar em Espanha. Enquanto o setor público estava em superávit, o privado  tinha um enorme déficit que passou despercebido devido a sua grande dívida (uma consequência da diminuição dos rendimentos do trabalho).

Nesta situação, ainda muito pronunciada na Espanha e outra países periféricos da zona do euro, teve lugar em todos os países da zona euro. Crescimento anual do salário médio dos países da zona euro caiu de 3,5% no período 1991-2000 para 2,4% no período 2001-2010, na Alemanha, de 3,2% a 1,1% e em Espanha, de 4,9% para 3,6% (Comissão Europeia, outono 2011, ECFIN, anexo estatístico, tabela 29). O notável crescimento do endividamento é baseado, em grande medida, nesta realidade.

Por outro lado, a alta rentabilidade das atividades especulativas em comparação com a  de caráter produtivo (afetaram, este último, a diminuição da procura) explica o alto risco e a instabilidade financeira, com o aparecimento de bolhas, incluindo a imobiliária. A explosão dessas bolhas, especialmente nos Estados Unidos deu origem à percepção de que a crise financeira começou e seria limitada para os EUA, sem perceber  que a banca europeia e a alemã em particular (incluindo caixas) estava entrelaçada com a americano de uma forma tal que a crise financeira dos EUA afetou imediatamente o capital financeiro europeu e especialmente o alemão.

A Banca Alemã  (Sachsen LB, IKB Deutsche Industriebank, Hypo Real Estate, Deutsche Bank, Bayern LB, LB, DZ Cisjordânia, entre outros) tiveram que ser resgatados com fundos públicos, incluindo por certo, fundos do Banco Central dos Estados Unidos, o Federal Reserve Board. Neste casos bancários e alemão também foram afetados pelo surto da bolha da imobiliária espanhola, que gerou o pedido de resgate dos bancos espanhóis (que incluía as caixas), que significava, na verdade, um resgate para o capital financeiro alemão, que investiu em instituições espanholas tinha quase 200 bilhões euros, agora tentando recuperar a partir do resgate da banca espanhola , resgate que vai acabar sendo pago com fundos públicos espanhóis, como apontam os dados mais recentes.

A redistribuição de renda a favor do capital e à custa do mundo do trabalho criou este enorme problema de escassez de demanda (devido à crise econômica) e o crescimento da dívida e a especulação (a causa da crise financeira). Tais conflitos trabalhistas tem desempenhado um papel fundamental na origem e na reprodução da crise atual, mostrando que Karl Marx (além de Keynes) estava certo.

Vicenç Navarro

Postar um comentário

0 Comentários