"O Fascismo eterno" de Umberto Eco

O fascismo foi, sem dúvida, uma ditadura, mas não foi totalmente totalitário, não tanto por sua característica, como pela debilidade filosófica de sua ideologia. Ao contrário do que se pode pensar, o fascismo italiano não tinha uma  filosofia própria: tinha só uma retórica .

A prioridade histórica não parece ser uma razão suficiente para explicar por que a palavra "fascismo" tornou-se uma sinédoque, uma denominação pars pro toto de vários movimentos totalitários. Não vale dizer que o fascismo continha em si todos os elementos dos totalitarismos sucessivos, digamos que  "em estado quintessencial". Pelo contrário, o fascismo não tinha nenhuma quintessência, e nem mesmo uma única essência. O fascismo foi um totalitarismo difuso. Não era uma ideologia monolítica  mas sim uma colagem de diferentes idéias políticas e filosóficas, uma colmeia de contradições.

O termo fascismo se adapta a tudo, porque é possível remover de um regime fascista um ou mais aspectos, e  sempre podemos reconhecê-lo como fascista. Apesar dessa confusão, eu acho que é possível especificar uma lista de características típicas daquilo que eu gosto de chamar Urfascismo ou Fascismo Eterno. Tais características não podem ser enquadradas em um sistema, muitos se contradizem uns aos outros, e são típicos de outras formas de despotismo ou fanatismo, mas basta que uma delas esteja presente para fazer coagular uma nuvem fascista.

1. Culto da tradição, do conhecimento arcaico, da revelação recebida na aurora da história humana confiada a hieróglifos egípcios, às ruínas celtas, nos textos sagrados, ainda desconhecidos, algumas religiões asiáticas. Cultura sincrética, que deve aceitar todas as contradições. Basta olhar para a cartilha de qualquer movimento fascista para encontrar os principais pensadores tradicionalistas. A Gnose nazista se alimentava de elementos tradicionalistas, sincretistas, ocultos.

2. Rejeição do Modernismo. O Iluminismo, a Idade da Razão, é visto como o início da depravação moderna. Neste sentido, o Ur-Fascismo pode ser definido como irracionalismo .

3. Culto de ação pela ação. Pensar é uma forma de castração. Portanto, a cultura é suspeita na medida em que é identificada com atitudes críticas .

4. Rejeição do pensamento crítico. O espírito crítico  ópera distinções, e distinguir é um sinal de modernidade. Para o Ur-Fascismo, o desacordo é traição .

5. O medo da diferença. O primeiro apelo de um movimento fascista, ou prematuramente fascista é contra os intrusos. O Ur-Fascismo é, portanto, racista por definição.

6. Chamamento  às classes médias frustradas. O fascismo em nosso tempo encontra seu público nesta nova maioria.

7. O nacionalismo e a xenofobia. Obcessão pela trama.

8. Inveja e medo do "inimigo".

9. Princípio da guerra permanente, antipacifismo.

10. Elitismo, o desprezo para os fracos.

11. Heroísmo, culto à morte .

12. Transferência da vontade de poder para questões sexuais. Machismo, o ódio ao sexo não conformista. Transferência do sexo ao jogo das armas.

13. O populismo  qualitativo, oposição aos  governos parlamentares podres. Cada vez que um político põe em dúvida a legitimidade do parlamento, porque já não representa a voz do povo, podemos perceber cheiro de Ur- Fascismo .

14. Novilíngua. Todos os livros escolares nazistas ou fascistas foram baseados em um vocabulário pobre e em uma sintaxe elementar, a fim de limitar os instrumentos para um raciocínio complexo e crítico. Mas devemos estar preparados para identificar outras formas de novilíngua, mesmo quando assume a inocente forma de um popular reality show.

O Ur- Fascismo pode voltar com as aparências ainda mais inocentes. Nosso dever é desmascará e apontar o índice em cada uma de suas formas novas, todos os dias, em todas as partes do mundo.

Publicado por sociologia crítica

Postar um comentário

0 Comentários