Trabalho, Cultura e Exclusão social

O trabalho descreve um conceito físico e intelectual tendente a que o indivíduo garanta sua subsistência transformando o ambiente que habita. Mas o fato do trabalho em si tem outras perspectivas de questões culturais que devem ser consideradas como reflexão e como elemento análise, como parte do fenômeno do desemprego e da mudança social e posição ideológica sobre o que significa ser empregado ou desempregado na sociedade atual.
trabajo, cultura, exclusión social,
O caráter vital do trabalho como pilar e símbolo da moderna sociedade globalizada tem a ver com suas raízes em uma cultura particular, entendendo a cultura  como um sistema de valores, crenças, normas e atitudes que definem o que se entende por certo e errado, por bom e mal e enquadra os limites do comportamento esperado dos componentes do grupo humano. Não é um sistema fechado, os indivíduos imersos nessa cultura, exploram, experimentam e impulsionam processos de mudança que modificam a percepção de certos elementos ao longo do tempo. O poder, a família, o trabalho, a lei ou religião, são, portanto, instituições que estruturam a sociedade e estão sujeitas a mudanças em seus códigos de significado.

A cultura proporciona ao indivíduo uma certa visão de mundo que é compartilhada pela maioria e que é  que versa sobre o significado da vida e da morte, sobre as crenças e o significado do trabalho. Portanto, todas as culturas têm resolvido, ou pelo menos tem tentado responder às grandes questões com que o homem se tem deparado através de sua vida em sociedade. O trabalho, como um elemento que define as idiossincrasias de uma sociedade sofreu mudanças em seu simbolismo e avaliação ao longo da história .
O trabalho desde a Grécia Clássica até a reforma protestante
Voltando no tempo até as origens culturais da nossa sociedade pós-industrial e situando-nos na Grécia clássica, o trabalho foi tomado como um elemento menor, negativo, inferior. O trabalho se valorava como algo que degrada a própria natureza do homem e foi relegado aos escravos como necessário, mas indigno. A dedicação à cultura, estudo ou simples prazer de lazer, estas sociedades escravistas era o caminho da auto-realização do espírito do homem. É possível que esta consideração da práxis do trabalho como algo negativo, impedira à cultura greco-romana destacar-se no desenvolvimento tecnológico, já que à seu grande potencial teórico e cognitivo se opunha uma quase nula experimentação e uma total falta de metodologia prática. Esta ruptura entre teoria e empirismo e seu desprezo pelo trabalho, diminuiu o potencial de sua bagagem cultural, pelo menos na sua vertente mais relacionada aos avanços tecnológicos.

Na cultura judaico-cristã o trabalho se define originalmente  como um negativo, prejudicial ao homem. Possivelmente seguindo os mesmos princípios do mundo grego, do qual os hebreus  bebem em muitos aspectos. Mais tarde, a religião cristã muda a divisão do trabalho como algo mal, fruto do pecado, para conceder um valor de redenção e sacrifício que tem a virtude de retirar o indivíduo das tentações mundanas e dos vícios. Especialmente a partir de Santo Agostinho a religião Católica enfatiza o valor de submissão e obediência ao trabalho como rasgos positivos a destacar na nova cultura do cristianismo.

É com a Reforma Protestante de Lutero quando a cultura ocidental desenvolve os grandes postulados do trabalho como um elemento não já positivo, mas essencial para o desenvolvimento espiritual e social adequado do indivíduo. Com o florescimento da ética protestante o trabalho atinge um alto grau de avaliação, uma vez que considera a prosperidade e a laboriosidade como sinais inequívocos de salvação eterna e um sinal da vontade de Deus através de predestinação. Vocação profissional é colocado no mesmo nível da vocação religiosa. O desenvolvimento da Revolução Industrial e do capitalismo na Europa, nos séculos XVIII e XIX deve muito a essa visão de mundo promovida pela Reforma, embora ambas as situações (crenças e Tecnologia) sejam alimentadas de volta e misturadas com muitos outros processos históricos desenvolvidos naquela época, e  que têm o trabalho, o capital e as massas trabalhadoras como protagonistas importantes.

O sociólogo alemão Max Weber, em sua obra "A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo", percebe a maneira brilhante e científica de todo o processo histórico e das implicações políticas e econômicas e sociológicas do surgimento do trabalho como um conceito cultural em expansão e um valor básico para transmitir na socialização das novas gerações.
Marx: o homem como ser de Práxis ou o trabalho como alienação
Como consequência não intencional se produz uma situação de turbulência laboral devido à rápida expansão do capitalismo industrial e as deficiências nos processos de adaptação de milhões de novos trabalhadores da fábrica causam o transbordamento das cidades como resultado do afluxo maciço deste exército de trabalhadores provenientes do campo e de áreas menos desenvolvidas .

A partir da análise sociológica e dialética que realiza Marx sobre a questão da alienação, podemos ver que também o trabalho para os marxistas é um fato muito apreciado. O homem tem na auto-realização de seu trabalho uma de suas características. Mas, para Marx a abordagem calamitosa que faz o capitalismo da organização do trabalho e a perda de controle dos trabalhadores do resultado de seu trabalho, lhes faz infelizes, frustra e isola dele dos outros e de si mesmo na medida em que limita o seu verdadeiro potencial como criador e transformador do meio ambiente e da sociedade em que vive. Nas palavras de Marx, o homem é um "ser de práxis", um ser que se desenvolve de forma quase inata habilidades sociais e que transmite no processo de trabalho parte de sua própria essência humana. A importância do trabalho, transcende assim, para além da mera necessidade de subsistência. Trabalho e socialização são inerentes aos seres humanos e da cultura em que está imerso.
O trabalho na cultura pós-industrial: a maldição do desemprego
A opinião de que " você é o que faz " é generalizada e é parte da cultura que emana do século XVIII, mas este axioma aparente está causando estragos nos comportamentos sociais da classe média e trabalhadora do nosso tempo, sobretudo se você considerar que vivemos em um tempo em que o sonho do emprego fixo, estável e regular tornou-se uma quimera. O trabalho, como o núcleo da atividade social do indivíduo, lhe dá valor e reconhecimento a seu grupo de pares, atribuindo um certo status social. A ausência de trabalho supõe a exposição à perda de status que concede o trabalho.

O homem e a mulher da cultura pós-industrial têm sido sujeitos a mais  mudanças sociais em cem anos, do que o resto de seus antepassados ​​nos últimos mil. A transição da família extensa para a família nuclear, a transformação do papel dos pais e sua perda de autoridade ditatorial dentro da família, a libertação das mulheres e a transformação de seu papel em um plano de igualdade dentro e fora da unidade familiar. Ao mesmo tempo, interagem também mudanças na estrutura social causadas, em parte, pelo advento da sociedade de conhecimento e pelos processos de globalização que têm afetado o planejamento dos mercados de trabalho. Todos estes elementos compõem o quadro social, fornecem uma referência para que o indivíduo seja reconhecido em seus múltiplos papéis: famíliar, cidadão, político e também para perceber sua própria condição profissional.

Portanto, o trabalho ainda está instituído como base e motor de nossa vida e de nossa força vital. A tragédia da perda de postos de trabalho, causando um pânico em curto prazo devido às consequências de natureza econômica que envolve a falta de postos de trabalho. De médio e longo prazo, as consequências do desemprego são de desconcerto, apatia, perda de auto-estima e uma diminuição da necessidade de interagir em grupos. Os mesmos critérios culturais, as mesmas condições éticas e morais que fizeram o trabalho uma necessidade e uma virtude a partir da Revolução Industrial, estão agora transformados em símbolos de culpa e frustração para a legião de desempregados na nova sociedade do século XXI .

As tendências futuras sobre as taxas de desemprego que podem suportar o sistema econômico e sua relação com a produtividade e a inflação são os principais assuntos discutidos pelos economistas, sociólogos e outros especialistas, configurando-se como o foco da discussão nos centros de poder. O que parece ter discussão neste momento é que o trabalho se tornou definitivamente um bem escasso, com tudo o que isso implica do ponto de vista cultural. O sistema econômico pode suportar um certo nível de desemprego e crescimento (Keynes), mas talvez seja o indivíduo o que não suporta a função de trabalhador  intermitente e residual, ou pior ainda, o de excluído social.
Trabalho, consumo e exclusão social
A perda de referência representada pela falta de trabalho e a consequente diminuição da capacidade de consumo, cria no indivíduo de hoje uma disfunção que afeta os valores que regem suas vidas, valores que têm sido socializados e normalizados por e para a sociedade de opulência de hoje (Galbraith). As nossas sociedades complexas e organizadas em grandes cidades concentram milhões de pessoas, concentrações humanas onde se gera uma grande interação entre os indivíduos, interação que tem como motores fundamentais o trabalho e o consumo. Ambos agentes que proporcionam orientação e identidade social.

Tomando a premissa afirmada no início desta seção, "você é o que você faz", e invertendo os termos, podemos concluir que "se você não faz, você não é." Isso é como dizer:  Se não trabalhas, não existe, se não consume não conta". É uma forma "moderada e  amável" de exclusão social que está implícita na forma como a sociedade tenta fazer invisível  o infeliz cidadão sem trabalho.

O desempregado, se torna "sutil e delicadamente" apartado da sociedade. Como  não-trabalhador, perde a sua utilidade social e produtiva e como não-consumidor perde sua capacidade de gasto e endividamento; em ambas as situações, o sistema também perde o interesse por um indivíduo que deixou de ter os principais atributos mais valorizados na cultura ocidental: desenvolvimento profissional e um cartão de crédito.
Texto de Guillermo Garoz López* retirado de ssociologos.com. Tradução Luiz Rodrigues.

Licenciado em Sociologia, Mestre em Recursos Humanos e Docente em Formação profissional.

Postar um comentário

0 Comentários